PUBLICIDADE

Topo

Qual é o Remédio

Um guia dos principais medicamentos que você usa


Qual é o Remédio

Nitazoxanida é poderosa contra parasitas e vírus, mas requer prescrição

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

09/06/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Nitazoxanida é um antiparasitário de amplo espectro que combate helmintos e protozoários
  • Ele também possui ação antiviral, e tem sido testado para tratar a influenza, a covid-19 e hepatites B e C
  • Com alto perfil de segurança, pode ser usado em todas as faixas etárias
  • A automedicação é desaconselhada, pois cabe ao médico orientar esquema de dose

Quem costuma fazer refeições fora de casa, em algum momento da vida, já teve indicação médica de uso da nitazoxanida para combater parasitas intestinais.

O que é a nitazoxanida?

Trata-se de um medicamento que faz parte do grupo dos antiparasitários com ação nos helmintos como nematódeos (Ascaris lumbricoides) e cestódeos (Taenia) etc., bem como nos protozoários como a Giárdia, o Cryptosporidium etc. Além disso, esse fármaco tem ação antiviral.

Em quais situações deve ser usada?

A partir de 2020, esse medicamento passou a ser controlado. Portanto, só pode ser vendido sob prescrição médica, e a receita deve ser retida.

Dada a ampla utilização desse fármaco, ele é considerado muito seguro. Contudo, é importante que você faça o uso racional desse remédio, ou seja, utilize-o de forma apropriada, na dose certa e por tempo adequado.

A nitazoxanida pode ser usada nos seguintes casos:

  • Infecções virais causadas por rotavírus e norovírus (gastroenterites)
  • Enfermidades causadas por parasitas como nematódeos, cestódeos, trematódeos (oxiúro, lombriga, solitária etc.)
  • Infecção por protozoário - diarreia decorrente de amebíase
  • Diarreia causada por protozoário Giárdia, Cryptosporidium, Blastocystis hominis, Balantindium coli e Isospora belli

A literatura mais recente sobre esse medicamento revela que há evidências preliminares (estudos in vitro) de que ele poderá ser indicado no tratamento da hepatite B, C e influenza. Os dados são do Instituto Nacional do Diabetes e das Doenças Digestivas e Renais dos Estados Unidos.

Entenda como ela funciona

A nitazoxanida possui excelente farmacocinética, ou seja, é bem absorvida no trato gastrointestinal, até que chega a seu alvo, efetua sua ação e se transforma em um produto a ser eliminado (metabolização). Ao finalizar sua tarefa, ela é excretada pelas vias fecal e renal.

Quanto à farmacodinâmica, ou seja, seu mecanismo de ação, Danyelle Cristine Marini, diretora do CRF-SP e professora do curso de medicina na Unifae, afirma que ela não está totalmente esclarecida.

Segundo a especialista, o que se sabe, até o momento, é que a nitazoxanida age contra protozoários por meio da inibição de uma enzima indispensável à vida do parasita, a PFOR (Piruvato-ferredoxina Oxidorredutase).

"O mesmo parece ocorrer em relação aos vermes. Já a ação sobre os vírus se dá por meio da inibição da síntese da estrutura viral, o que bloqueia a habilidade de sua multiplicação", completa a especialista.

Conheça as apresentações disponíveis

Annita® é a marca de referência da nitazoxanida. Mas você pode encontrar as versões genéricas. Confira as apresentações disponíveis:

  • Comprimidos
  • Suspensão oral

Embora o medicamento seja bastante seguro, é importante que ele seja utilizado sob orientação médica. Isso porque seu médico precisa saber que tipo de parasita se busca eliminar, e qual seria a dose ideal para você.

"Cada indivíduo é único e, assim, pode metabolizar o remédio de forma diferente", fala Caroline Ehlke Gonzaga, gastroenterologista, professora da Faculdade de Medicina da PUC-PR. "Embora raro, pode ocorrer algum efeito colateral. Assim, caberá ao profissional monitorar o paciente e tomar as medidas cabíveis", acrescenta.

Em geral, o remédio começa a fazer efeito a partir de 2 a 4 horas de seu uso.

Quais são as vantagens e desvantagens desse medicamento?

Ao ser comparado com outros fármacos com o mesmo efeito, a maior vantagem da nitazoxanida é seu amplo espectro, ou seja, ela pode ser usada para combater boa quantidade de vermes, protozoários e vírus.

Além disso, ela possui excelente esquema de dose, o que não só facilita, como garante adesão ao tratamento.A opinião é da farmacêutica Fernanda Cristina Ostrowski Sales, docente da disciplina de farmacologia das Escolas de Medicina, Farmácia e Odontologia da PUC-PR.

A desvantagem é o preço, nem sempre acessível a todos (custa entre R$ 25 e R$ 50 a caixa com seis comprimidos de 500 mg).

Ela está incluída na Farmácia Popular?

Não, mas existem outros remédios disponíveis com o mesmo efeito, que são usados de forma combinada. Trata-se da ivermectina, o praziquantel, albendazol e o benzoilmetronizadol.

Saiba quais são as contraindicações da nitazoxanida

Ela não pode ser usada por pessoas que sejam alérgicas (ou tenham conhecimento de que alguém da família tenham tido reação semelhante) ao seu princípio ativo ou a qualquer outro componente de sua fórmula. Lembre-se de falar com seu médico antes de usá-la.

Nas seguintes condições, também, você não deve utilizar esse medicamento:

  • Diabetes (a suspensão tem alto nível de açúcar)
  • Doenças do fígado
  • Doenças do rim

Crianças e idosos podem usá-la?

Sim. A medicação é bem tolerada em todas as faixas etárias. Entretanto, o uso pediátrico deve atender às seguintes condições: a suspensão oral é contraindicada para menores de 1 ano de idade, e os comprimidos não podem ser usados por crianças abaixo dos 12 anos.

Quanto aos adultos maduros: não existem estudos relacionados à população geriátrica sobre os efeitos da nitazoxanida. Assim, o médico pode indicar o medicamento desde que considere também as condições gerais de saúde do paciente idoso, especialmente a presença de outras doenças como problemas cardíacos, renais ou hepáticos.

Estou grávida? Posso usar nitazoxanida?

Como não existem estudos de segurança feitos com grávidas e lactantes, essas pacientes devem falar com seus médicos para que eles possam avaliar o custo x benefício do uso do medicamento.

Qual é a melhor forma de consumi-lo?

Há evidências de que o uso da nitazoxanida com alimentos dobra a sua capacidade de absorção. Portanto, você deve tomá-la na hora das refeições. Para ingeri-la, prefira água.

Existe uma melhor hora do dia para usar esse medicamento?

Não. O importante é que ele seja ingerido na forma indicada pelo médico, sem interrupção do esquema de doses antes do final do tratamento, mesmo quando houver imediata melhora dos sintomas.

O que faço quando esquecer de tomar o remédio?

Tome assim que lembrar e reinicie o esquema de uso do medicamento. É desaconselhado tomar doses em dobro de uma vez para compensar a dose que foi esquecida.

Se você é daqueles que sempre se esquecem de tomar seus remédios, use algum tipo de alarme para lembrar-se.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

O medicamento pode alterar a cor da urina e do esperma. A razão para isso é a coloração de alguns de seus componentes. Apesar de ser considerado bem tolerado, seguro e eficaz, alguns indivíduos podem apresentar as seguintes reações:

Comuns

Raros

  • Hiperidrose
  • Aumento dos batimentos cardíacos (taquicardia)
  • Coceira
  • Reação Alérgica
  • Aumento de apetite
  • Refluxo

Interações medicamentosas

Alguns medicamentos não combinam com a nitazoxanida, e podem alterar ou reduzir seu efeito. Avise seu médico se estiver consumindo algum dos seguintes fármacos:

  • Anticoagulante (por exemplo: varfarina)
  • Anticonvulsivante (por exemplo: fenitoína)
  • Antidiabético (por exemplo: Glimepirida)
  • Calmante (por exemplo: Diazepan)

Comunique também ao profissional, antes de usar esse medicamento, que você faz uso contínuo de algum fitoterápico, suplemento ou vitaminas.

Há interação com exames laboratoriais?

Não são conhecidas alterações em resultados de exames. Contudo, caso algum teste laboratorial seja necessário durante o tratamento com a nitazoxanida, lembre-se de falar com o médico ou o pessoal do laboratório sobre o uso desse medicamento.

Qual a relação entre nitazoxanida e covid-19?

Até o momento, não existem medicamentos ou terapias aprovadas pelas autoridades médicas e sanitárias para prevenir ou tratar a covid-19. As estratégias que os médicos dispõem buscam prevenir infecções e controlar o avanço e a gravidade da doença, incluindo o uso de oxigênio e ventilação mecânica quando indicados.

Contudo, entre as abordagens terapêuticas utilizadas contra a covid-19, já relatadas em artigos internacionais, destacou-se o uso da nitazoxanida junto à azitromicina, entre outros. Em estudos preliminares em laboratório (in vitro), essa combinação se mostrou eficaz contra os efeitos da Mers-CoV e outros tipos coronavírus, além de reduzir sintomas da influenza.

Embora promissora, essa opção de tratamento tem sido feita em caráter experimental e sob rigorosa supervisão médica. Esses dados foram publicados online pelo periódico Pharmacological Research.

Em casa, coloque em prática as seguintes dicas:

  • Fique atento à validade do medicamento, que é de 24 meses. Considere que, após aberto, essa validade é ainda menor;
  • Mantenha o medicamento sempre dentro da própria embalagem e nunca descarte a bula até terminar o tratamento;
  • Leia atentamente a bula ou as instruções de consumo do medicamento;
  • Utilize o medicamento na posologia indicada;
  • Ingira os comprimidos inteiros. Evite esmagá-los ou cortá-los ao meio --eles podem ferir sua boca ou garganta. A exceção é a indicação médica;
  • Escolha um local protegido da luz e da umidade para armazenamento. Cozinhas e banheiros não são a melhor opção. A temperatura ambiente deve estar entre 15°C e 30°C;
  • Guarde seus remédios em compartimentos altos ou trancados. A ideia é dificultar o acesso das crianças;
  • Procure saber quais locais próximos da sua casa aceitam o descarte de remédios. Algumas farmácias e indústrias farmacêuticas já têm projetos de coleta;
  • Evite o descarte no lixo caseiro ou no vaso sanitário. Frascos vazios de vidro e plástico, bem como caixas e cartelas vazias podem ir para a reciclagem comum.

O Ministério da Saúde mantém uma cartilha (em pdf) para o Uso Racional de Medicamentos, mas você pode complementar a leitura com a Cartilha do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos - FIOCRUZ) (em pdf) ou do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (também em pdf). Quanto mais você se educa em saúde, menos riscos você corre.

Fontes: Danyelle Cristine Marini, diretora do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia de São Paulo), professora do curso de medicina na Unifae (Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino/São João da Boa Vista) e Faculdades Integradas Maria Imaculada (Mogi Guaçu); Fernanda Cristina Ostrowski Sales, farmacêutica, bioquímica, mestre em tecnologia em saúde pela PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e docente atuando na disciplina de farmacologia das escolas de medicina, farmácia e odontologia da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná); Caroline Ehlke Gonzaga, médica gastroenterologista, professora da Faculdade de Medicina da PUC-PR. Revisão Técnica: Amouni Mourad, farmacêutica, professora do curso de Farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie e assessora técnica do CRF-SP.

Referências: Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária); Mina T. Kelleni. Nitazoxanide/azithromycin combination for COVID-19: A suggested new protocol for early management. Publ. on-line 2020; Nitazoxanide. LiverTox: Clinical and Research Information on Drug-Induced Liver Injury. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. NCBI. 2020; Toby Pepperrell et alii. Review of safety and minimum pricing of nitazoxanide for potential treatment of COVID-19. J Virus Errad. Publ. On-line 2020.

Qual é o Remédio