PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Dá para não saber que está grávida? Leia relatos e o que dizem os médicos

iStock
Imagem: iStock

Bruna Alves

De VivaBem, em São Paulo

11/11/2020 04h00

Para muitas mulheres, descobrir uma gravidez é sinônimo de alegria e da realização de um sonho. Embora não seja comum, algumas alegam não ter os sintomas típicos de uma gestação e só descobrem que estavam grávidas prestes a dar à luz.

É o caso da capixaba Jackeline Boldt Bastos, 33. Era maio de 2018 quando tudo aconteceu. Na época, Jackeline era solteira e trabalhava como balconista em uma loja de doces, em Cariacica (ES). Ela conta que levava uma vida normal e nem suspeitava de uma possível gestação, embora sentisse muita dor nas costas.

Jackeline Boldt Bastos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jackeline Boldt Bastos
Imagem: Arquivo pessoal

Com o passar dos meses, a dor não cessou, por isso ela decidiu ir até um hospital e o médico constatou que as dores eram causadas por gases. "Tomava o remédio de gases e não sentia nada. E minha barriga não cresceu, mas sempre fui gordinha e muito desligada", comenta.

Além disso, ela também não teve a maioria dos sintomas comuns de uma gestação e ainda conseguiu emagrecer. "Quando ele nasceu, estava fazendo dieta".

No Dia das Mães, Jackeline estava em um churrasco na casa da avó. "Bebi e quando cheguei em casa comecei a passar mal. Liguei para um amigo e pedi para ele me levar ao hospital. Quando cheguei lá, na madrugada de domingo para segunda, o médico disse que era começo de infecção urinária, me deu dipirona, buscopam na veia e mandou eu ir embora e buscar o exame na segunda de manhã", recorda.

Na manhã seguinte, quando foi buscar o resultado, o médico confirmou que se tratava de uma infecção urinária, e ela foi novamente medicada, já que as dores não haviam cessado com os medicamentos da noite anterior.

Já na terça de manhã, as dores persistiram e ela foi para outro hospital. Ao chegar, o médico disse que a infecção estava muito forte e a colocou no soro. Em dado momento, ela precisou ir ao banheiro e, quando voltou, o ginecologista já estava na sala sugerindo que ela fizesse um teste de gravidez.

A princípio, ela se recusou, alegando que havia menstruado normalmente nos últimos meses, mas depois acabou concordando. "O resultado saiu às 14h e o médico disse: 'vai para a maternidade que você está ganhando neném'. Fiquei em estado de choque e fui para o Hospital São João Batista. Para o anestesista conseguir me dar a injeção, uma assistente social ficou ao meu lado porque eu não conseguia parar de chorar. Ganhei neném às 15h08 do mesmo dia", relata.

Apesar das circunstâncias, o bebê nasceu bem por uma cesárea. "Ele nasceu saudável, grandão, com 2,8 kg e 46 cm", recorda. Assim que viu o filho pela primeira vez, Jackeline conta que foi tomada por um sentimento imediato de rejeição.

"Na hora em que a médica veio chegando perto de mim, falei: 'não chega com esse menino perto de mim que vou jogá-lo longe, só fui vê-lo quando estava no quarto". Por fim, passado o susto inicial, hoje ela não se imagina sem o filho. "Rejeitei-o no começo, mas agora ele é a minha vida", afirma.

Um susto

Lindinalva Dias - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Lindinalva Dias
Imagem: Arquivo pessoal

Situação semelhante viveu Lindinalva Dias Silva Rufino, 46, dona de casa. Questionada sobre quando teria engravidado, ela diz que foi em maio do ano passado, porque o filho nasceu em fevereiro, com nove meses completos.

Lindinalva é casada há 18 anos e sempre tentou engravidar. Um dos ginecologistas que a atendia chegou a afirmar que ela não tinha nenhum problema e sugeriu que o marido procurasse ajuda. Contudo, ele não seguiu o conselho, embora o casal sempre tenha desejado um filho.

Ela conta que não teve sintomas durante a gestação, exceto um. "A menstruação já tinha um tempinho que não estava descendo, e também estava sentindo um calorão, suando muito e bebendo bastante água. Mas como eu era um pouco irregular e nunca vinha no mês certo, achei que estivesse entrando na menopausa e já ia fazer consulta médica", diz.

Ela conta que a barriga também não aumentou, mas quando faltava uma semana para o bebê nascer, o marido chegou a comentar que a barriga havia crescido, de repente. Mas como eles são casados há muitos anos e ela nunca engravidou, a suspeita de uma possível gestação foi ignorada.

Uma semana depois, o cenário mudou. "Acordei e fui levar meus sobrinhos na escola. Quando fui subir no ônibus, levei um tropeção no degrau e senti uma pontada no pé da barriga. Achei que era a minha menstruação que desceria", descreve.

No entanto, a dor persistiu o dia inteiro. Ela conta que ainda lavou roupa e fez todos os afazeres de casa normalmente, mas sempre acompanhada de uma forte cólica. "À noite, fui ao banheiro, sentei no vaso e não parava de descer aquela água meio verde. Daí chamei meu marido e falei: 'a minha bolsa estourou'". Nessa hora ela descobriu que estava grávida.

Ainda sem acreditar no que estava acontecendo, ligou para a mãe e a irmã. Foi tudo muito rápido: "Meu marido olhou para mim e viu o líquido descendo nas minhas pernas. Fiquei sentada, minha pressão começou a subir e fiquei fora de mim", lembra. Em seguida, ela e a família seguiram para o Hospital da Unicamp, em Campinas (SP). Ao chegar, os médicos ainda fizeram um exame de urina para confirmar a gravidez.

"Daí foram verificar os batimentos, mas estavam demorando para encontrar. Falei que sentia uma coisinha na minha costela que doía bastante, então eles colocaram o aparelho perto da costela e conseguiram ouvir os batimentos dele", conta.

Lindinalva ficou um tempo em observação devido a pressão alta e na manhã do dia seguinte o bebê nasceu por uma cesárea. Apesar do susto, ela diz estar muito feliz, pois depois de muitos anos o filho tão sonhado chegou. "Foi de repente. Uma surpresa muito grande para mim e para o meu marido. Agora, ele é tudo na minha vida", finaliza a mãe.

O que acontece com o corpo durante uma gestação?

Ultrassom - iStock - iStock
Imagem: iStock

Durante uma gravidez, o corpo da mulher passa por inúmeras transformações físicas e emocionais. A pausa na menstruação é a mais comum, porém há casos em que as mulheres continuam menstruando, mas são exceções.

Assim que a mulher engravida, ela começa a acumular líquidos chamados de embebição gravídica, que geram inchaços. A partir do terceiro mês é possível observar o crescimento da barriga. No entanto, quem tem a musculatura abdominal mais forte, consegue sustentar o útero dentro do abdome, por isso a barriga não fica tão aparente.

Mulheres com problemas de sobrepeso também não costumam evidenciar a barriga. O tamanho da barriga e o ganho de peso, em geral, também são definidos pela alimentação.

Os seios também podem ser um forte sinal de que há um bebê a caminho. A partir da sexta semana, o aumento de volume é notável e muitas vezes a mulher começa a sentir dores ou incômodos. A cor da aréola e dos mamilos também pode escurecer.

É importante ressaltar que durante a gestação, a vulva e a vagina tendem a ficar com uma coloração mais roxa e inchadas. Há, ainda, um aumento da descamação da vagina, com mais secreção (corrimento branco, fluido e sem odor).

Há também as alterações emocionais que podem ocorrer durante a gestação. Elas são responsáveis por sintomas como sonolência, dificuldade de concentração, memória e mais irritabilidade.

A gestação também altera a frequência cardíaca, a circulação sanguínea, a pressão arterial, a imunidade e os hormônios. Além disso, há mudanças no sistema urinário, respiratório, articular e no trato gastrointestinal, este último sendo o responsável pela maioria dos famosos enjoos. Ainda é possível notar mudanças na pele, que pode ficar mais oleosa e até nos cabelos.

Então como é possível esperar um filho e não saber?

Interrogação - iStock - iStock
Imagem: iStock

Os especialistas ouvidos por VivaBem divergem. De acordo com Giuliane Jesus Lajos, ginecologista e obstetra do Caism (Centro de Assistência Integral à Saúde da Mulher ) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e docente da divisão de obstetrícia do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, é possível a mulher não saber que estava grávida.

"É muito difícil, mas não impossível. Já testemunhei pelo menos umas seis vezes nestes meus 21 anos de ginecologia e obstetrícia. É muito mais comum em mulheres com obesidade, pela dificuldade de percepção do próprio corpo. E o atraso menstrual pode ser comum para elas", explica.

"Já testemunhei caso de a gestante ser magra, com um filho prévio, ou seja, já tinha vivenciado gestação anterior e chegou parindo, relatando surpresa com o fato. E parecia real. Também vivenciei umas três situações em que a gestante procurou o pronto-socorro geral, não o ginecológico, com queixas de dores abdominais, sendo tratada como um abdome agudo a esclarecer, e na verdade era uma gestação e trabalho de parto. A gente chega a pensar que a gestante sabia e estava escondendo a gestação, mas não. Testemunhei um caso em que o sonho do casal era ter um filho, e descobriram apenas quando rompeu a bolsa e procuraram o hospital, com 38 semanas de gestação. Então, sim, é possível", afirma a obstetra.

Silvana Maria Quintana, docente do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto) também acredita na possibilidade de ocorrer uma gestação silenciosa.

Segundo a especialista, não dá para afirmar que a mulher sabia da gestação e estava mentindo. Ela explica que essa possibilidade até existe, mas há casos em que muitas mulheres dão à luz em casa e sozinhas —sem nenhum tipo de cuidado médico.

"Essa mulher, de alguma forma, negou evidências pelas quais o corpo passou por todo esse período. Por algum motivo ou problema, ela não se permitiu perceber essas mudanças do corpo e se preparar para a grande mudança que vai acontecer com a chegada de uma criança", avalia.

"Acho que é uma negação ou falta de atenção com o próprio organismo, mas não acho, de jeito nenhum, que elas estejam mentindo. É raro, mas é possível", completa. Silvana ainda afirma que mulheres que passam por essa situação precisam de cuidados, principalmente psicológicos, já que do dia para a noite se tornam mães, o que é uma mudança radical na vida de qualquer pessoa.

Por outro lado, há quem diga que é impossível uma gestação perdurar por cerca de 40 semanas sem que a mulher perceba. Segundo os especialistas, os sintomas de uma gestação são muito evidentes, e não há como serem confundidos.

"Existe um volume interino, uma história condizente com atraso menstrual e, a partir do quinto mês, você tem o bebê se mexendo dentro na barriga. Então é impossível, na minha concepção, que uma pessoa não perceba o bebê se movimentando dentro dela. No sétimo e oitavo mês, o bebê já tem força muscular suficiente para, inclusive, alterar o formato do abdome", alega Alexandre Pupo, ginecologista e obstetra do Hospital Sírio Libanês e do Hospital Albert Einstein (SP).

"Não acho possível, principalmente pela movimentação do neném, de dois quilos ou até três mexendo na barriga. Não tem como não perceber", opina Marina Nunes Machado, coordenadora do Departamento de Obstetrícia de Alto Risco do Hospital do Rocio (PR). No entanto, ela acredita que mulheres obesas podem, sim, ter uma maior dificuldade de reconhecer uma gestação, mas ressalta que os sintomas são inconfundíveis e cita também o processo de negação gestacional, que, para ela, significa apenas negar o fato.

"O que eu já vi é a pessoa esconder, mas não, não saber. A partir do quarto mês não tem como não perceber uma gestação em andamento. São tantos sinais. Acho que ela tem que se ignorar muito, se negligenciar, para não perceber", finaliza Machado.

Processo de negação pode acontecer

Quem também afirma ser possível uma gestação silenciosa é Rafaela de Almeida Schiavo, especialista em psicologia perinatal, pós-doutora em psicologia do desenvolvimento e aprendizagem pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), fundadora do Instituto MaterOnline e membro da Sociedade Brasileira de Psicologia.

"Existem, sim, mulheres que engravidam e passam a gestação inteira sem saber. É claro que podem existir aquelas que propositalmente escondem a gestação até o final, mas uma boa parte das mulheres realmente não sabia. É perfeitamente possível", afirma.

De acordo com a psicologia, esse é um processo chamado de negação. Isso ocorre quando a mulher tem os sintomas gestacionais, mas não consegue associá-los a realidade. "Mas tem alguns indicativos aí, por exemplo, são mulheres que não conseguem reparar muito bem no seu corpo, algumas alegam que continuaram menstruando normalmente, muitas também estão com sobrepeso. E muitas vezes ela atribui o movimento do feto a gases, a uma indisposição intestinal, exatamente por não saberem que estão grávidas", diz Schiavo.

Para a psicóloga, cada mulher tem um motivo para a negação. Entretanto, não é possível generalizar. Logo, cada caso precisa ser avaliado individualmente.

"O inconsciente é tudo aquilo que não temos acesso, a gente não sabe que existe, nem o que é", descreve. "Do ponto de vista psicológico, elas não estão mentindo. E isso ainda pode trazer vários prejuízos para essa mulher e até para essa criança, já que ela pode apresentar uma depressão pós-parto, alta ansiedade, um transtorno, justamente porque ela está levando a vida dela normalmente e, de repente, se torna mãe sem saber", explica a psicóloga. "Essas mulheres precisam ser compreendidas e não discriminadas".

Saúde