PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Coronavírus afeta gravemente sono das crianças, diz estudo

Menino dormindo - Getty Imagens
Menino dormindo Imagem: Getty Imagens

De Viva Bem, em São Paulo

17/07/2020 13h29

A crise do novo coronavírus está causando um impacto significativo no sono das crianças, com ansiedade e falta de rotina causando sérias perturbações, alertam especialistas e instituições de caridade, de acordo com o site britânico The Guardian.

A clínica de sono Millpond, em Londres, diz que houve um aumento de 30% nas consultas de sono dos pais sobre crianças de cinco a 13 anos em comparação com o mesmo período em 2018-19. Um problema comum é que as crianças vão dormir mais tarde e por mais tempo.

"No momento, estamos muito ocupados", disse a fundadora da clínica, Mandy Gurney. "Definitivamente, vimos um pico em crianças de seis a oito anos com ansiedade afetando o sono. E para os mais novos que não estão vendo outros bebês, acho que será difícil quando eles começarem a sair mais", afirma.

"Os pais também acham difícil manter as crianças mais velhas ou os adolescentes no prumo certo, pois a tentação de ficar deitado é muito forte quando não há escola como motivo para sair da cama ".

Uma pesquisa com 2.700 pessoas em abril deu o sinal de alerta sobre o impacto negativo a longo prazo do coronavírus no sono das crianças. Ela apoia um artigo recém-publicado do Journal of Child Psychology and Psychiatry que sugere que é alto o potencial para problemas do sono surgirem ou piorarem durante e após a pandemia.

A pesquisa constatou que 70% das crianças menores de 16 anos vão dormir mais tarde — mas também acordam mais tarde (57%). E descobriu que as crianças estavam se tornando cada vez mais dependentes da tecnologia, com quase três quartos (74%) dos pais relatando que seus filhos estão usando mais dispositivos eletrônicos durante a quarentena.

Em maio, pesquisadores do King's College London realizaram uma pesquisa com 2.254 pessoas para verificar como o surto de covid-19 e o bloqueio social afetaram o sono. Quase metade das pessoas na faixa de 16 a 24 anos disse que dormia menos horas do que antes da pandemia. Em comparação, um terço das pessoas com 35 anos ou mais disse o mesmo.

"O coronavírus teve um impacto significativo no sono", disse Michael Farquhar, consultor em medicina pediátrica do sono em Evelina London.

"Os adolescentes geralmente são forçados a adotar um padrão de sono que não é natural para seu padrão biológico. Eles podem querer acordar mais tarde, e a sociedade e a escola os obrigam a acordar mais cedo, mas o bloqueio permite que esse padrão de sono seja desviado."

"Uma das coisas que vemos, especialmente nas férias de verão, é que os adolescentes entram em padrões de sono em que vão para a cama mais tarde e acordam mais tarde. Quando voltam às aulas, é um choque para o sistema. Vamos ver uma versão exagerada disso durante a pandemia, por isso temos dito desde o início que é melhor tentar manter uma rotina e estrutura e seguir ritmos normais."

Saúde