Paula Gama

Paula Gama

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
ReportagemCarros

Ford vende fábrica de Camaçari para governo baiano e abre caminho para BYD

Depois de anos de negociações, a Ford vendeu a fábrica de Camaçari, na Bahia, onde fabricava modelos como Ka e Ecosport. O comprador foi o próprio governo do Estado, em um acordo para reversão da propriedade. Os valores não foram divulgados. A informação foi publicada primeiro pelo Correio da Bahia e confirmada pelo UOL Carros.

Segundo a Ford, "esse processo seguirá legislação vigente, que prevê posterior indenização para a empresa em valores compatíveis com o mercado. O acordo tem a finalidade de simplificar e agilizar o processo de transição de propriedade da fábrica, contribuindo para geração de valor ao Estado e à comunidade baiana."

O acordo abre caminho para que a BYD finalmente assuma a fábrica da Ford. A empresa chinesa, em anúncio feito no dia 3 de julho, firmou acordo com o governo local para a instalação de três unidades fabris na cidade baiana e negociava diretamente com a marca norte-americana para assumir a unidade de Camaçari, mas a negociação acabou emperrada.

Sobre a negociação com a Ford, a BYD disse que reforça seu compromisso de investir R$ 3 bilhões no complexo onde serão instaladas três novas fábricas sendo uma unidade dedicada à produção de automóveis híbridos e elétricos, com capacidade estimada em 150 mil unidades ao ano, outra para à produção de caminhões elétricos e chassis para ônibus, com possibilidade de abastecer o mercado das regiões Norte e Nordeste do Brasil e a terceira, ao processamento de células de lítio e ferro fosfato, com a expectativa de geração de 5 mil empregos.

Já o governo do Estado da Bahia enfatiza que a presença da Ford em território baiano está mantida e independe da reversão, em curso, da propriedade da fábrica da empresa para a administração estadual. Com a manutenção das atividades do seu Centro de Desenvolvimento de Tecnologia, em Camaçari, a Ford emprega atualmente na Bahia 1.500 engenheiros e especialistas que trabalham em criação e design de novos produtos para suas operações em nível global.

"À atuação desta importante plataforma de desenvolvimento de inovações da empresa americana, soma-se, agora, a implantação em Camaçari da fábrica da chinesa BYD, o que deverá elevar a Bahia a novo patamar no cenário da indústria brasileira. Mais do que atrair um grande fabricante de automóveis, no caso da BYD a Bahia conquista a vantagem de sediar um empreendimento voltado para a solução tecnológica, já que os veículos elétricos, especialidade da empresa, têm agregado uma série de inovações nos últimos anos e devem continuar evoluindo", afirmou por meio de nota.

Na fábrica serão produzidos, ao todo, seis modelos, sendo que o sexto - que ainda não foi lançado - poderá ser um elétrico ainda mais barato do que o Dolphin (outro que será feito na nova planta, que tem foco de atender apenas a América Latina). A capacidade máxima será de 150 mil ou 160 mil unidades por ano Stella Li, vice-presidente global da BYD em passagem pelo Brasil

O fim da produção de carros da Ford no país foi uma tragédia para a região. A planta, que tinha capacidade para produzir 250 mil carros por ano e 210 mil motores, chegou a gerar mais de sete mil empregos, contando com suas fornecedoras, que também deixaram o local. Atualmente, na Bahia, cerca de 1,5 mil pessoas seguem trabalhando na área de engenharia da empresa, em projetos internacionais.

O que sobrou da fábrica em Camaçari?

Complexo Industrial Ford Nordeste, Camaçari, dois anos após o fechamento
Complexo Industrial Ford Nordeste, Camaçari, dois anos após o fechamento Imagem: Rafael Martins/UOL
Continua após a publicidade

Pátios vazios, grama cortada e nenhuma placa de identificação, resumidamente, esse é o cenário que a reportagem encontrou durante uma visita ao Complexo Industrial Ford Nordeste, em Camaçari, na Bahia. A coluna esteve no local em janeiro deste ano e, para a nossa surpresa, o espaço, que no passado empregou mais de 4 mil pessoas diretamente, estava em ótimo estado de conservação após quase dois anos sem produzir carros.

No estacionamento, que um dia foi abarrotado de carros de funcionários, havia apenas nove veículos, praticamente o mesmo número de pessoas que conseguimos ver durante o período que estivemos nas redondezas, entre seguranças e funcionários de manutenção. Um deles, inclusive, mantinha a grama baixa com um pequeno trator.

O sinal do tempo e do esquecimento estão em pouquíssimas placas que restaram sinalizando que aquela é uma propriedade particular da Ford Company. As maiores identificações foram retiradas e a moldura aguarda a chegada de novos donos para que a vida volte a pulsar na região.

Apesar do tempo, fábrica segue bem cuidada
Apesar do tempo, fábrica segue bem cuidada Imagem: Rafael Martins/UOL

A fábrica da Ford foi sendo desmontada, aos poucos, entre janeiro e dezembro de 2021. De acordo com um engenheiro que preferiu não ser identificado, 90% das máquinas foram direcionadas para a fábrica de General Pacheco, na Argentina, ou para serem vendidas em leilões para reaproveitamento do aço ou até mesmo como sucata.

"A empresa que assumir a planta terá que construir uma nova linha de produção. O que existe hoje em Camaçari é a infraestrutura base, ou seja, um lugar adequado para instalar máquinas e robôs, galpões. Mas a linha de produção não existe mais. Até os parceiros, em sua maioria, desmontaram o maquinário", conta o técnico, que atualmente trabalha no Centro de Desenvolvimento de Produtos da Ford, que fica no Senai-Cimatec, onde seria instalada a fábrica da Jac Motors no passado.

Continua após a publicidade

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes