PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Covid: 91,4 milhões de brasileiros completam vacinação, 42,87% da população

Brasil já tem mais de 91,4 milhões de habitantes com vacinação completa contra a covid-19 - Marcelo Justo/UOL
Brasil já tem mais de 91,4 milhões de habitantes com vacinação completa contra a covid-19 Imagem: Marcelo Justo/UOL

Colaboração para o VivaBem, em São Paulo

30/09/2021 20h02Atualizada em 30/09/2021 20h24

Hoje, o Brasil superou a marca de 91,4 milhões de pessoas com esquema vacinal completo contra a covid-19. No total, 91.454.456 habitantes já tomaram a segunda dose ou a dose única de imunizante, o que representa 42,87% da população do país. O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, com base nas informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.

Foram aplicadas 2.135.951 doses de vacina nas últimas 24 horas em todo o país, na soma de primeiras, segundas, únicas e de reforço. Neste período, 1.455.083 pessoas tomaram a segunda e outras 3.779 receberam a única, ou seja, 1.458.862 concluíram o ciclo vacinal entre ontem e hoje. Também houve a aplicação de 615.772 primeiras doses e 61.317 de reforço.

Ao todo, 146.605.293 brasileiros receberam a primeira dose até aqui, o equivalente a 68,73% da população nacional. Já a dose de reforço conta com 882.684 aplicações até o momento.

Vacinação primeira dose - UOL - UOL
Vacinação primeira dose
Imagem: UOL

Em termos percentuais, Mato Grosso do Sul continua à frente na proporção de habitantes com vacinação completa: 57,23% da população local. Na sequência, surgem São Paulo (56,62%), Rio Grande do Sul (48,78%), Paraná (44,95%) e Espírito Santo (44,12%).

Quanto à proporção de vacinados com a primeira dose, São Paulo está em primeiro lugar: 79,01% de seus habitantes. Rio Grande do Sul (71,47%), Distrito Federal (71,04%), Santa Catarina (70,64%) e Paraná (69,79%) vêm a seguir.

Vacinação dose completa - UOL - UOL
Vacinação dose completa
Imagem: UOL

Vacinação barrou gama e lambda no Brasil, sugere estudo preliminar

Um estudo preliminar, ainda sem revisão por outros cientistas não ligados à pesquisa, avaliou a relação do impacto da vacinação para controlar duas variantes do coronavírus, a gama e a lambda, no Brasil, Uruguai, Chile, Argentina e Paraguai.

O resultado, publicado na plataforma MedRxiv, no dia 21 de setembro, mostrou que os imunizantes foram capazes de controlar o avanço das duas variantes —sem incluir a delta— nos países.

De acordo com Ana Karolina Barreto Marinho, membro do Departamento Científico de Imunização da Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia), essa é uma conclusão interessante, mas já observada em outros estudos.

"Conforme a vacinação no Brasil ia avançando aos poucos, os números de óbitos e novos casos de covid-19 iam diminuindo", explica. "A gama e a lambda eram as variantes que mais predominaram no começo do ano. Talvez se o estudo fosse feito agora, a delta apareceria com mais destaque."

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de saúde das 27 unidades da federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde