Topo

Pergunte ao VivaBem

Os melhores especialistas tiram suas dúvidas de saúde


Pergunte ao VivaBem

A pele pode se acostumar com o desodorante, deixando-o ineficaz?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Ingrid

Do UOL VivaBem, em São Paulo

25/12/2018 04h00

"Depois de algum tempo, se eu usar o mesmo desodorante, ele pode parar de funcionar na minha pele?"

O uso contínuo do desodorante não faz o produto se tornar ineficaz contra o suor. O fato de ele parar de conter o cheiro ruim causado pelas bactérias ou a transpiração excessiva ocorre por outros fatores.

Mudanças na rotina como a prática de exercícios físicos mais intensos, estresse, alteração hormonal ou até o tipo de roupa que você usa podem desequilibrar a flora da região da axila ou aumentar a produção de suor, dando a sensação de que o desodorante comumente usado já não é mais eficaz --e pelo visto não é mais mesmo.

Se você notou que o produto não funciona mais para sua pele, é melhor investir em opções mais potentes e específicas, como as com ação antitranspirante, por exemplo, e visitar um especialista para realizar um tratamento mais eficaz. Muitas vezes, o uso de substâncias com função antisséptica, que diminuem a quantidade de bactérias responsáveis pelo mau cheiro, é indicado.

Só não insista em usar essas substâncias, como o antibiótico, sem a prescrição médica. O uso indiscriminado desses produtos pode desequilibrar ainda mais a flora da axila, diminuindo o número de bactérias úteis para a pele e que poderiam até diminuir o cheiro.

Fontes: Alessandra Romiti, médica dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia; Bruno Vargas, médico pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), membro titular e especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Quais são suas principais dúvidas sobre saúde do corpo e da mente? Mande um e-mail para pergunteaovivabem@uol.com.br. Toda semana, os melhores especialistas respondem aqui no UOL VivaBem.

Siga o UOL VivaBem nas redes sociais
Facebook - Instagram - Youtube

Pergunte ao VivaBem