PUBLICIDADE

Topo

Qual é o Remédio

Um guia dos principais medicamentos que você usa


Qual é o Remédio

Azitromicina tem ampla ação, mas uso frequente pode gerar resistência

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

12/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Azitromicina é um antibiótico usado no tratamento de infecções do trato respiratório, IST, entre outras doenças
  • Considerada segura, ela pode ser indicada para crianças, adultos e idosos
  • Entre as suas vantagens, destaca-se a possibilidade de ser utilizada por menor tempo
  • O uso frequente, em determinada população, pode gerar resistência rapidamente

Considerado um dos medicamentos mais importantes do século 20, a azitromicina é frequentemente usada no tratamento de infecções respiratórias ou sexualmente transmissíveis.

O que é azitromicina?

Trata-se de um medicamento que faz parte do grupo dos antibióticos com efeito antibacteriano. Conhecida também como azitromicina di-hidratada, ela é definida como um macrólido de amplo espectro, isto é, atua contra muitas bactérias (gram-positivas e gram-negativas), incluindo a Bordetella pertussis, espécies de Legionella, Mycoplasma pneumoniae, Treponema pallidum, espécies de Chlamydia e do complexo Mycobacterium avium.

Em quais situações ela deve ser usada?

Como é um antibiótico, esse medicamento só pode ser vendido sob prescrição médica e a receita deve ser retida para controle de seu consumo.

Dada a ampla utilização desse fármaco, ele é considerado muito seguro. Contudo, é importante que você faça o uso racional, ou seja, utilize-o de forma apropriada, na dose certa e por tempo adequado.

Ao não respeitar as indicações do médico ou cirurgião dentista, você colabora para a resistência bacteriana. Isso significa que o antibiótico poderá não fazer efeito quando for necessário usá-lo em outra oportunidade.

A azitromicina pode ser usada nos seguintes casos:

  • Bronquite
  • Pneumonia
  • Sinusite
  • Faringite
  • Inflamação das amígdalas
  • Infecções de pele e tecidos moles
  • Otite
  • IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis)

O medicamento poderá ainda ser indicado em outras condições, como na terapia da DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), e até na inflamação intestinal causada por bactéria.

Entenda como ela funciona

A azitromicina possui excelente farmacocinética, ou seja, é bem absorvida e distribuída pelos tecidos, até que chega a seu alvo, efetua sua ação, se transforma em um produto a ser eliminado (metabolização). Ao finalizar sua tarefa, ela é excretada pela via hepática e renal.

Quanto à farmacodinâmica, tem ação bacteriostática, portanto, atua impedindo que as bactérias produzam as proteínas que necessitam para crescer e se multiplicar. A explicação é de Cynthia França Wolanski Bordin, farmacêutica e professora das Faculdades de Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Medicina da PUC-PR.

Conheça as apresentações disponíveis

Zitromax® é a marca de referência da azitromicina. Mas você também pode encontrar as versões genéricas. Confira as apresentações disponíveis:

  • Comprimido - 500 mg e 1000 mg
  • Comprimido revestido - 500 mg
  • Cápsula - 250 mg
  • Suspensão oral - 600 m, 900 mg, 1500 mg
  • Solução injetável - 500 mg

Em geral, o remédio começa a fazer efeito já a partir de 2 a 3 horas de seu uso.

A depender da gravidade ou do tipo da infecção, o médico deverá indicar a dose e o tempo necessários para o tratamento, que pode durar de 3 a 10 dias. Evite automedicar-se e jamais abandone o tratamento antes do tempo determinado. Isso também leva à resistência bacteriana.

Quais são as vantagens e desvantagens do seu uso?

Bruno Spadoni, professor auxiliar de clínica médica da Faculdade de Medicina da PUC-PR, diz que a maior vantagem da azitromicina é que ela permite um tratamento que compreende uma única dose diária e tem curto prazo, o que aumenta as chances de a terapia não ser abandonada antes do período determinado.

"O fármaco tem excelente perfil de segurança e eficácia em várias infecções. Além disso, o tempo de sua eliminação é longo. Por isso, o medicamento continua a fazer efeito mesmo após a finalização do tratamento", esclarece.

Entre as desvantagens, ele destaca que o uso frequente da azitromicina, em determinada população, pode levar à rápida resistência.

Ela está incluída na Farmácia Popular?

Não. No entanto, consta da Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), então tem distribuição gratuita em todas as UBS (Unidades Básicas de Saúde). Para ter acesso a ela, basta apresentar a receita médica.

Saiba quais são as contraindicações

A azitromicina não pode ser usada por pessoas que sejam alérgicas (ou tenham conhecimento de que alguém da família tenham tido reação semelhante) ao seu princípio ativo ou a qualquer outro antibiótico da mesma classe da azitromicina, bem como a algum componente de sua fórmula. Lembre-se de falar com seu médico ou cirurgião dentista antes de usá-la.

A indicação do fármaco também deve ser mais cuidadosa na presença das seguintes situações:

  • Problema grave no fígado ou nos rins
  • Diabetes
  • Gravidez
  • Amamentação

Crianças e idosos podem usá-la?

Sim. O medicamento é bem tolerado em todas as faixas etárias.

Estou grávida? Posso usar azitromicina?

O uso desse medicamento só pode acontecer sob a estrita orientação médica ou do cirurgião dentista. Isso porque só eles poderão avaliar o custo/benefício de seu uso, já que não existem, até o momento, estudos de segurança para a mãe e seu bebê. O mesmo para as lactantes.

O medicamento "corta" o efeito do anticoncepcional?

Depende. O uso do antibiótico pode afetar a forma como o anticoncepcional é absorvido, especialmente na presença de efeitos como diarreia ou vômito.

Nesses casos, é aconselhável o uso de outro método de proteção durante o tratamento. De todo modo, fale com seu médico sobre as alternativas nesses casos.

Qual é a melhor forma de consumi-lo?

Há evidências de que o uso da azitromicina com alimentos pode reduzir a sua absorção. Prefira usar o medicamento uma hora antes ou duas horas após as refeições. Para ingeri-lo, prefira água.

Existe uma melhor hora do dia para usar esse medicamento?

Não. O importante é que ele seja ingerido na forma indicada pelo médico, sem interrupção do esquema de doses antes do final do tratamento, mesmo quando houver imediata melhora dos sintomas.

O que faço quando esquecer de tomar o remédio?

Tome assim que lembrar e reinicie o esquema de uso do medicamento. É desaconselhado tomar doses em dobro de uma vez para compensar a dose que foi esquecida.

Se você é daqueles que sempre se esquecem de tomar seus remédios, use algum tipo de alarme para lembrar-se.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

A farmacêutica Luciana Canetto, diretora e secretária-geral do CRF-SP, afirma que a azitromicina apresenta baixa incidência de efeitos adversos, especialmente em relação aos distúrbios gastrointestinais.

"Ele até é indicado pela AHA (sigla em inglês para Associação Americana do Coração), desde 1997, para prevenir a endocardite bacteriana em pacientes alérgicos às penicilinas", esclarece. Apesar disso, o histórico dos eventuais efeitos colaterais pode incluir:

  • Dor de cabeça
  • Náusea
  • Vômito
  • Diarreia
  • Fezes amolecidas
  • Desconforto abdominal
  • Aparecimento de icterícia
  • Perda de audição devido a toxicidade no ouvido
  • Alterações nos valores do exame de sangue (redução das células de defesa ou plaquetas)
  • Alterações no batimento cardíaco
  • Baixa da pressão arterial
  • Tontura
  • Sonolência
  • Perda de apetite

Interações medicamentosas

Alguns medicamentos não combinam com a azitromicina, e podem alterar ou reduzir seu efeito. Avise seu médico se estiver consumindo algum dos seguintes fármacos:

  • Ergot - usado na enxaqueca
  • Antiácido - reduz a acidez estomacal
  • Outros tipos de antibióticos
  • Amiodarona - usado na arritmia
  • Antidepressivo, antipsicótico
  • Digoxina - utilizado em doenças cardiológicas
  • Ciclosporina - imunossupressor usado no transplante de órgãos
  • Zidovudina - antirretroviral para tratamento da Aids
  • Carbamazepina - principal medicamento utilizado na epilepsia ou dor neuropática
  • Varfarina - previne a coagulação sanguínea
  • Estatina - controla o colesterol

Fale com um médico, farmacêutico ou até o cirurgião dentista antes de usar esse medicamento se você faz uso contínuo de algum fitoterápico, suplemento ou vitaminas.

Interação alimentar

O álcool é metabolizado pelo fígado por meio das mesmas vias que metabolizam o antibiótico. O uso excessivo e repetido da bebida pode atrapalhar a ação do medicamento. Evite o seu consumo.

Há interação com exames laboratoriais?

Não são conhecidas alterações em resultados de exames. Contudo, caso algum teste laboratorial seja necessário durante o tratamento com a azitromicina, lembre-se de falar com o médico ou o pessoal do laboratório sobre o uso desse medicamento.

Qual a relação entre azitromicina e covid-19?

Até o momento, não existem medicamentos ou terapias aprovadas pelas autoridades médicas e sanitárias para prevenir ou tratar a covid-19 —doença causada pelo coronavírus. As estratégias que os médicos dispõem buscam prevenir infecções e controlar o avanço e a gravidade da doença, incluindo o uso de oxigênio e ventilação mecânica quando indicados.

Contudo, entre as abordagens terapêuticas utilizadas contra a covid-19, já relatadas em artigos internacionais, destaca-se o uso combinado da azitromicina e cloroquina/hidroxicloroquina, especialmente em pacientes com pneumonia, doença pulmonar, doença respiratória aguda, desde que relacionadas ao vírus Sars-CoV-2, e até mesmo na prevenção de quadros graves.

De acordo com o Informe Diário de Evidências - Covid 19, publicado pelo Ministério da Saúde em 07/05/2020, a Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa) já havia aprovado sete ensaios clínicos brasileiros que buscam avaliar a segurança e eficácia do uso combinado desses medicamentos. Embora promissores, tais opções de tratamento têm sido feitas em caráter experimental e sob a essencial supervisão médica.

Em casa, coloque em prática as seguintes dicas:

  • Fique atento à validade do medicamento, que é de 24 meses. Considere que, após aberto, essa validade é ainda menor;
  • Mantenha o medicamento sempre dentro da própria embalagem e nunca descarte a bula até terminar o tratamento;
  • Leia atentamente a bula ou as instruções de consumo do medicamento;
  • Utilize o medicamento na posologia indicada;
  • Ingira os comprimidos inteiros. Evite esmagá-los ou cortá-los ao meio --eles podem ferir sua boca ou garganta. A exceção é a indicação médica;
  • Escolha um local protegido da luz e da umidade para armazenamento. Cozinhas e banheiros não são a melhor opção. A temperatura ambiente deve estar entre 15°C e 30°C;
  • Guarde seus remédios em compartimentos altos ou trancados. A ideia é dificultar o acesso das crianças;
  • Procure saber quais locais próximos da sua casa aceitam o descarte de remédios. Algumas farmácias e indústrias farmacêuticas já têm projetos de coleta;
  • Evite o descarte no lixo caseiro ou no vaso sanitário. Frascos vazios de vidro e plástico, bem como caixas e cartelas vazias podem ir para a reciclagem comum.

O Ministério da Saúde mantém uma cartilha (em pdf) para o Uso Racional de Medicamentos, mas você pode complementar a leitura com a Cartilha do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos - FIOCRUZ) (em pdf) ou do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (também em pdf). Quanto mais você se educa em saúde, menos riscos você corre.

Fontes: Cynthia França Wolanski Bordin, farmacêutica e professora adjunta das Faculdades de Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná), com mestrado em Tecnocologia Química e doutorado em Ciências da Saúde; Luciana Canetto, diretora e secretária-geral do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia em São Paulo), farmacêutica do Departamento de Assistência Farmacêutica da Secretaria Municipal de Saúde de Piracicaba (SP), especialista em Saúde Pública pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e em Gestão Pública pela Unimpe (Universidade Metodista de Piracicaba) e Bruno Spadoni, professor auxiliar de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da PUC-PR. Revisão técnica: Bruno Spadoni/Amouni Mourad, assessora técnica do CRF-SP.

Referências: Ministério da Saúde; CDC (Centers for Disease Control and Prevention); UptoDate; Bao-Ping Tian, Nanxia Xuan, Yesong Wang, Gensheng Zhang, Wei Cui. The Efficacy and Safety of Azithromycin in Asthma: A Systematic Review. J Cell Mol Med. 2019; Kieran S O'Brien,Paul Emerson, PJ Hooper Arthur L Reingold, Elena G Dennis, Jeremy D Keenan et al. Antimicrobial resistance following mass azithromycin distribution for trachoma: a systematic review. Lancet Inf Dises Rev. 2019; Brendan J McMullan, Mona Mostaghim. Prescribing azithromycin. Aust Prescr 2015.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que dizia o texto, a azitromicina não está disponível no programa Farmácia Popular, apenas no Rename, com apresentação de receita. A informação foi corrigida.

Qual é o Remédio