Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Derrotas fazem parte do processo de evolução e aprendizado

iStock
Imagem: iStock

Simone Cunha

Colaboração para o VivaBem

30/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • As derrotas são importantes porque nos trazem novas visões e muito aprendizado
  • Apropriar-se de um fracasso trazendo isso para o lado pessoal faz sofrer mais
  • Há pessoas que criam expectativas além de seu limite e a derrota acaba sendo previsível

É fundamental saber perder, embora não seja nada fácil lidar com derrotas e fracassos. E ao longo da vida são muitos os tropeços para desafiar a nossa capacidade de superação, desenvolver resiliência e nos fazer aprender. Mas para tirar algum proveito disso é importante analisar essas perdas, pode até doer um pouco, no entanto, essa reflexão pós-derrota é imprescindível para o nosso crescimento.

"As derrotas são importantes porque nos trazem novas visões e, mesmo uma repercussão mais negativa e que gera desconforto, tende a ser um enorme aprendizado", diz Fernanda Faggiani, doutora em psicologia e professora da Escola de Ciências de Saúde da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

Não se culpe tanto

Existe uma tendência natural em se culpar diante de um fracasso e questionamentos como 'por que deu errado?' ou 'por que só acontece comigo?' costumam ficar martelando os pensamentos. No entanto, Faggiani diz que potencializar a emoção de tristeza ou frustração não contribui para o nosso crescimento. "É difícil desconectar a emoção com a situação de derrota, mas vale muito mais refletir como poderia ter sido feito diferente", ensina.

Para a psicóloga Maria de Jesus Dutra dos Reis, professora do departamento de psicologia da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), conquistas e derrotas são uma sofisticada interação entre situações potenciais e como se planeja o melhor de tudo isso. "As perdas são um produto do que quero e das minhas expectativas, portanto, não conseguir algo deve ser visto como a possibilidade de ajuste para que dê certo em uma próxima vez", fala Reis.

Apropriar-se de um fracasso trazendo isso para o lado pessoal, apostando na autocrítica e no autoflagelo apenas faz sofrer mais. Por isso, é saudável lidar com derrotas de forma que traga fortalecimento, ou seja, a emoção pode ser intensa só não deve paralisar. "O sentimento não pode ficar patológico, limitando e prolongando o sofrimento. Neste caso, uma escuta qualificada pode ser essencial para dar a volta por cima", alerta Faggiani.

Elimine esse peso

As derrotas surgem para aprendermos a lição, se fortalecer, superar. E para que haja resiliência é importante sempre analisar a situação da perspectiva que aconteceu. "Quanto mais quero alcançar algo que está longe de meu repertório, menos condições e mais desafios vou ter", lembra Reis.

E é necessário estabelecer metas possíveis de serem cumpridas. De acordo com Reis, algumas pessoas criam expectativas que vão além de seu limite e a derrota acaba sendo previsível. Neste caso, é importante rever esses desejos e os caminhos escolhidos para conquistá-los. E até mesmo nas situações mais desafiadoras é importante planejar bem e dar passos pequenos.

"Também é importante ter claro que conseguindo ou não, isso não tem a ver com traço de personalidade: capacidade, criatividade ou inteligência, mas a maneira escolhida para aproveitar as oportunidades resgatando o que se tem de melhor em nós e ao redor", salienta a docente da UFSCar.

Portanto, eliminar o peso de algumas perdas já ajuda a se manter na caminhada. Ser um ganhador ou um perdedor depende do que planeja conseguir e se realmente são alcançáveis. Por isso, após um fracasso é fundamental avaliar o todo e apostar em ajustes necessários para conseguir numa próxima vez.

O perfil de cada um

A resposta aos fracassos também depende muito das crenças de cada um. Segundo o psicólogo Alysson O. Pacheco, mestrando em psicologia na UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), no Rio Grande do Sul, as crenças podem ser fixas ou de crescimento. "Há pessoas que têm uma perspectiva mais rígida em termos de crenças, o chamado mindset fixo, e tendem a adotar uma postura mais determinista classificando ou rotulando", informa.

Este tipo de perfil, segundo Pacheco, pode enxergar o fracasso como uma limitação. E ao se deparar novamente com uma situação semelhante vem o temor de que se repita. Por isso, alguns optam pela fuga, evitando o problema, e outros partem para o enfrentamento devido à necessidade de provar sua capacidade. "Isso pode causar estagnação, pois a pessoa internaliza um rótulo e está sempre colocando em xeque o seu status podendo até minar sua autoconfiança".

Já quem tem um perfil (mindset) de crescimento não percebe os fracassos como fracassos. "Tendem a compreender as situações de 'derrota' como parte do processo de evolução e aprendizado", explica Pacheco. Portanto, para este perfil, o fracasso se transforma em desafio, em oportunidade, sem que isso implique em ausência de dor. Boa parte das grandes referências em diversas modalidades esportivas têm histórias de fracassos que foram marcantes, mas que se transformaram em oportunidade de aprendizado e crescimento.

Nos dois exemplos, dor e sofrimento estarão presentes. Afinal, não é possível encarar uma derrota sem sentir o peso que ela traz. A diferença se dá na maneira como cada um lidará com o sofrimento. Quem tem crenças fixas enxerga o fracasso de forma mais pessoal, por isso autoestima e autoconfiança são mais afetadas. Já quem tem perfil de crescimento não costuma internalizar essa dor, mas continua trabalhando para evoluir e se preparar para os próximos desafios.

Podcasts do UOL
Ouça o podcast Maratona, em que especialistas e corredores falam sobre corrida. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Equilíbrio