PUBLICIDADE
Topo

Novo Hyundai Tucson chega em breve: desvendamos os segredos da Caoa

Jorge Moraes

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.

Colunista do UOL

13/06/2020 04h00

Boa parte da história do grupo CAOA se divide em duas etapas no Brasil. Uma que vai até 2017 com foco na Hyundai e outra, que aconteceu no mesmo ano, quando o chairman Carlos Alberto de Oliveira Andrade anunciou a parceria com os chineses da Chery, comprando a metade da operação no país. E como ficaria a marca que sempre esteve associada aos sul coreanos e aos japoneses da Subaru?

Quem se lembra do trabalho de marketing na mídia, da voz do locutor Ferreira, dos desafios de mercado, das polêmicas do Veloster e daqueles carros que ficaram na memória do povo, como o velho Tucson e o compacto i30. Os importados Azera e Santa Fé e os modelos produzidos em Góias: Ix35, os caminhões HD80 e HR e o xodó da turma, o New Tucson.

Depois de mudar a chave do disjuntor do quadro de energia, a CAOA Chery do Brasil, em São Paulo e Jacareí, local da planta, partiu para ser o lado B mais forte do grupo, deixando claro qual seria o foco, o futuro, na época.

Mas diante do espelho meio inclinado para a China, como ficaria, em termos de produto, o projeto com a sul-coreana Hyundai? A dupla IX35 e Tucson estariam sem vez? A rede de lojas HB, vendas locais, as importações e a conciliação com os planos de crescimento dos chineses?

Vamos lá. O IX35 firme na linha. Ele troca a faixa, muda a cor, ganha um friso mas continua em produção e do mesmo jeito (o modelo parece o guerreiro Highlander - imortal). Ainda para a planta de Anápolis, no projeto Hyundai, chegará no próximo ano, como linha 2022, o novo Tucson.

Carro vai manter o motor 1.6 turbo GDi de 177 cv e caixa automática de dupla embreagem e sete velocidades. Além da parte mecânica, bem resolvida, ganhará visual atualizado, como é vendido nos Estados Unidos. A Hyundai autorizou a renovação do SUV no Brasil, que praticamente pulou duas alterações globais.

Listão

Na lista de novidades da semana, a CAOA soltou o Arrizo 6 e o Tiggo 8, atualizando aqui a potência para 187 cavalos de (186,3 cv) extraídos do motor 1.6 turbo de injeção direta. O sedã Arrizo, na cola dos japoneses, Corolla e Civic, virá com o 1.5 turbo e o Tiggo já falamos dele e mira o segmento do Tiguan.

O Tiggo 7 passou raspando pela mudança nada interessante da China. Por lá, o facelift não agradou (ficou feio) e a atualização do automóvel ficará mesmo para a nova geração. E quanto ao que aguarda o Tiggo 2? Uma grande surpresa, disse a nossa fonte. "Segredo de sete chaves".

A marca de luxo Exeed pode pintar por aqui, não falta vontade, e não sendo feito será importado. Serão dois carros baseados na plataforma do Tiggo 7. O SUV LX, como citado, imprime luxo e vi de perto na China, no último Salão de Xangai. O outro carro terá o porte do Tiggo 8, batizado de TX e TXL (de sete lugares). O VX é a novidade da marca e ninguém por aqui falou muito sobre ele.

Outro plano que começa a sair do papel é a expansão das exportações dos carros da CAOA Chery para o Mercosul. O planejamento está feito, começou com o Paraguai e o progresso para atingir todo o mercado sul-americano já foi revisado e aprovado pelo chairman Carlos Alberto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.