PUBLICIDADE

Topo

Qual é o Remédio

Um guia dos principais medicamentos que você usa


Qual é o Remédio

Misoprostol, aliado das práticas obstétricas, tem uso hospitalar exclusivo

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

27/10/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Ele é análogo da prostaglandina, substância que leva à contração e dilatação do colo uterino
  • A medicação tem uso hospitalar exclusivo, controle especial, venda e compra proibidas por lei
  • Útil em práticas obstétricas, possui dosagem e tempo de uso certos e requer monitoramento
  • As contraindicações incluem cesárea prévia, cicatrizes uterinas, gestação molar, entre outras

Utilizado originariamente como protetor estomacal, o uso do misoprostol, no Brasil, tem utilidade na prática assistencial obstétrica dada a sua ação útero-tônica e de amolecimento do colo uterino.

O que é misoprostol?

Trata-se de um medicamento definido como análogo sintético da prostaglandina E1, uma substância natural encarregada pelas contrações uterinas e pelo amolecimento do colo do útero no momento do parto. Ele é classificado como prostanoide e pertence ao grupo das prostaglandinas.

A comercialização e utilização desse medicamento no Brasil, de acordo com a Portaria nº 344/98, da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), é restrita aos hospitais cadastrados perante a autoridade sanitária. Isso significa que ele está sujeito a controle especial, tem uso hospitalar exclusivo no país, e a sua venda é proibida nas farmácias em todo o território nacional.

A sua comercialização é considerada crime, o que inclui eventual distribuição como amostra grátis, assim como o comércio de medicações à base de misoprostol não registradas no país.

Em quais situações ele deve ser usado?

A medicação pode ser indicada para mulheres grávidas nos seguintes eventos obstétricos:

  • Indução do trabalho de parto
  • Indução do aborto legal
  • Esvaziamento do útero por morte embrionária ou do feto
  • Amolecimento do útero antes do aborto cirúrgico (curetagem ou AMIU - Aspiração Manual Intrauterina)
  • Sangramento uterino no pós parto

Em alguns países, o uso desse fármaco é preventivo nos casos em que há risco do desenvolvimento de úlcera em pacientes que fazem uso prolongado ou contínuo de AINEs (anti-inflamatórios não esteroidais), como a aspirina, o ibuprofeno, entre outros. Aliás, esta também foi a primeira indicação do misoprostol no Brasil.

Nos Estados Unidos, o uso obstétrico não é aprovado pelo FDA (órgão de vigilância sanitária).

Entenda como ele funciona

O misoprostol, quando administrado por via vaginal, tem absorção e depuração mais lentas, níveis plasmáticos de pico baixos, e ainda promove maior exposição geral ao medicamento e efeitos no colo do útero e no útero.

Esses dados sobre farmacocinética foram publicados pela revista médica Reviews in Obstetrics & Gynecology. Metabolizado pelo fígado, a medicação começa a fazer efeito em 20 minutos, o que pode durar por até 4 horas. Depois, ela é excretada majoritariamente pelas fezes.

Quanto ao mecanismo de ação (farmacodinâmica), ele atua estimulando os receptores das prostaglandinas —presentes também no útero e no colo do útero— aumentando a força e a frequência das contrações, além da redução do tônus do colo uterino. A explicação é de Maria Fernanda Werner, professora do Departamento de Farmacologia da UFPR.

Conheça as apresentações disponíveis

O misoprostol é considerado um medicamento essencial, por isso ele consta da Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais). A marca de referência do misoprostol é o Prostokos® .

Confira as doses disponíveis:

  • Comprimidos vaginais - 25 mg, 100 mg e 200 mg

"Quando utilizado no ambiente hospitalar e sob orientação médica, o misoprostol é considerado eficaz e seguro, principalmente quando respeitadas as dosagens adequadas, contraindicações, tempo de uso e, sobretudo, quando há o devido monitoramento da paciente", afirma Ricardo Porto Tedesco, professor da disciplina de obstetrícia da Faculdade de Medicina de Jundiaí e membro da Comissão Nacional Especializada em Assistência ao Parto Puerpério e Abortamento da Febrasgo.

Quais são os riscos do uso desse medicamento?

"Sem acompanhamento médico, o misoprostol tem efeitos negativos para as mulheres e para o feto, e a maioria delas não sabe quais são", fala Francielle Tatiana Mathias, farmacêutica e diretora de assuntos regulatórios, cadastros e conteúdo da plataforma Consulta Remédios.

A especialista se refere ao risco de contrações muito fortes que podem levar à morte fetal e, a depender da intensidade, à ruptura do útero.

Além disso, o medicamento tem efeito teratogênico —ou seja, ele pode causar danos ao embrião e ao feto. São exemplos dessas consequências:

  • Hidrocefalia
  • Defeito do sistema límbico
  • Paralisia facial congênita
  • Constrição das extremidades (pés e mãos)
  • Extrofia da bexiga (exposição ou protusão do órgão)

Saiba quais são as contraindicações

O misoprostol não deve ser usado por mulheres grávidas, sem indicação médica, ou por pessoas que sejam alérgicas (ou tenham conhecimento de que alguém da família tenha tido reação semelhante) ao seu princípio ativo, ou a qualquer outro componente de sua fórmula.

Informe seu médico caso você se encaixe em alguma das seguintes condições:

  • Gravidez
  • Gestação molar
  • Cicatriz uterina
  • Cesárea anterior
  • AVC (Acidente Vascular Cerebral)
  • Doença cardiovascular
  • Doenças intestinais como a síndrome do intestino irritável
  • Desidratação
  • Asma
  • Placenta prévia
  • Uso concomitante com ocitocina

Posso usar esse fármaco enquanto amamento?

Claudio Weins, ginecologista e obstetra, coordenador da residência médica do Hospital e Maternidade Santa Brígida (Curitiba) e professor da Escola de Medicina da PUC-PR, afirma que não há necessidade de interromper a amamentação quando a lactante precisa do misoprostol em razão de algum evento obstétrico.

A recomendação é que, nesses casos, o bebê seja amamentado após 4 a 6 horas do uso do medicamento, e o bebê deve ser monitorado para sintomas como náusea, vômito ou alterações nas mamadas.

Qual é a melhor forma de utilizá-lo?

Dados os riscos para a saúde da mulher e do bebê, esse medicamento só tem uso hospitalar. Assim, você deverá seguir as orientações do médico e da equipe que colabora com ele.

Vou ter de tomar anestesia?

Procedimentos obstétricos que fazem uso do misoprostol não requerem anestesia. Entretanto, em algumas situações mais críticas, a analgesia pode ser utilizada para aliviar a dor da paciente.

Quanto tempo devo ficar no hospital para uso do medicamento?

Isso dependerá do quadro clínico de cada paciente. Por exemplo, em quadros de aborto retido (óbito fetal), a indução pode durar vários dias até expulsão do feto. Nos casos de trabalho de parto, o uso do medicamento é de, no máximo, 48 horas. Assim, o tempo de permanência no hospital dependerá da indicação clínica.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Este medicamento é considerado bem tolerado, seguro e eficaz quando usado em doses adequadas e sob estrita orientação e acompanhamento médico. Apesar disso, algumas pessoas poderão observar as seguintes manifestações:

Interações medicamentosas

Algumas medicações não combinam com o misoprostol. E quando isso acontece, elas podem alterar ou reduzir seu efeito, além de aumentar a chance de efeitos colaterais.

Informe o médico caso esteja fazendo uso (ou tenha feito uso recentemente) das substâncias abaixo descritas:

  • Medicamento para indução do trabalho de parto (ocitocina)
  • Antiácidos
  • Magnésio

Entenda a diferença entre misoprostol e ocitocina

Assim como o misoprostol, a ocitocina estimula a contração uterina. Contudo, para que o parto ocorra, o útero deve contrair, e o colo do útero deve passar pela remodelação de suas fibras [dilatação]. O misoprostol modifica o colo e estimula a contração. Já a ocitocina estimula apenas a contração.

A medicação pode afetar a fertilidade ou minha vida sexual?

Não existem evidências científicas de que a medicação tenha esse efeito. Quando ela é usada em ambiente controlado e sob orientação médica, não há risco algum para a paciente.

Apesar disso, quando usado em doses inadequadas, desrespeitando os protocolos e contraindicações, há risco de danos irreversíveis no útero.

Existe interação com alimentos ou exames laboratoriais?

Até o momento, não há evidências de interação com alimentos ou exames laboratoriais.

Fontes: Ricardo Porto Tedesco, professor associado da disciplina de obstetrícia da Faculdade de Medicina de Jundiaí (SP), professor livre-docente da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e membro da Comissão Nacional Especializada em Assistência ao Parto Puerpério e Abortamento da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia; Maria Fernanda Werner, professora do Departamento de Farmacologia da UFPR (Universidade Federal do Paraná); Claudio Weins, médico ginecologista e obstetra, coordenador da residência médica do Hospital e Maternidade Santa Brígida (Curitiba) e professor da Escola de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná); Francielle Tatiana Mathias, farmacêutica com doutorado em farmacologia pela UFPR e diretora de assuntos regulatórios, cadastros e conteúdo da plataforma Consulta Remédios. Revisão técnica: Ricardo Porto Tedesco.

Referências: Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária); Ministério da Saúde; Krugh M, Maani CV. Misoprostol. [Atualizado em 2020 Jul 10]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539873/; Wu HL, Marwah S, Wang P, Wang QM, Chen XW. Misoprostol for medical treatment of missed abortion: a systematic review and network meta-analysis. Sci Rep. 2017 May 10;7(1):1664. doi: 10.1038/s41598-017-01892-0. PMID: 28490770; PMCID: PMC5431938; Allen R, O'Brien BM. Uses of misoprostol in obstetrics and gynecology. Rev Obstet Gynecol. 2009;2(3):159-168.

Qual é o Remédio