PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Por que crianças autistas são sensíveis ao barulho dos fogos de artifício?

Crianças com autismo podem apresentar hipersensibilidade aos sons muito altos, como é o caso dos estouros provocados por fogos de artifício - iStock
Crianças com autismo podem apresentar hipersensibilidade aos sons muito altos, como é o caso dos estouros provocados por fogos de artifício Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

30/12/2019 16h14

Resumo da notícia

  • Crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) possuem hipersensibilidade sensorial e sofrem com os barulhos dos fogos de artifício
  • A característica é comum em indivíduos com TEA e provoca uma sobrecarga dos sentidos, causando desconforto e até comportamentos agressivos
  • O ideal é tentar conter a criança para que ela não se machuque na crise; prepará-la e exlpicar o contexto da situação também ajuda

A última semana do ano trouxe inúmeros vídeos e apelos de mães e cuidadores de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) para que os fogos de artifício sejam eliminados das comemorações na noite da virada do ano — ou ao menos que se usem fogos com ruídos mais baixos.

Tudo porque é comum encontrar crianças (e também adultos) com TEA que sofrem crises por conta do barulho excessivo dos rojões e foguetes utilizados para celebrar a chegada do novo ano.

O problema acontece pois muitos indivíduos com TEA apresentam uma hipersensibilidade sensorial aos estímulos do ambiente. O fator é, inclusive, um dos critérios levados em conta na hora de fechar o diagnóstico. Um latido de cachorro ou uma buzina de caminhão, por exemplo, podem ser suficientes para causar pânico em crianças dentro desse espectro.

É como se eles escutassem todos os sons do ambiente de uma só vez sem focar a atenção em nenhum deles, provocando uma sobrecarga naquele sentido. "É algo que foge ao controle deles", explica a neuropsicóloga Deborah Moss, mestre em psicologia do desenvolvimento pela pela USP (Universidade de São Paulo).

A hipersensibilidade sensorial pode ainda acometer outros sentidos. No caso do tato, a criança pode ter medo de texturas e evitar andar descalço na grama ou usar meias, por exemplo. Quando atinge o paladar, pode fazer com que o indivíduo coma apenas alimentos pastosos, ou só secos. No campo visual, luzes intensas também podem provocar essa sobrecarga sensorial, que acaba causando desconforto e até comportamentos agressivos nos autistas.

De acordo com Marcos Escobar, neuropediatra no Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), isso acontece porque indivíduos com a condição tem dificuldade em entender o contexto das situações, impedindo que ela consiga modular seu comportamento. "Ela não consegue prever o que vem depois e isso a assusta, faz com que ela fique frustrada e se desorganize", explica.

"Desorganizar" é a palavra mais usada para descrever uma crise pois é exatamente isso o que acontece: o indivíduo sente-se sobrecarregado pelos estímulos que recebe e, como não consegue entender o contexto da situação, acaba tendo dificuldade para organizar sua percepção e modular sua reação a eles.

No caso dos fogos de artifício durante a virada do ano, indivíduos neurotípicos (isto é, que não estão dentro do espectro autista) compreendem que eles serão disparados porque é uma tradição social para celebrar a data. "Mas, se acordássemos às três da manhã de um dia comum com uma bateria de fogos imensa na nossa janela, ficaríamos confusos com aquilo, questionaríamos se são fogos ou tiros, sentiríamos irritação e até medo", explica o médico.

Terapias ajudam, mas não resolvem

De acordo com Escobar, quadros mais leves de TEA acabam tendo uma cognição social mais desenvolvida, permitindo que esses indivíduos se adaptem melhor à hipersensibilidade. Quando o grau é mais grave, no entanto, a contextualização das situações é muito difícil.

Uma das formas de amenizar o problema é trabalhar com terapeutas ocupacionais para que o paciente seja dessensibilizado dos estímulos que deixam a criança desorganizada. Os pais também podem ajudar na contextualização, explicando que aquele som é esperado e que irá acabar depois de alguns minutos.

Moss lembra ainda que, durante a crise, é importante que os pais ou cuidadores realizem um trabalho de contenção da criança para evitar que ela se machuque ou machuque outros. Vale também tentar criar um ambiente controlado, mais silencioso e com menos pessoas, em que a criança se sente segura, para passar pelo período.

A especialista lembra, no entanto, que as terapias podem ajudar, mas não resolvem a questão. "Não existe um aprendizado, um treino sobre como lidar com a situação", afirma. "Isso é uma característica daquele indivíduo e é mais fácil nós nos adaptarmos à realidade deles", explica.

Os dois especialistas concordam que, nesse momento, é importante tentar se colocar no lugar do autista para compreender quão difícil é vivenciar aquele momento. "Não é birra ou falta de vontade. As terapias ajudam, mas nunca vão modificar a hipersensibilidade sensorial desses indivíduos", afirma Escobar.

VivaBem no Verão - 2ª edição

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping - Bertioga (SP)
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: Gratuita

Saúde