Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

6 meses de exercícios melhoram comprometimento cognitivo leve, diz estudo

iStock
Imagem: iStock

Do UOL VivaBem, em São Paulo

30/12/2018 12h00

Dificuldade em lembrar algo, tomar decisões ou se concentrar em tarefas. Esses são alguns dos sintomas do comprometimento cognitivo leve (CCL). O problema é caracterizado por uma suave perda de habilidades cognitivas que interferem na memória e raciocínio.

Agora, pesquisadores da Universidade de Duke (EUA) descobriram que seis meses de atividade física podem melhorar o desempenho cognitivo de quem tem CCL. O estudo foi publicado no periódico Neurology.

Os cientistas examinaram os efeitos do exercício disciplinado em 160 pessoas com mais de 55 anos em média --todos era sedentários no início da pesquisa. Além disso, tinham fatores de risco cardiovascular e relataram sintomas de CCL. 

Os voluntários seguiram a dieta das abordagens dietéticas para hipertensão. Esse tipo de cardápio consiste em alimentos com alto teor de fibras e baixo teor de sódio, como frutas, verduras, nozes, feijões, grãos e carne magra, além de laticínios com baixo teor de gordura.

Depois de seguirem esse padrão alimentar, os participantes foram divididos em três grupos:

  • Um grupo fez apenas exercício aeróbico;
  • O outro aderiu à dieta de abordagem dietética, sem qualquer exercício físico;
  • Um grupo se exercitou e também fez a dieta.

A equipe avaliou as habilidades de raciocínio e memória dos participantes no início do estudo e seis meses depois usando testes cognitivos. Eles também mediram a aptidão cardiorrespiratória dos voluntários usando testes de estresse em esteira.

O estudo revelou um aumento médio de 5 pontos nas habilidades de função executiva entre as pessoas que se exercitavam e faziam dieta, em comparação com aquelas que faziam apenas exercícios ou só faziam dieta.

A função executiva é a capacidade cognitiva que permite que uma pessoa planeje e organize ações direcionadas por objetivos, bem como enfoque e autorregule seu comportamento. Os pesquisadores não encontraram melhora significativa na memória.

"Os resultados são encorajadores em que, em apenas 6 meses, acrescentando exercícios regulares às suas vidas, as pessoas que têm deficiências cognitivas sem demência podem melhorar sua capacidade de planejar e completar certas tarefas cognitivas", disse James A. Blumenthal, um dos autores do estudo. 

O autor explica ainda que as pontuações da função executiva dos participantes eram, no início do estudo, equivalentes às de 93 anos, embora a idade cronológica fosse 28 anos mais jovem.

No entanto, após seis meses de exercício adicional, a pontuação média correspondeu àquelas de pessoas com 84 anos de idade, o que equivale a uma melhora de 9 anos na função executiva.

VivaBem no Verão

Data: do dia 27 de dezembro de 2018 ao dia 03 de fevereiro de 2019, de quinta a domingo 
Horário: das 16h às 00h
Endereço: Avenida da Riviera, ao lado do shopping, na praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado anteriormente, os exercícios não reverteram o comprometimento cognitivo leve mas ajudaram o paciente a terem melhoras no quadro.

Mais Saúde