Topo

Tudo sobre Infarto

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Infarto

Ansiedade, refluxo, pânico: 8 causas de dor no peito que não são infarto

Não importa o motivo, o primeiro passo ao sentir uma dor no peito suspeita é ir imediatamente ao pronto-socorro - Getty Images/iStockphoto
Não importa o motivo, o primeiro passo ao sentir uma dor no peito suspeita é ir imediatamente ao pronto-socorro Imagem: Getty Images/iStockphoto

Daniel Navas

Colaboração para o UOL VivaBem

25/03/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Muitas doenças podem ter sintomas que são facilmente confundidos com um ataque cardíaco
  • Entre os problemas comuns estão ataque de pânico, ansiedade, herpes e até dor muscular pós-treino
  • Ao sentir uma dor no peito de origem desconhecida, o primeiro passo é ir ao pronto-socorro

De repente, surge aquela apontada na região do coração e logo vem o susto: será um ataque cardíaco? O primeiro passo, claro, é ir imediatamente ao pronto-socorro por garantia, para investigar a causa do incômodo. Mas é bom saber que algumas doenças geram sintomas muito parecidos com um infarto. A seguir, listamos algumas das principais.

1. Ataque de pânico

Um ataque de pânico tende a ser facilmente confundido com um ataque cardíaco. O problema é caracterizado por ser um episódio súbito de ansiedade ou de medo intenso que desencadeia reações físicas graves, como:

  • Dor ou aperto no peito;
  • Falta de ar;
  • Palpitações;
  • Tontura;
  • Dormência das mãos e dos pés;
  • Sudorese;
  • Sensação de desmaios iminente;
  • Tremores.

O diagnóstico da doença é baseado na história e nos sintomas relatados pelo paciente. Seu tratamento pode envolver o uso de antidepressivos. Além disso, também é indicada a psicoterapia e atividades que ajudam a relaxar, como a ioga, mindfulness, corrida e qualquer outro exercício físico.

2. Ansiedade

E é bom deixar claro que ataque de pânico não é sinônimo de ataque de ansiedade. O pânico vem sem dar aviso e é uma resposta corporal. Já a ansiedade, você sabe como é: aquela pulga atrás da orelha com um projeto do trabalho, uma briga mal resolvida com o parceiro, uma conta que não sabe como vai pagar.

Na ansiedade os pensamentos de preocupação vêm antes dos sintomas físicos, mas se eles estiverem muito constantes na sua cabeça podem desencadear crises como dor no peito, falta de ar, sudorese, palpitação e tremor do corpo, náusea.

3. Refluxo gastroesofágico

A doença se dá quando a válvula que separa o estômago do esôfago abre de maneira inapropriada e permite que o ácido estomacal atinja o esôfago, que não está preparado para receber a substância e acaba se machucando. O incômodo pode gerar queimação e ardor, como uma cólica na região do peito, o que pode parecer com um ataque do coração. É a chamada dor torácica de origem não cardíaca.

Considerada um pouco rara, a dor pode ser diagnosticada quando todos os exames retirarem qualquer suspeita de infarto. O tratamento é feito com medicamentos que inibem a secreção de ácido. Também é necessária uma reeducação alimentar e no consumo de álcool e cigarro. Em alguns poucos casos, pode haver a necessidade de realizar uma cirurgia para criar uma válvula artificial e impedir que o conteúdo do estômago fique voltando ao esôfago, causando a queimação.

O excesso de ansiedade pode gera sintomas físicos como palpitação, dor no peito e falta de ar - iStock
O excesso de ansiedade pode gera sintomas físicos como palpitação, dor no peito e falta de ar
Imagem: iStock

4. Pericardite

O pericárdio é a membrana que reveste o coração. Ele tem como função facilitar o movimento do coração durante o ciclo cardíaco. Porém, algumas doenças reumatológicas, autoimunes, oncológicas e até mesmo a tuberculose podem levar à inflamação desta membrana, chamada de pericardite.

O problema pode ser confundido com um ataque cardíaco, porque um dos seus sintomas é exatamente a dor no peito (conhecida como dor precordial). O espasmo piora quando há inspiração profunda e melhora quando ocorre a inclinação do tronco para a frente, com irradiação do incômodo para o pescoço e, algumas vezes, para as costas também.

Na pericardite, geralmente, o paciente apresenta febre e outros sinais de inflamação, tais como astenia (perda ou diminuição da força física) e dores musculares. Para se chegar ao diagnóstico preciso da doença é necessário realizar exames como a ausculta cardíaca, eletrocardiograma, ecocardiograma, tomografia computadorizada de tórax e a ressonância nuclear magnética. O tratamento é feito com medicação e, em casos graves e crônicos, cirurgia para remoção completa do pericárdio.

5. Dor muscular

Geralmente, ao realizar atividades físicas mais intensas, o corpo reage com a famosa dor pós-treino, que praticamente todo mundo sabe reconhecer. O problema é quando a pessoa passa muito dos limites e/ou vive um período de grande estresse. Aí, o organismo tem dificuldade de "combater" a inflamação gerada pelo exercício, o que pode levar a dores intensas em várias partes do corpo, como a região do peitoral, que em alguns casos é confundida com um ataque cardíaco.

"Estudos recentes apontam que quase metade dos pacientes que buscam por atendimentos de urgência por dor no peito, sem estar passando por um ataque cardíaco, possuem, na verdade, sintomas recorrentes de problemas no sistema de movimento, mais conhecida como dor muscular", explica Renato Arkader Fragozo, fisioterapeuta do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

6. Costocondrite

É um processo inflamatório que acomete as cartilagens que ligam as costelas ao esterno (osso do tórax). O problema produz dor local, que pode atingir o lado esquerdo do tórax, onde está o coração.

Ainda não se sabe exatamente a causa da costocondrite. Acredita-se que possa estar relacionada a algum traumatismo local, exercícios físicos ou doença inflamatória. O diagnóstico geralmente é feito com exame físico, por meio da palpação e compressão local. Para excluir outros problemas, também são solicitados a radiografia de tórax, exames de atividade inflamatória e até eletrocardiograma.

O tratamento costuma ser feito com medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos, fisioterapia e alongamentos.

7. Herpes zoster

A doença causada por vírus tem como sintomas o aparecimento de pequenas bolhas com fundo avermelhado, que podem aumentar de tamanho até furarem naturalmente, deixando uma área de ferida que será coberta por uma crosta e cicatrizará sozinha. Ela se manifesta principalmente quando a imunidade da pessoa está baixa.

No começo, a sensação inicial provocada por herpes é de dor no local em que possui um nervo. Então, se o vírus atingir a região do tórax na altura do coração, o incômodo pode ser até atribuído a um possível ataque cardíaco. O diagnóstico da doença é clínico, ou seja, o médico, geralmente infectologista ou dermatologista, ao observar o padrão das lesões, o tempo de evolução e a área acometida, é capaz de definir o problema.

O tratamento é realizado com medicamentos antivirais. Também podem ser utilizados remédios para diminuir a intensidade do desconforto causado pela doença. Vale lembrar que o problema não tem cura. O vírus fica em latência no organismo, podendo voltar a qualquer momento em que houver baixa da imunidade.

8. Pancreatite

Inflamação do pâncreas, que no caso do tipo agudo, acontece de maneira súbita. "É considerada uma das doenças mais dolorosas da medicina, pois provoca uma dor aguda intensa, que a pessoa não tem posição que melhore. O incômodo se dá no alto da barriga, próximo da boca do estômago e reflete nas costas, parecendo uma facada, bem intensa", conta Guilherme Andrade, gastroenterologista do centro de gastroenterologia do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Em geral, tem como causa cálculos na vesícula, que entopem os canais da bile, responsáveis por se comunicarem com o órgão. Outros gatilhos são o alcoolismo, já que a ingestão aguda de bebida alcoólica é um potente inflamador do pâncreas, o uso irregular de medicamentos diuréticos, anticonvulsivantes e imunossupressores, além de vírus, bactérias e fungos.

O diagnóstico é feito com exame de sangue e também com a ajuda de tomografia, ressonância ou ultrassom, que mostra a inflamação do pâncreas. Como a doença é bastante grave, é indicada a internação hospitalar para tratamento.

Fontes: Roberto Kalil Filho, presidente do conselho diretor do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo); Guilherme Andrade, gastroenterologista do centro de gastroenterologia do Hospital 9 de Julho, em São Paulo; João Roberto Breda, cardiologista responsável pelo serviço de cardiologia do Hospital América de Mauá e professor adjunto de cirurgia cardiovascular da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Luciana Sarin, psiquiatra do Prodaf (Programa de Doenças Afetivas) da Unifesp; Marcelo Ubirajara Carneiro, membro da Sbot-SP (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - Regional São Paulo); Max Igor Banks Lopes, infectologista e coordenador do ambulatório de moléstias infecciosas e parasitárias do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo); Renato Arkader Fragozo, fisioterapeuta do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ;

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado, a inflamação acomete as cartilagens das costelas e não das costas

Tudo sobre Infarto