PUBLICIDADE

Topo

Pesquisadores criam tomates com tanta vitamina D quanto dois ovos

Pesquisadores conseguiram alterar enzima que inibia a produção de vitamina D no fruto - Joanna McCarthy/Getty Images
Pesquisadores conseguiram alterar enzima que inibia a produção de vitamina D no fruto Imagem: Joanna McCarthy/Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

23/05/2022 18h15

Pesquisadores produziram um tipo de tomate geneticamente modificado com alta concentração de vitamina D, que promete ajudar pessoas com deficiência do composto. A descoberta está em estudo publicado no periódico Nature Plants nesta segunda-feira (23).

Os tomates serão produzidos em testes ao ar livre no Reino Unido no próximo mês, informou o jornal britânico The Guardian. A equipe indicou que a quantidade de vitamina presente no fruto alterado é igual à presente em dois ovos de tamanho médio ou 28 gramas de atum. Segundo os pesquisadores, os alimentos ainda mantêm a vitamina nas folhas, o que ajudaria a produzir suplementos para pessoas vegetarianas e veganas.

No estudo, a equipe de cientistas do Centro John Innes (Inglaterra) explica que os tomates foram produzidos após uma alteração genética em uma molécula específica. Isso possibilitou converter a produção de provitamina D3 (substância que vira vitamina D3 após reações do organismo) por meio da exposição ao UVB (raio ultravioleta do tipo B).

Em sua estrutura, os tomates já contêm a provitamina D3 —ou 7-desidrocolesterol (7-DHC)—, mas uma enzima chamada Sl7-DR2 a transforma em outras moléculas. A partir da edição de genes CRISPR-Cas9, os cientistas formataram o processo para que a concentração de vitamina D3 ocorra no fruto, sem alterar o seu desenvolvimento ou integridade.

Mais alimentos podem ser fortificados

O estudo diz que a descoberta abre espaço para que demais alimentos com estrutura bioquímica semelhante passem pelo processo. É o caso, por exemplo, de berinjela, batata e pimenta.

"Nós mostramos que você pode biofortificar tomates com provitamina D3 usando a edição de genes, o que significa que eles podem ser desenvolvidos como uma fonte sustentável de vitamina D3 baseada em plantas", afirmou em um comunicado Cathie Martin, uma das autoras do estudo.

Martin defende que a descoberta confere avanços a um problema de saúde global, já que 1 bilhão de pessoas no mundo apresentam deficiência de vitamina D. Além de apresentar benefícios aos produtores, porque as folhas também poderiam ter uso.

"Os tomates enriquecidos com provitamina D oferecem uma fonte à base de plantas da vitamina. Essa é uma ótima notícia para as pessoas que adotam uma dieta rica em vegetais, vegetariana ou vegana, e para o crescente número de pessoas em todo o mundo que sofrem do problema de insuficiência de vitamina D", comentou o pesquisador Jie Li, primeiro autor da pesquisa.