PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Pacientes com câncer podem tomar vacina contra a covid-19? Tire dúvidas

As principais dúvidas envolvem as diferenças entre os tipos de vacina, o impacto na imunoterapia contra o câncer e o tempo entre as doses - iStock
As principais dúvidas envolvem as diferenças entre os tipos de vacina, o impacto na imunoterapia contra o câncer e o tempo entre as doses Imagem: iStock

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

20/01/2021 15h57

Até o momento, pacientes com câncer não foram incluídos pelo Ministério da Saúde no Plano Nacional de Vacinação nos grupos prioritários para receber a vacina contra a covid-19.

Aqueles que possuem a doença são considerados parte do grupo de risco por médicos, já que o tratamento oncológico geralmente afeta o sistema imunológico.

Com o propósito de contribuir com o esclarecimento da população, a FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama), que reúne 70 ONGs,respondeu às principais perguntas que suas especialistas têm recebido de pacientes sobre a vacinação.

"Reunimos nosso time de especialistas do Comitê Científico-Técnico da FEMAMA para auxiliar a comunidade do câncer a entender como agir em relação à vacina contra a Covid-19. Os pacientes não precisam ter medo", destaca Maira Caleffi, mastologista e presidente voluntária da FEMAMA.

Covid-19: pacientes com câncer podem tomar vacina?

Devo me vacinar?

Sim. Para proteger-se do vírus e impedir que as pessoas ao seu redor fiquem doentes, a recomendação é de vacinar-se.

Posso tomar a vacina antes da quimioterapia? E durante?

Como cada caso é único e particular, é essencial conversar com seu médico a respeito. No entanto, não há contraindicações para a vacina da covid-19 antes ou durante o tratamento de quimioterapia.

Caso esteja concluindo o protocolo e for aceitável em sua região, é indicado que pacientes aguardem três semanas após a última a quimioterapia.

Se eu estiver usando tamoxifeno, posso fazer a vacina?

Sim. Não há contraindicações para a vacina durante o uso do tamoxifeno ou outros inibidores de hormônios, medicamentos que inibem o crescimento do tumor em casos de câncer de mama.

É importante salientar que a conversa com seu médico antes é essencial, pois cada paciente possui necessidades diferentes e específicas.

A radioterapia me impede de tomar a vacina?

Não. O tratamento com radioterapia não impede a realização da vacinação contra a covid-19.

A vacina pode aumentar as complicações da imunoterapia contra o câncer?

Hoje, não há evidências de que a imunoterapia contra o câncer aumente as complicações de qualquer administração anterior de vacina viral.

Assim como em outras infecções virais, as vacinas de vírus vivo ou atenuado são contraindicadas para pacientes oncológicos. Vacinas recombinantes inativadas, subunidades proteicas e de ácido nucleico, como DNA ou RNA, podem ser administradas com segurança.

Devo esperar a segunda dose da vacina para fazer a quimioterapia?

Não. Os tratamentos de quimioterapia devem seguir o cronograma pensado para o paciente normalmente após a primeira dose da vacina contra a covid-19.

Se tomar a vacina, devo continuar usando a máscara facial?

Sim. A máscara continua sendo necessária mesmo depois da vacinação, para pacientes com ou sem câncer.

"Como, na vida real, fora do universo dos ensaios clínicos, a gente não sabe apontar quem são as pessoas que vão responder bem à vacina ou não, na prática continuam valendo as normas não só sobre o uso de máscara, mas sobre higienizar as mãos com frequência e manter o distanciamento mínimo de 1,5 metro de outras pessoas", explica a médica Karen Mirna Loro Morejón, infectologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP entrevistada por Lúcia Helena, colunista do UOL VivaBem.

Em média, as vacinas que estão chegando contra a covid-19 têm de 70% a 80% de eficácia, umas mais e outras menos. No caso da Coronavac, único imunizante atualmente disponível em solo brasileiro, a proteção é 100% garantida para casos graves e óbitos, mas quem tomou ainda pode pegar a covid-19 em forma leve e transmitir para outras pessoas.

A não ser que queiram se arriscar — e, pior, arriscar a vida dos outros, caso contraiam o vírus —, elas devem seguir a vida com aqueles cuidados de sempre para frear a propagação da covid-19.

"Só quando a cobertura vacinal for alta, com 80% ou mais da população vacinada, é que poderemos tirar a máscara", explicou Rosana Richtmann, médica do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, à jornalista Lúcia Helena. "Por isso que, se a gente quer mesmo arrancá-la, é tão fundamental que as pessoas não se recusem a vacinação. Quanto mais depressa elas forem vacinadas, mais rápido nos livraremos da máscara e de tudo."

Uma dose da vacina já me protege?

Não. Segundo Álvaro Costa, infectologista do HC-SP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), é essencial tomar as duas doses, como o intervalo previsto nos estudos, já que foi assim que os estudos científicos demonstraram que o imunizante fornece a proteção adequada.

"Pode até ser que uma só dose promova algum grau de proteção, mas não sabemos quanto, já que a eficácia divulgada foi referente a duas doses. Para controlar a pandemia, é muito importante que todos sigam as medidas preconizadas pelo protocolo do plano de vacinação, que tem como base os resultados dos testes", indica.

Conforme explica a colunista Lúcia Helena ao descrever o processo da construção de defesa imunológica detalhadamente, é a segunda dose, no final das contas, que garante três objetivos preciosos diante da ameaça que nos cerca: um volume maior de células defensoras, necessário para uma defesa realmente eficaz; uma resposta mais intensa contra um vírus que não está de brincadeira e uma especificidade maior também, isto é, a habilidade de não confundi-lo e, mais, acertá-lo em cheio.

Sou paciente oncológico. Alguma vacina é melhor que outra no meu caso?

Não. O importante é se vacinar com o imunizante que estiver disponível. Não há contraindicação para as vacinas disponíveis hoje, as quais são feitas por uso do vírus inativado, fragmentos do vírus, RNA mensageiro e/ou veículo adenovírus.

Fonte: FEMAMA (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama)

Saúde