Criança pode fazer dieta vegana, sem alimentos de origem animal?

Sim, pode fazer, mas desde que o plano alimentar seja orientado por um nutricionista especializado. O profissional irá montar a dieta vegana de forma a evitar a carência de nutrientes importantes para o crescimento e desenvolvimento da criança.

Sem suplementação, essa dieta é incapaz de suprir todas as necessidades nutricionais de quem está nessa faixa etária. Os pequenos podem apresentar deficiência de vitamina D, vitamina B12, cálcio (não somente pela ingestão insuficiente, mas também pela alta excreção desse mineral) e de outros nutrientes, causando, por exemplo, diminuição da densidade óssea e quadro de anemia.

Por esse motivo, a dieta sem qualquer produto de origem animal requer planejamento cuidadoso.

Mas claro que ela também tem o seu lado positivo:

Menor ingestão de gordura saturada e ingestão adequada de fibras e antioxidantes, o que pode acarretar menor risco de doenças cardiovasculares ao longo da vida, além de promover uma boa saúde geral.

Menor impacto ambiental, o que pode ensinar às crianças sobre sustentabilidade e respeito pelo meio ambiente.

Vale saber que não existe uma idade específica para introduzir a dieta vegana na rotina das crianças. Porém, o mais indicado é que o plano alimentar comece depois dos seis meses de vida. De acordo com o Ministério da Saúde e o Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 Anos, os pequenos devem ser amamentados exclusivamente nos primeiros seis meses e permanecerem com o aleitamento, de forma complementar, até os dois anos ou mais.

Se o seu filho já passou dos seis meses de vida e você quer seguir uma dieta sem ingestão de proteína animal, confira alguns alimentos que podem ajudar na substituição pela proteína vegetal:

  1. Legumes e leguminosas: feijões, lentilhas, grão-de-bico e ervilhas são ricos em proteínas e podem ser usados em sopas, ensopados, saladas e hambúrgueres vegetarianos.
  2. Tofu e tempeh: o tofu é uma excelente fonte de proteína à base de soja e pode ser preparado de várias maneiras, como grelhado, frito ou em pratos mexidos. O tempeh é outro produto de soja fermentado que é rico em proteínas e tem um sabor de nozes.
  3. Produtos à base de soja: além do tofu e do tempeh, existem muitos produtos à base de soja, como hambúrgueres, salsichas e leite de soja, que são boas fontes de proteína.
  4. Nozes e sementes: amêndoas, nozes, sementes de chia e de linhaça e outras nozes e sementes são ricas em proteínas e podem ser adicionadas a cereais, iogurtes ou consumidas como lanches.
  5. Grãos integrais: quinoa, trigo sarraceno e aveia também contêm proteínas e podem ser usados em pratos principais e acompanhamentos.
  6. Leite vegetal: leites de amêndoa, soja e de aveia são frequentemente enriquecidos com proteínas e podem ser usados em cereais, smoothies e receitas de panificação.
  7. Vegetais de folhas verdes: espinafre, couve e brócolis, por exemplo, contêm quantidades significativas de proteína e podem ser incorporados a pratos diversos.
Continua após a publicidade

Lembrando que é importante equilibrar essas fontes de proteína com outros nutrientes essenciais, como ferro, cálcio e vitamina B12. Planejar refeições variadas e balanceadas é a chave para garantir que as crianças recebam todos os nutrientes de que precisam.

Fontes: Mariana Ribeiro, nutricionista e coordenadora do Centro de Nutrição e Dietética Hospital Infantil Albert Sabin, em Fortaleza (CE); Marianne de Carvalho Castro e Stefanie Mendes Quirino, nutricionistas do HU-UFMA (Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão) ligado a Rede Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares).

Quais são suas principais dúvidas sobre saúde do corpo e da mente? Mande um email para pergunteaovivabem@uol.com.br. Toda semana, os melhores especialistas respondem aqui no VivaBem.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes