PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Gratidão pode ser libertadora e aprisionadora; como encontrar o equilíbrio?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Monteiro

Colaboração para o VivaBem

10/12/2021 04h00

Gratidão, "gratiluz". Esse sentimento, tão subjetivo e abstrato, é tendência em um mundo norteado pelas redes sociais. Desenvolver o hábito de expressar a palavra da moda pode não apenas nos fazer sentir melhor, como também reprogramar nosso cérebro com efeitos duradouros e provocar mudanças benéficas em nosso corpo.

Dicas como ter um "diário da gratidão" são endossadas até mesmo por especialistas, como é o caso de Fabiano Moulin, médico neurologista e professor do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). "Ser grato nada mais é do que saber reordenar seu cérebro para que ele se adeque a sua realidade com positividade, ao que está posto e como você se coloca nessa história", explica.

É possível construir questionários de avaliação sobre quantas vezes por dia o indivíduo agradeceu e apresentou sensação de pertencimento. "Uma das minhas indicações mais importantes é o treinamento com o diário de gratidão. Ele parece extremamente desafiador de imediato, mas com o tempo, vai se tornando parte de uma rotina na qual não é necessário um grande acontecimento para agradecer, mas sim qualquer coisa boa do seu dia vale", diz.

Essa prática de escrever motivos que o fizeram sentir-se grato em uma folha de papel, na verdade, não é nova. Ela foi criada por Martin Seligman, o pai da psicologia positiva, e trata-se de uma metodologia que age na "profilaxia" da saúde mental, ou seja, não espera que o indivíduo adoeça para enfim agir. Ela ainda treina seu cérebro para estar atento aos pequenos detalhes do cotidiano.

Fabiano explica ainda que se sentir grato ajuda na redução de hormônios relacionados ao estresse, como é o caso do cortisol, e também produz neurotransmissores importantes, como os opióides, que nos ajudam a pensar, e outros como a dopamina, que atuam na sensação do prazer e da recompensa.

Pensando a longo prazo, isso pode ser muito positivo, pois a saúde mental caminha lado a lado da saúde cardiovascular, por exemplo. Portanto, cuidar dela é a certeza de que você terá mais proatividade e até um envelhecimento melhor e mais ativo. "Um corpo doente, que não vai voltar ao funcionamento normal de forma espontânea, precisa de estímulo. Incluir gratidão e até o perdão pode ajudar tanto evitando-as como se aliando a tratamentos multidisciplinares na pessoa que já se encontra doente, aumentando seu cardápio das emoções positivas", pontua.

Camila Viana, psicóloga e mestre em orientação familiar, ainda relembra que, para muitos estudiosos, sem a gratidão a humanidade não existiria, pois ela tem um papel insubstituível na conservação da sociedade. "Como não há estruturas sociais formais que obriguem os seres humanos a serem recíprocos, a gratidão promove o que conhecemos como 'a memória moral da humanidade', que leva a conexão das pessoas ao senso de reciprocidade e trocas sociais", diz.

Luís Mauro, doutor em ciências sociais e professor na Casa do Saber e na Faculdade Cásper Líbero, também acredita que a gratidão é fundamental para o coletivo, pois cria um vínculo de confiança entre as pessoas. "De onde vem a palavra 'gratidão'? Ela está perto de outras que a gente conhece: 'grátis' e 'graça', esta última não no sentido do humor, mas de aquilo que é dado sem expectativa de retribuição".

Em um aspecto mais profundo, ela nos lembra que ninguém é invulnerável e, mais cedo ou mais tarde, precisaremos da "graça" da ajuda dos outros. "A gratidão nos une em nossas fragilidades, ajudando a reconhecer a condição humana em nós e nos outros", explica.

respiração, meditação - iStock - iStock
Agradecer e ser positivo é bom, mas aprender a lidar com sentimentos e situações ruins também é importante
Imagem: iStock

Mas cuidado com a gratidão tóxica

Justamente por ter esse caráter genuíno e voluntário, a gratidão nunca deve ser cobrada ou imposta. O laço, nesses casos, é imediatamente quebrado, como explica o professor. "Além disso, ao longo da vida, aprendemos pelo que e a quem devemos ser gratos. Isso depende das convicções de cada pessoa, e não pode ser forçado".

A questão é que nunca se falou tanto em gratidão. Apesar de seus inegáveis benefícios, ela se tornou quase uma ditadura, uma imposição nas redes sociais que, de tanto buscarem a felicidade suprema e inesgotável, acabaram criando a positividade tóxica.

Para saber se o sentimento é saudável, o primeiro passo é reconhecer a quem e pelo quê devemos ser gratos. "Nem sempre é fácil reconhecer isso, porque a gratidão nos lembra que somos vulneráveis e precisamos dos outros", diz Luís Mauro. O segundo passo, para ele, seria pensar no tamanho que a gratidão deve ter em cada caso. E, finalmente, não esperar ou cobrar nunca esse sentimento. "Esperar a retribuição é romper o laço mais importante desse processo, a 'graça' da gratidão".

Psicóloga e pós-doutoranda da USP (Universidade de São Paulo), Nara Helena Lopes define a gratidão como sendo mais uma emoção positiva, semelhante a outros sentimentos, e também fruto de influências na forma como percebemos o mundo ou como fomos criados para percebê-lo. Sendo assim, apesar da sua importância para o coletivo, ela é uma experiência individual, pois tem a ver com a sua percepção de vida.

"Individualmente, ela proporciona encontrar estratégias positivas de enfrentamento das adversidades, pois amplia as habilidades cognitivas e emocionais. É também uma ponte para melhores relacionamentos interpessoais, pois enfatiza menos os problemas e mais as características transformadoras", explica.

O risco, para ela, é a alienação que o seu excesso pode gerar. Além disso, existem situações em que sentimentos como estresse, ansiedade, medo servem de alerta de segurança. "O ideal é o equilíbrio entre as emoções, e não somente a cristalização em aspectos aparentemente positivos —considerando que níveis adequados de estresse, medo, ansiedade são protetores, portanto, nem sempre são negativos. Para isso, é preciso autoconhecimento, buscar a transparência consigo mesmo e entender a flexibilidade e multiplicidades dos nossos sentimentos", diz Lopes.

A função das emoções consideradas "negativas" é justamente de nos dar informações sobre o que acontece em nosso ambiente e no nosso corpo e, portanto, não devem ser negligenciadas. "Como já foi dito, a gratidão é uma função da organização social e a 'positividade tóxica' pode ser considerada uma negação das emoções desagradáveis, que são válidas e merecem ser acolhidas também", diz Viana

Para encontrar o equilíbrio, a psicóloga diz que é importante criar a consciência de que vamos nos frustrar, e que nestes momentos podemos praticar o acolhimento das verdadeiras emoções, possibilitando a adaptação para novos planos ou realidades. "Os sentimentos negativos também nos ajudam a visualizar novas perspectivas, ao mesmo tempo que podemos praticar a gratidão através de movimentos de reciprocidade e trocas sociais", sugere.

Equilíbrio