PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Luto não ocorre só em casos de morte, veja como lidar com perdas

iStock
Imagem: iStock

Diego Garcia

Colaboração para o VivaBem

14/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Luto é o sofrimento por uma perda, seja de pessoa ou de algum objeto: quanto maior a proximidade do objeto, maior o sofrimento
  • O luto é um processo natural no qual todos passam, não necessita tratamento ou acompanhamento médico
  • Durante o processo do luto, existem cinco fases que geralmente as pessoas passam e devem passar

É normal associar o luto ao falecimento de um ente querido. Mas o luto é, antes de tudo, uma perda que pode ser de algo, de uma situação concreta ou de uma pessoa que morre, por exemplo. "O luto é principalmente a perda de uma perspectiva da vida, que pode ser uma ideia, um sonho ou até uma fantasia imaginária", define Regina Elisabeth Lordello Coimbra, a psiquiatra e psicanalista, membro da SBPSP (Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo).

Tânia Alves, psiquiatra no Ambulatório do Luto do IPq do HC-FMUSP (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), explica que a literatura médica define o luto apenas para referir-se a morte de pessoas. Para as demais perdas, chamam de perdas mesmo. A reação, porém, seja por morte seja por outro objeto, é a mesma.

Ela chama de objeto porque pode ser qualquer perda: de uma pessoa, um relacionamento, um emprego ou a amputação de uma parte do corpo, por exemplo. "Qualquer que seja o objeto que se ame, a perda dele provoca o mesmo tipo de reação. Seja por luto, seja por separação desse objeto. Luto é perda por morte, para outros, perda ou separação do objeto amado", define.

Natalia Novaes Pavani Soler, psicóloga do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, complementa que as perdas podem ser concretas, como as citadas acima, ou simbólicas, como uma doença, a perda de um papel social, vínculos, etc. "Luto está relacionado a investimento afetivo. Quanto maior o vínculo, maior o processo de luto. Não temos como mensurar sentimentos, cada um sente de uma forma, não é um processo linear", afirma.

Se não é possível mensurar a intensidade do luto ou perda de uma forma geral, é possível fazer individualmente, afirma Alves, que lida diariamente com pacientes enlutados. Ela explica que a intensidade que cada um vivencia a perda ou o luto tem uma equação: quanto mais amor, mais dor na hora que perde. Se amava muito, se dava muito valor para pessoa, se era muito importante, vai ter uma reação mais intensa.

"Embora seja subjetivo, a gente pergunta para o paciente qual é o grau de intensidade e o quanto isso está atrapalhando a vida. Se não está atrapalhando, não medicamos aquela situação, mas, se atrapalha a condição de vida, as necessidades básicas como comer e dormir ou outras partes do corpo, tendemos a diminuir essa dor com medicação", explica Alves.

Ela compara a dor do luto como a dor em qualquer outro órgão. Se você está com uma dor de dente, você pode dizer "está doendo, mas estou fazendo as coisas que tenho de fazer" ou você pode dizer "está doendo de um jeito que eu não consigo comer", neste caso, você tomaria um remédio para diminuir esta dor. É o mesmo raciocínio, só que a dor está no aparelho psíquico.

Fases do luto

Alves explica que, embora alguns autores chamem de fases, o primeiro grande autor que descreveu esse processo diz que há uma reação que ele chama de trabalho de luto: no primeiro momento você tem uma reação de choque com a realidade, então pessoa diz: 'como é possível que isso tenha acontecido?'. É quando a mente entra em um processo investigatório para entender como aquele fato aconteceu. Perguntas do tipo 'como?', 'por quê?', 'quando?' são formuladas na mente e cada vez que uma delas é respondida, ela vai para a próxima. "A reação das pessoas a essas respostas é o que os autores chamam de fase", completa.

Colocamos abaixo uma lista com as principais fases ou trabalho de luto, porém, não existe uma ordem cronológica para que elas aconteçam, varia para cada indivíduo:

Negação/choque: geralmente é a primeira reação. Ao se deparar com a perda, a pessoa nega, não aceita a perda. Segundo Coimbra, é um modo de defesa diante da situação: isso não está acontecendo, não é verdade, não é com ela, tudo vai voltar ao normal, etc.

Raiva: é uma outra modalidade defensiva. O indivíduo fica com muita raiva, às vezes ódio, da perda ter acontecido com ele e não com outra pessoa. Alves diz que isso acontece muito quando ocorrem mortes violentas: é comum a raiva, o sentimento de injustiça e o não entendimento da situação. Outro exemplo da psiquiatra, é em casos de amputação. "tenho pacientes muito jovens, principalmente motociclistas que perderam um braço ou uma perna em um acidente e perderam a função. Além da perda estética, perdem uma função do corpo e leva muito tempo até que eles aceitem a perda".

Soler diz que já presenciou casos em que pacientes quebraram símbolos religiosos, outros jogaram no lixo, tamanha a dor e revolta pela perda. "Essas manifestações devem acontecer, não precisamos conter essas reações. A pessoa vai ter o tempo necessário para fazer uma reparação, até fazer as pazes com os próprios valores e com a religião, se for o caso", pontua.

Depressão: diferente da raiva, que é um sentimento mais expressivo e mobilizador, onde a pessoa coloca para fora tudo o que pensa e sente, a depressão é mais quieto, introspectivo e imobilizador, uma tristeza profunda pela perda.

Negociação: é uma parte do processo em que a pessoa tenta "salvar" a perda. Tornar o que é irreversível, reversível. Como Alves explicou no começo do texto, é o processo de investigação mental: "e se eu não tivesse feito isso?"; "será que posso fazer algo?".

Um exemplo que a psiquiatra utiliza é o término de uma relação conjugal. Quando um quer terminar e o outro não aceita, este vai negar o término, porque o desejo dele ainda está mantido. Depois de negar, vai se perguntar 'por que' a outra pessoa quer terminar. Depois, vai se questionar 'o que eu poderia fazer para salvar essa relação?' e vai tentar salvar. Até que, por fim, o outro permanece com a realidade informada de que não há mais possibilidade, seja porque não querer, seja porque morreu. Então, por exaustão, o enlutado desiste e ganha o princípio da realidade: não há mais nada o que ser feito.

Aceitação: é quando o enlutado consegue lidar com a perda com menos sofrimento. A pessoa tem a aceitação da finalidade da perda e aos poucos vai retomando a normalidade da sua vida e adaptação a sua nova realidade e o fim do luto.

"Essas fases estão presentes, mas não são lineares. Não quer dizer que as pessoas passarão por todas, e nem na mesma ordem. É mais para que possamos entender e repensar esse processo", explica Soler. A psicóloga salienta que rituais como o velório e o enterro, para casos de morte, são muito importantes para encerrar ciclos. Assim como é importante que crianças participem.

"Mortes em que não são encontrados os corpos ou que não se tem certeza do que aconteceu, assim como a participar de ritos, faz com que o organismo se negue a entrar em processo de luto por haver uma esperança de que a perda não é real", complementa Alves.

Elaboração do luto

Coimbra diz que a elaboração acontece quando a pessoa transforma uma situação de dor em outra que seja benéfica para ela ou para outros. "Para não sofrer a dor daquela perda, a pessoa transforma aquela experiência em algo triunfante de que ela vai sair por cima de toda a dor que ela está vivendo", completa. Aceitar dentro de si a realidade das nossas limitações como seres humanos, que teremos perdas ao longo da vida e que fazem parte de nossa existência, é um processo de elaboração. "Nós transformamos as dores em algo que possa ser para nós um ensinamento para seguirmos adiante", acrescenta.

Soler informa que o processo de luto, no caso de morte, dura entre dois e dois anos e meio. "O primeiro ano é sempre o mais difícil, é quando passa por todas as datas importantes sem a pessoa amada: o primeiro aniversário, o primeiro Natal, primeira virada de ano", explica. Passado esse primeiro ano, no segundo o peso já é menor, pois a pessoa conseguiu passar pelo primeiro ano e "sobreviveu". Quando o luto dura mais do que esse tempo e começa a prejudicar a pessoa enlutada em suas necessidades básicas, o ideal é buscar ajuda com um profissional de saúde.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

Equilíbrio