PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Pode comer os chocolates que você ganhou na Páscoa sem culpa

iStock
Imagem: iStock
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do UOL

05/04/2021 04h00

Ontem (4) foi domingo de Páscoa e você provavelmente ganhou um montão de ovo. Mas, junto com esses chocolates que vão durar alguns dias —ou semanas— na nossa casa, para muitas pessoas vem a culpa por consumi-los. Aí, o momento que deveria ser de celebração e alegria acaba virando um momento complicado para algumas pessoas, que se veem numa situação desafiadora diante do chocolate, levando à culpa e também à perda de controle ao comer.

Essa perda de controle pode ter relação com a tentativa de restringir o alimento ou com a relação que você tem com o chocolate. Ao mesmo tempo que o chocolate é muito prazeroso para a maioria das pessoas, ele também vem carregado de muitas crenças e do terrorismo nutricional de que engorda e faz mal à saúde.

Se você é do time que tem dificuldade de se relacionar com o chocolate, a dica é lançar mão de uma técnica muito preciosa: sentir prazer ao comer!

A ideia é aprender a se relacionar com o prazer em comer, ou seja, voltar a sua atenção à satisfação no momento de comer o seu chocolate. Entenda que a satisfação é diferente da saciedade.

Saciedade é um mecanismo do corpo que nos ajuda a parar de comer, um dos primeiros sinais que o organismo dá para nos alertar de que já comemos o suficiente em uma refeição. Já a satisfação tem a ver com comer e se sentir feliz com isso, desde que não exista um sentimento de culpa rondando.

Para comer seus ovos de Páscoa com satisfação sem que ocorra o exagero é preciso que você não esteja pensando no possível "prejuízo" que o chocolate pode causar, pois isso diminui a atividade de uma região do cérebro relacionada ao prazer e ao sabor, o que aumenta o consumo alimentar sem que você perceba.

Para muitos a Páscoa significa comer chocolate até não poder mais. Frequentemente, após esse período é comum uma sensação de arrependimento e de necessidade de fazer uma nova dieta. Se pensarmos bem, isso é incoerente!

Se o chocolate for consumido com felicidade, sem culpa, de forma consciente e até atingir a satisfação, então provavelmente não haverá o arrependimento nem a ideia de que após a Páscoa é preciso fazer uma dieta extremamente restritiva, já que você não fez nada de errado quando comeu seus ovos e agora basta voltar a ter uma alimentação saudável.

Portanto, ao comer seu chocolate, tente estar presente nesse momento, não coma de forma distraída e não vá para nenhum lugar da sua mente em que o chocolate seja tratado como vilão ou alimento proibido. Apenas se concentre em sentir o prazer no momento da sua refeição. Repare que a intenção não é simplesmente comer menos, mas o suficiente!

O prazer em comer é uma forma de comer o suficiente, desde que você coma com atenção. Entenda que essa experiência sensorial em que você sente a magia do chocolate só ocorre naquele momento de atenção plena em que você não pensa em distrações, apenas em apreciar sua refeição.

Não se engane com versões "fit"

Lembre-se de que você não tem obrigação de trocar o chocolate tradicional por uma versão fit sem açúcar e lactose ou por uma receita com biomassa de banana verdade ou de sorvete de abacate com cacau que imitam chocolate —nada contra a biomassa ou o abacate, eles são ótimos, mas quem tem vontade de comer chocolate deve matar essa vontade comento chocolate, olha que mágico!

Só porque o chocolate vem sem açúcar e/ou sem lactose —e às vezes até turbinado de proteína— não significa que ele seja melhor que o chocolate tradicional ou que possa ser consumido em quantidades exageradas. Pensar dessa forma não melhora a sua relação com a comida.

Repare que um chocolate é apenas um alimento que pode existir em sua vida e que pode ser consumido com moderação, de forma consciente.

Para os cristãos, a Páscoa é um momento de reflexão, renascimento e conexão. Seja você cristão ou não, tente enxergar esta época regada a trocas de chocolates como uma forma de estar perto de pessoas que você ama (mesmo que online, por conta da pandemia) e comer o que gosta. Não encare a Páscoa como um fardo que o atormenta anualmente.

Páscoa não significa descontrole ao comer e não é razão para deixar de lado o cuidado com a alimentação por acreditar que para isso é necessário muito esforço. Não precisa de extremismo quando se trata de alimentação balanceada. Existe o caminho do meio e, nesse caminho, o chocolate pode ser permitido numa boa, basta aprender a lidar com ele sem medo e sem culpa.

Não se esqueça de aproveitar seu chocolate, prestar atenção nesse momento, buscar o prazer e assim estar em paz com a comida.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL