Topo

Dieta líquida

Dieta líquida foca em sucos, shakes e sopas por até 7 dias - iStock/Arte UOL
Dieta líquida foca em sucos, shakes e sopas por até 7 dias Imagem: iStock/Arte UOL

Trocar alimentos sólidos por líquidos: a ideia parece maluca, mas muitas pessoas decidem adotá-la para emagrecer. Seja trocando refeições por shakes, sucos de frutas e verduras ou sopas, a dieta líquida é real e bastante adotada pelas mulheres.

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
No entanto, as desvantagens são muitas: "além de não apresentar respaldo científico, seguir uma dieta restrita como essa pode ocasionar hipoglicemia e perda de massa muscular", aponta Andrea Pereira, médica nutróloga nos Ambulatórios de Obesidade, Síndrome Metabólica e Cirurgia Bariátrica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Não é à toa que essa dieta ficou em último lugar entre as 16 avaliadas pelo Ranking de Dietas do UOL VivaBem. Saiba mais sobre ela:

iStock
Imagem: iStock

Como a dieta funciona

Programas alimentares compostos por alimentos líquidos são chamados de dieta líquida. As mais conhecidas são as baseadas em shakes e sopas que atuam como substitutos das refeições.

Existe também uma variação à base de sucos de frutas e vegetais. Nesses casos, a indicação é consumir de 4 a 8 doses de suco (que podem ser industrializados ou não) pelo prazo de 3 até 7 dias. Além de emagrecer, a promessa é também fazer uma espécie de desintoxicação no fígado, melhorar a pele e o humor. Alguns alimentos sólidos são admissíveis.

Há ainda versões que indicam a substituição de até 4 refeições diárias, perfazendo um consumo mínimo de 800 kcal por dia, ditos suficientes para você perder de 3 kg a 5 kg em uma única semana.

Para fins médicos, a dieta líquida pode ser utilizada como uma forma de favorecer a eliminação de líquidos no corpo e em casos cirúrgicos --como nos primeiros momentos após uma cirurgia bariátrica.

A teoria por trás desse regime é que ele se fundamenta na restrição de ingestão energética, ou seja, você "come" menos do que deveria para atender às suas necessidades diárias.

O que a ciência diz sobre ela

A dieta líquida é considerada muito restritiva e, até o momento, não existem evidências científicas de seus benefícios para o controle do peso ou mesmo para a eliminação de toxinas.

Este é o resultado de um estudo feito por pesquisadores da Faculdade de Medicina e Ciências da Saúde da Universidade Macquarie e do Instituto de Saúde Cardíaca, ambos de Sydney (Austrália). O trabalho revisou a literatura médica sobre o assunto e foi publicado na revista Journal of Human Nutrition and Dietetics.

Uma das explicações para esses resultados é que as pessoas têm necessidade de variar a dieta, experimentando diferentes texturas de alimentos que levam à saciedade. Como o plano à base de líquidos é muito monótono, observam-se altos índices de desistência. Além disso, a prática pode levar à deficiência de proteína, vitaminas e minerais importantes para o funcionamento normal do seu organismo, especialmente quando realizada em longo prazo.

Confira os possíveis efeitos colaterais:

  • Cólica
  • Flatulência
  • Náusea
  • Diarreia
  • Desidratação
  • Aumento ou queda de pressão
  • Hipoglicemia (baixa taxa de açúcar no sangue)

Quem deve evitá-la

Embora possa parecer inofensivo adotar uma dieta líquida por poucos dias, pessoas nas seguintes condições devem evitá-la:

  • Grávidas e lactantes
  • Crianças
  • Idosos
  • Pessoas com diabetes ou problemas renais
iStock
Imagem: iStock

Faz perder peso?

A maioria das pessoas consegue a perda rápida de peso, mas esse resultado tem prazo de validade. E o pior, pode levar ao efeito sanfona.

Há mais de 5 anos, um post publicado no blog da Escola de Medicina de Harvard já advertia que os quilos a menos, nesses casos, eram mera consequência da perda de líquidos. Além disso, enfatizava que a ingestão de menos do que 1.200 kcal ao dia, na verdade, afeta o metabolismo de tal maneira que a resposta do corpo é a imediata recuperação de peso, tão logo se retorne à dieta normal, com o possível ganho de quilos a mais durante esse processo.

Os especialistas consultados são unânimes quanto ao fato de que é preciso ter em mente que não existe solução milagrosa nem fórmula mágica. Perder peso requer paciência, persistência e dedicação, sem falar da necessidade do aprendizado de dar mais atenção ao que se ingere diariamente.

Um plano alimentar que não promova uma mudança de hábitos, nem incentive a prática de atividade física não pode ser considerado como um projeto saudável de perda ou manutenção do peso.

Todo esquema sério de emagrecimento considera as suas necessidades individuais, o seu estilo de vida, bem como suas preferências à mesa. A dieta líquida, por ser tão restritiva, pode gerar deficiências que prejudicariam o resultado que você espera, especialmente ao longo do tempo.

Além disso, quando esse regime alimentar é colocado em prática com a ajuda de shakes ou sopas industrializadas, há ainda o risco do aumento das taxas de colesterol, porque tais produtos podem ter em sua composição gordura vegetal hidrogenada, um ingrediente que ajuda a dar-lhes consistência. Some-se a isso a adição de corantes, adoçantes e conservantes, muitas vezes artificiais.

Segundo os médicos e nutricionistas, de nada adianta fazer temporariamente uma dieta que faz perder peso, o que eles consideram até fácil por todos os motivos já mencionados. Mas advertem que o grande desafio de quem quer emagrecer é manter o peso perdido. E a única alternativa válida, para esse fim, é investir na mudança de hábitos. Quando ela se incorpora ao seu dia a dia, você pode confiar que a chance de sucesso definitivo é muito grande.

Veja o que considerar antes de começar a fazer uma dieta:

  • Procure um médico ou nutricionista. Só um profissional pode avaliar seu perfil físico e mental, solicitar exames e verificar se, no seu caso, será necessário o uso concomitante de medicamentos ou outros tratamentos;
  • Desconfie de dietas que prometem a perda de mais de 1 kg por semana, comer tudo o que você gosta ou emagrecimento de área específica do seu corpo;
  • Observe se o regime possui uma estratégia para a manutenção do peso em longo prazo;
  • Fuja de planos muito restritivos ou que não se encaixem no seu estilo de vida;
  • Evite esquemas que cortam a maioria dos nutrientes que você precisa diariamente, e ainda proíbam o consumo de alimentos que você aprecie;
  • Verifique se há o encorajamento para a prática de atividade física;
  • Considere se é mesmo necessário investir na compra de produtos que prometam facilitar o seu emagrecimento.

Reportagem: Cristina Almeida

Fontes: Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN); Ivone Ikeda Morimoto, nutricionista e professora de Nutrição Clínica dos cursos de graduação e pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), mestre em Engenharia de Produção e especialista em Metodologia da Ciência); Nayara Massunaga, nutricionista funcional do Departamento Científico da VP Nutrição Funcional (SP); Márcio Mancini, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

Estudo: Klein A.V. & Kiat H. (2014). Detox diets for toxin elimination and weight management: a critical review of the evidence. J Hum Nutr Diet. doi: 10.1111/jhn.12286.

Ranking das Dietas