PUBLICIDADE

Topo

Ageless

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Etarismo no trabalho afeta até a saúde mental dos profissionais maduros

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Silvia Ruiz

Silvia Ruiz é jornalista e trabalha com comunicação digital e PR. Durante mais de 15 anos atuou na cobertura de saúde, bem-estar e estilo de vida. É apaixonada por alimentação natural, meditação e práticas holísticas. Mãe do Tom, do Gabriel e da Myra, tem bem mais de 40 anos e está tentando aprender a viver bem na própria pele em qualquer idade.

Colunista do UOL

06/08/2021 04h00

"Você está velha demais para trabalhar com recreação infantil"; "A headhunter falou, sem papas na língua: você está velha demais para a vaga"; "Me chamam de 'mãe' do departamento, de forma depreciativa"; "Escutei: você é nova na empresa, mas velha na idade"; "'Tem certeza de que você sabe usar esse aplicativo sem ajuda?' Pergunta de colega mais jovem, sendo que sou engenheira de computação"; "Não tenho coragem de deixar meus cabelos grisalhos, temo que me achem velha para trabalhar com meu meio, que é o de internet".

Essas foram apenas algumas das mensagens que recebi no Instagram (me siga lá também @silviaruizmanga) quando perguntei aos seguidores se já viveram situações etaristas no trabalho. Etarismo (ou ageismo) que é toda forma de estereótipo, preconceito e discriminação baseado em idade. Ele afeta nossa vida de várias maneiras, mas é especialmente cruel no ambiente de trabalho.

Estudos e especialistas da área revelam que esse preconceito afeta não apenas a situação financeira, mas, também, a saúde mental dos profissionais. "Vejo muita gente ficando deprimida, se sentindo mal porque o mercado a rejeita, porque não consegue recolocação depois de perder um emprego", diz Morris Litvak, CEO e Fundador da Maturi, empresa que atua na geração de oportunidades de trabalho e empreendedorismo para pessoas com mais de 50 anos.

Uma pesquisa recente realizada pela Maturi em parceria com a Noz Pesquisa e Inteligência aponta que mais da metade dos entrevistados perdeu o emprego durante a pandemia. Para 67% deles, a questão principal foi que o preconceito de idade, que provoca barreiras no mercado de trabalho, e que piorou durante o último ano.

"Nós começamos a trabalhar com o estímulo ao empreendedorismo porque realmente faltam vagas para essas pessoas. A gente mostra que trabalho não é igual a emprego, que elas podem trabalhar por conta própria, desenvolver esse lado. E ao mesmo tempo atuamos mostrando para as empresas que a diversidade etária dentro as torna muito mais inovadoras", diz Morris.

Exemplos de como o etarismo se manifesta no trabalho:

    • Políticas de recrutamento que colocam limites de idade na elegibilidade de trabalho de uma pessoa (como restringir para aqueles que têm menos de 20 anos de experiência)
    • Ser rejeitado em uma promoção e a posição ser dada a alguém mais jovem fora da empresa, porque seu empregador deseja que a empresa tenha uma imagem mais jovem
    • Demitindo principalmente trabalhadores mais velhos durante as demissões da empresa
    • Ser chamado de velho antes de ser despedido
    • Demitir funcionários mais velhos e mais experientes em favor de manter os trabalhadores mais jovens, que recebem menos
    • Dar aos trabalhadores mais jovens oportunidades ou condições de trabalho mais favoráveis, como oferecer-lhes projetos ou equipamentos melhores do que os trabalhadores mais velhos
    • Assédio, como ser xingado ou outras formas de hostilidade, como colegas e superiores fazerem piadas com base na sua idade
    • Não ser contratado porque o empregador estava procurando alguém que parecesse mais jovem

Segundo Morris, o principal elemento que intensificou o etarismo nos últimos anos é a transformação digital. "As empresas acham que os mais velhos não vão ter capacidade de aprender a usar novas tecnologias. Nós mostramos que isso não tem nada a ver com a idade, mas, sim, com a atitude."

Morris se inspirou na avó, Keila, para criar a Maturi. "Ela trabalhou até os 82 anos, andava de metrô e ônibus todos os dias. Quando parou, rapidamente sua saúde mental se deteriorou ao ficar em casa sem fazer nada. Isso me fez perceber o quanto o trabalho tinha um papel que vai muito além do financeiro", diz ele.

Que a dona Keila seja exemplo para nós, e para que empregadores acordem para seu papel econômico, mas também social, em relação ao etarismo. E que se aposentar um dia possa ser uma escolha, não uma ação compulsória determinada pelo preconceito.