PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

ButanVac avança para iniciar testes em humanos, mas há pendência com Anvisa

A caixa da vacina Butanvac, desenvolvida pelo Instituto Butantan - Divulgação/Governo de São Paulo
A caixa da vacina Butanvac, desenvolvida pelo Instituto Butantan Imagem: Divulgação/Governo de São Paulo

Afonso Ferreira

Do VivaBem, em São Paulo

01/07/2021 14h01Atualizada em 01/07/2021 18h07

A ButanVac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo Instituto Butantan, deu mais um passo em direção ao início dos testes em humanos. Hoje, o imunizante recebeu aprovação por parte da Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), órgão pertencente ao CNS (Conselho Nacional de Saúde).

O aval da Conep é importante para dar segurança jurídica aos voluntários do estudo e garantir assistência médica em caso de algum evento adverso.

A ButanVac ainda precisa apresentar alguns dados à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para poder iniciar os testes em humanos, apesar de o protocolo do estudo já estar aprovado. A agência avalia a segurança clínica da vacina e possíveis efeitos adversos.

O pedido de aprovação do estudo foi protocolado na Conep em 22 de junho. Dois dias depois, a comissão pediu novos dados, que foram enviados pelo Butantan ontem.

De acordo com o coordenador da Conep, Jorge Venâncio, o parecer da comissão tem como foco o participante do estudo, enquanto a Anvisa debruça-se sobre a vacina ou medicamento em análise.

"A empresa que faz a pesquisa [no caso da ButanVac, o Butantan] tem de se comprometer a conceder vacina para o participante que receber placebo, independente do PNI (Plano Nacional de Imunização). Além disso, se a pessoa tem algum efeito adverso, ela tem a garantia de que será atendida gratuitamente", declarou.

A ButanVac é diferente da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e distribuída no Brasil pelo Butantan. Segundo o instituto, o imunizante em fase de estudo será totalmente produzido em território brasileiro e não dependerá da importação do IFA (insumo farmacêutico ativo) do país asiático.

Saúde