PUBLICIDADE

Topo

Larissa Cassiano

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

DIU: pode falhar? Quanto custa? Dói para colocar? Quem não pode usar?

DIU hormonal e DIU de cobre: tire dúvidas sobre os modelos - iStock
DIU hormonal e DIU de cobre: tire dúvidas sobre os modelos Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Larissa Cassiano

Larissa Cassiano é médica ginecologista e obstetra, especializada em gestação de alto risco pela USP (Universidade de São Paulo). Fez residência médica na Maternidade de Vila Nova Cachoeirinha (SP), uma das maiores do Brasil, referência em parto humanizado no SUS e em gestação de alto risco.

Colunista do UOL

06/07/2021 04h00

O estilo de vida das mulheres tem mudado e a contracepção tem seguido essas mudanças. Opções com doses menores de hormônios ou sem formulações, mais práticas e com menor possibilidade de esquecimento têm ganhado mais espaço.

Neste sentido o DIU (dispositivo intrauterino) ganha ainda mais espaço e adeptas. Já falei sobre o DIU aqui e hoje para completar estou retornando para responder as dúvidas mais frequentes.

Quanto custa o DIU?

Uma das primeiras perguntas que as pessoas analisam na hora de decidir sobre este método é quanto custa o DIU e qual valor da inserção. Existem muitas opções e os valores são diversos.

O valor do DIU de cobre varia de R$ 100 a 300, já o modelo de prata costuma variar de R$ 250 a 450. Entre os modelos hormonais, o valor do Mirena e do Kyleena são parecidos e costuma variar de R$ 800 a 1.500.

O valor que os profissionais cobram para inserir varia dependendo do local de atendimento, material utilizado e DIU, podendo variar de R$ 500 a 2.500.

Como o DIU funciona?

O DIU hormonal age no útero liberando diariamente uma pequena quantidade de hormônio, as doses são baixas e o foco principal é a ação no útero, alterando a camada interna e a secreção do colo do útero.

DIU não hormonal age provocando mudanças na camada interna do útero. O cobre presente é responsável pelo aumento da produção de algumas substâncias que impedem a ascensão dos espermatozoides, desde a vagina até as tubas uterinas, provoca também uma alteração no muco presente no colo do útero, tornando-o mais espesso.

O DIU pode falhar?

A taxa de falha é pequena: para quem utiliza o Kyleena, ela é de 2 em 1.000, para o Mirena é de 1 em 1.000, e DIU de cobre, de 5 a 10 a cada 1.000 em um ano, entre as mulheres que utilizam o método corretamente.

Quando não utilizar o DIU?

Na suspeita ou confirmação de gravidez, sangramento uterino anormal sem causa, pólipo endometrial, mioma que altere a região interna do útero, malformação uterina, infecção pélvica, câncer de colo do útero e alergia a algum componente do DIU.

É importante sempre conversar com o ginecologista sobre outras situações em que ele pode ser contraindicado.

Quem nunca engravidou pode utilizar o DIU?

Sim, mulheres que nunca engravidaram, podem utilizar tanto o DIU hormonal quanto o não hormonal, pois dados na literatura não observaram diferença significativa de expulsão do DIU por idade e história de partos.

Quem tem mioma pode utilizar o DIU?

Depende da localização, os miomas submucosos que alteram a camada interna do útero são uma contraindicação para o DIU pela dificuldade na inserção e risco de expulsão. Já os miomas que não afetam a camada interna do útero não possuem contraindicação ao DIU.

O que fazer se o fio do DIU não for encontrado?

Quando o fio do DIU não for identificado ao toque ou ao exame ginecológico algumas perguntas devem ser realizadas:

- O DIU está posicionado corretamente?

- Existe a possibilidade de ter sido expelido?

- Existe a possibilidade ter perfurado o útero e estar fora dele?

- Existe a possibilidade de gravidez?

O DIU pode ser expelido?

A possibilidade de expulsão do DIU é pequena, sendo mais comum no primeiro ano de uso e ocorrendo em até 2 a 10% das usuárias. O risco de isso acontecer aumenta em algumas situações:

- Quem tem história de expulsão prévia de outro DIU, neste caso a probabilidade de nova expulsão é de 30%

- Quem observou um aumento intenso nas cólicas ou sangramento menstrual

Dói para colocar o DIU?

Depende da sensibilidade de cada um e da habilidade do profissional. A inserção do DIU é um procedimento simples e muitas pessoas sentem apenas um desconforto leve, algumas atitudes podem ajudar a reduzir o desconforto:

  • Analgésico antes da inserção;
  • Anestesia local;
  • Analgésico após o procedimento.

Quando o DIU pode ser inserido?

Em qualquer momento do ciclo, alguns profissionais preferem inserir durante a menstruação para garantir que a pessoa não está grávida, porém, realizar um teste de gravidez pode auxiliar neste caso.

O parceiro pode sentir o DIU?

Apenas se o fio do DIU estiver em um tamanho inadequado ou ele estiver mal posicionado.

DIU pode ser inserido pelo convênio ou no SUS?

Sim, Mirena, Kyleena e DIU de cobre são cobertos pelos planos de saúde. No SUS, o Mirena e DIU de cobre estão disponíveis.

Gostou deste texto? Dúvidas, comentários, críticas e sugestões podem ser enviadas para: dralarissacassiano@uol.com.br.

Referências:

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual Técnica para Profissionais de Saúde - DIU com Cobre T Cu 380 A. Brasília - DF 2018;

Mirena: guia prático: contracepção e sangramento uterino anormal- 1. ed.—Santo André, SP: Luiz Martins Editorial, 2017;

Machado, Rogério Bonassi. Uso de dispositivos intrauterinos (DIU) em nulíparas - - São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), 2017. (Série Orientações e Recomendações FEBRASGO, no. 1/Comissão Nacional Especializada em Anticoncepção).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL