PUBLICIDADE
Topo

Carros automáticos: 8 boas opções de usados pequenos e baratos

Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

Colunista do UOL

23/07/2020 04h00

Demorou, mas aos poucos o mercado de carros usados vai sendo abastecido com mais opções de modelos com transmissões automáticas. Até pouco tempo, esse era um item considerado de luxo, que poucos aceitavam pagar uma considerável diferença para ter mais conforto. Com isso, era natural que apenas carros mais caros, de categorias superiores, oferecessem opção essa opção.

Certo que tivemos alguns carros menores e mais simples sem o pedal da embreagem. Lembro dos saudosos Chevrolets Chevette, Kadett e Corsa sedã. Lembro também de alguns importados, como Suzuki Swift, Honda Civic hatch e Daihatsu Charade.

Devem ter outros, que não me lembro agora, mas o fato é que todos eram modelos de nicho, com baixas vendas. Quem quisesse um automático usado nem cogitava os pequenos pela falta de opções.

Porém, hoje a realidade é outra. Não é preciso muito para ter um pequeno automático na garagem. E digo mais: alguns são até mais baratos que os carros zero-quilômetro de entrada.

Para essa lista, considerei modelos com até 4 m de comprimento, que estão separados em ordem crescente de preço.

Kia Picanto

Picanto - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O pequenino da Kia não é visto com frequência nas ruas, mas foi oferecido por um bom tempo no Brasil até sair de linha em 2019. Importado, sempre foi mais caro que os concorrentes e, por isso, pouco atrativo. Particularmente, prefiro os modelos da segunda geração, pós-2012, e creio que o leitor deve concordar comigo. Bonito e bem equipado, teve versões que vinham até com teto solar.

Com exceção dos raros modelos com motor 1.1 nos primeiros anos, a imensa maioria tem motor 1.0, sendo que na segunda geração é o mesmo tricilíndrico do Hyundai HB20. Com câmbio automático, a dirigibilidade não é das melhores, nem o consumo é tão baixo quanto pode parecer. Ainda assim, o charmoso Picanto tem público garantido no mercado de usados. Enquanto os modelos da primeira geração partem de baixos R$ 18 mil, os da segunda geração começam em R$ 27 mil.

Fiat 500

Fiat 500 - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

Os pequenos Cinquecento da Fiat foram oferecidos com dois tipos de câmbio que dispensam o pedal da embreagem: automatizado de 5 marchas e automático de 6 marchas. Como não estou considerando automatizados nessa coluna, me limitarei aos poucos 500 automáticos de verdade, disponíveis apenas entre 2012 e 2015.

Sou fã do carrinho, tanto pelo simpático e clássico design quanto pela farta oferta de equipamentos. É um carro caprichado, um tanto caro de manter, mas com uma legião de fãs pelo mundo. O preço começa nos R$ 32 mil, tanto na versão Lounge Air quanto na versão Sport Air.

Hyundai HB20

HB20 2016 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O carro mais bem-sucedido na Hyundai no Brasil fez um estardalhaço no seu lançamento. Bonito, moderno e bem acabado, exigiu que a concorrência se mexesse para enfrenta-lo. Um bom diferencial era a opção de transmissão automática. Uma pena que nunca tivemos HB20 1.0 automático, como seu irmão Kia Picanto, que usa a mesma mecânica e tinha essa opção.

Mas, nos tempos dos câmbios automatizados de alguns concorrentes, o legítimo automático do HB20 era bem melhor de guiar, mesmo que se limitasse ao motor 1.6.

Não podemos negar que o carro é famoso por ser beberrão, mas a Hyundai deu um jeito no modelo 2016, quando o câmbio passou de 4 para 6 marchas. Consumo e desempenho melhoram e deram vida nova ao pequeno Hyundai. O preço começa em R$ 35 mil nos modelos 2013 e parte de uns R$ 42 mil nos modelos pós-2016.

Chevrolet Onix

Onix - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Líder entre zero km nos últimos anos, o Chevrolet Onix também faz bonito no mercado de usados. Quando foi lançado, em 2014, era o único que oferecia câmbio automático de 6 marchas na categoria dos pequenos. Mas, se for comprar um desses mais antigos, fique atento com a manutenção.

É comum essa caixa ter problemas precoces, que exigem reparos caros. O óleo da transmissão deve ser substituído com frequência, portanto evite aqueles que não possuem esse histórico. Assim como no HB20, os preços começam nos R$ 35 mil, mas em um carro um ano mais novo.

Toyota Etios hatch

Etios - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Foi na linha 2017 que o Toyota Etios ganhou importantes melhorias, estéticas e mecânicas. Quando digo estética, estou considerando apenas a parte interna, mais especificamente dos mostradores do painel, que passaram a ser digitais.

O carro em si continuou, e continua, com o mesmo visual estranho de sempre. Os motores, tanto o 1.3 quanto o 1.5, passaram por melhorias que os deixaram mais potentes e econômicos.

No pacote de mudanças, veio a tão aguardada caixa automática, indisponível no lançamento do carro quatro anos antes. A Toyota optou pelo consagrado câmbio de 4 marchas que equipava o Corolla.

Alguns criticaram, mas eu não vejo problemas, pois na prática o carro é bom demais de andar. Você até esquece a feiura externa, de tão bem acertado que ele é para uso diário. Os preços começam da faixa dos R$ 40 mil para a versão X com motor 1.3. Apesar de ser a versão de entrada, vem bem equipada.

Nissan March

March - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Modelo um tanto incompreendido no Brasil, tem fama de robustez mecânica, baixo consumo de combustível e bom espaço interno. Mas, por algum motivo, não deslancha nas vendas. Para o modelo 2017, quando já era fabricado no Brasil, a Nissan passou a oferecer o ótimo câmbio automático do tipo CVT no March.

Melhorou o que já era bom. Pesando menos de uma tonelada, o motor trabalha com "folga" e, mesmo quando é exigido, mantém o baixo consumo de combustível. Assim como o Etios, começa na casa dos R$ 40 mil na versão SV, mas considerando que tem motor mais potente e câmbio mais moderno, tem relação custo/benefício superior à do Toyota.

Volkswagen Gol

Gol - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O carro com trajetória mais longa dessa lista levou décadas para ter um câmbio automático de verdade. Valeu a pena esperar, pois o conjunto é bom. Trata-se do eficiente motor 1.6 16v, com a caixa automática de 6 marchas.

Um bom casamento, que faz do Gol um ótimo companheiro para uso diário. Infelizmente, as vendas não têm sido tão animadoras, já que o carro é caro e, no fim nas contas, continua sendo um simples Gol.

O salto não é tão grande para o Polo, carro maior e mais moderno. Mas, como eu sempre digo, o mercado de usados consegue ajustar essas divergências. O modelo 2019 do Gol automático começa nos R$ 46 mil, um bom preço, considerando o pouco tempo de vida do carro

Ford Ka

Ford Ka - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Outro veterano no mercado de usados, levou bons anos para ter a opção de câmbio automático. Fico pensando no primeira Ford Ka que tivemos, aquele do fim dos anos 90, com visual ousado, pequenas dimensões e apenas duas portas, se tivesse opção de câmbio automático desde então. Teria feito sucesso?

Acho que não, mas não custa imaginar que seria uma proposta bem interessante para um mercado carente de carros pequenos automáticos. De qualquer forma, demorou, mas pelo menos a Ford acertou em nunca equipar o Ka com o mal falado câmbio PowerShift do Fiesta.

Com isso, a fama do Ka automático tem tudo para ser das melhores. Ele usa o moderno motor 1.5 de 3 cilindros, com a caixa de 6 marchas. Por ser relativamente novo, parte dos R$ 47 mil para o modelo 2019.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL