PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Anvisa autoriza testes clínicos em humanos da vacina ButanVac

Do VivaBem, em São Paulo

09/06/2021 18h26Atualizada em 10/06/2021 09h48

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou hoje que deu o aval para o início dos testes clínicos em humanos da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, a ButanVac. O imunizante promete ser o primeiro do tipo com produção 100% nacional.

O Butantan aguardava o aval desde abril e afirma que já iniciou a produção da vacina, mesmo ainda distante da possibilidade de ter uma autorização para uso emergencial, assim como foi concedida para a CoronaVac em janeiro.

Em nota, a Anvisa afirmou que a instituição ligada ao governo paulista ainda terá que apresentar "informações complementares" antes de começar a aplicação experimental da ButanVac. A agência federal também disse que nas últimas semanas houve "intensa troca de informações" e reuniões com o Butantan para definir a autorização.

O imunizante está sendo produzido desde o fim de abril, como foi anunciado pelo diretor do Butantan, Dimas Covas, em seu depoimento à CPI da Covid, e já possui ao menos 7 milhões de doses estocadas. Segundo Dimas, a meta seria entregar 18 milhões de doses até 31 de julho e 40 milhões até 30 de setembro.

Nas redes sociais, o governador João Doria (PSDB) comemorou a autorização da Anvisa para início de testes da vacina.

"A Anvisa acaba de autorizar os testes clínicos com a ButanVac, a vacina do Butantan contra a Covid-19, que não depende de insumos de outros países para sua produção. O Instituto Butantan já tem 7 milhões de doses prontas da ButanVac. Grande notícia. Obrigado Anvisa", escreveu Doria.

Tecnologia de hospital dos EUA

A vacina ButanVac, anunciada pelo governo de São Paulo e pelo Instituto Butantan como "100% brasileira", usou uma tecnologia do hospital Mount Sinai, de Nova York, nos Estados Unidos, para o vetor viral. A informação foi divulgada inicialmente pelo jornal "Folha de S.Paulo" e confirmada pelo próprio Butantan. O instituto, no entanto, garantiu que o desenvolvimento será feito "integralmente" no Brasil.

A ButanVac usa um vírus inativado que provoca doença em aves, chamado de Newcastle, como vetor. Assim, esse adenovírus —que não tem efeitos no corpo humano— leva a informação da proteína Spike do Sars-CoV-2 para as células fazerem a defesa do organismo. O método de produção será em ovo, sendo a primeira do mundo a usar essa técnica, como é feita com a da gripe.

Doria: "Senso de urgência"

O vaivém entre a Anvisa e o Butantan já durava mais de dois meses. O primeiro documento entregue pelo instituto à agência, o Dossiê de Desenvolvimento Clínico de Medicamento, foi submetido em 26 de março.

Butantan e Doria criticavam a demora da agência e falavam em "senso de urgência". No instituto e no governo paulista, a avaliação era a de que algumas cobranças não deveriam ser feitas a fim de dar celeridade à aprovação da vacina. (Assista ao vídeo abaixo)

"A meu ver, o senso de urgência determina que não é razoável seguir protocolos normais diante de uma situação anormal. Estamos vivendo uma tragédia, é preciso ter senso de urgência", afirmou Doria ao UOL News, programa diário transmitido pelo UOL, em maio.

Saúde