PUBLICIDADE

Topo

Ranking das Dietas


Ranking das Dietas

Dieta da USP

iStock / Arte UOL
Imagem: iStock / Arte UOL

A Dieta da USP circula há alguns anos na internet, com um cardápio bem definido e promessas de emagrecimento que variam de 4,5 a 14 quilos em 14 dias. Apesar de famoso, o plano não é indicado pelos especialistas e pode até ser perigoso para a saúde.

Ranking das Dietas 2020 Notas Dieta USP - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
"A dieta nunca foi oficialmente recomendada por nenhum serviço da Universidade de São Paulo", explica Guilherme Giorelli, nutrólogo e júri do Ranking das Dietas do VivaBem e diretor do SMEERJ (Sociedade de Medicina Esportiva e do Exercicio do Rio de Janeiro). Ele explica que essa dieta é de baixa caloria (cerca de mil por dia) e por isso acaba ajudando sim na perda de peso em curto prazo. "Não sabemos seu impacto na massa magra nem nos processos de adaptação metabólica do organismo", completa.

"Basicamente, é uma dieta muito restritiva, difícil de manter e sem embasamento científico, que não é prescrita por nenhum médico ou nutricionista", adianta a endocrinologista Roberta Frota, do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

O que é a dieta da USP

Dieta da USP 1 - iStock - iStock
Imagem: iStock
Como já dito, não existe nenhuma comprovação de que esta dieta tenha sido criada por um profissional da Universidade de São Paulo (USP). "Isso é um problema, pois vincula um plano sem fundamento a uma instituição séria, o que pode enganar as pessoas", lamenta Silvia Pereira, nutricionista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica.

O plano propõe o emagrecimento por meio de um cardápio de uma semana com pouquíssimas calorias, que pode ser repetido por mais uma semana, totalizando no máximo 14 dias. O cardápio privilegia as proteínas e gorduras, e praticamente elimina carboidratos.
Alguns itens suspeitos, como o presunto, entram no cardápio, e outros saudáveis, como os carboidratos integrais, são praticamente banidos. "Nenhum alimento pode ser substituído, e eles devem ser consumidos na ordem proposta. Ou seja, é uma dieta muito engessada", aponta Tassiane Alvarenga.

Essa dieta é segura?

Há alguns riscos nela. O aporte energético é o que mais preocupa. No primeiro dia, por exemplo, o cardápio não chega a 300 calorias. "Para se ter ideia, nas dietas de calorias muito baixas, um protocolo com comprovação científica, feito só com supervisão e quando outras abordagens já falharam, são feitos cardápios diários com entre 400 a 800 calorias por conta dos riscos", destaca Pereira.

O organismo se ressente do corte. Como efeito imediato, fraqueza, dores de cabeça, queda de cabelo e alterações de humor. A longo prazo, os efeitos são desconhecidos, mas provavelmente semelhantes aos de outras dietas restritivas feitas sem orientação médica e sem considerar as individualidades de cada adepto.

"Esse tipo de dieta pode ter inúmeras consequências para a saúde, de perda de massa muscular à fadiga e formação de cálculos biliares. Para pessoas que têm insuficiência renal, cardíaca ou já fizeram a cirurgia metabólica, ela é ainda mais perigosa", comenta Pereira.

O corte radical de alguns alimentos pode levar ainda à deficiência de nutrientes. Outra preocupação é agravar ou desencadear quadros de compulsão alimentar.

Fora o fato de estimular a ingestão de presunto, pertencente à malfadada categoria dos embutidos, cujo consumo deve ficar para ocasiões especiais por conta dos seus altos teores de sódio, gordura saturada e nitratos. Qualquer dieta saudável prega o consumo de alimento in natura, e não de processados como ele.

Cardápio da dieta da USP

Veja o cardápio proposto na internet:

Primeiro dia

  • Manhã: Café preto sem açúcar, com adoçante
  • Tarde: Dois ovos cozidos e ervas a desejar
  • Jantar: Salada de alface com pepino e salsão à vontade

Segundo dia

  • Manhã: Café com biscoito tipo cream-crackers
  • Tarde: Um bife grande com salada de frutas à gosto
  • Jantar: Presunto à vontade

Terceiro dia

  • Manhã: Café com biscoito tipo cream-crackers
  • Tarde: Dois ovos cozidos, salada de vagem e duas torradas
  • Jantar: Presunto e salada

Quarto dia

  • Manhã: Café com biscoito
  • Tarde: Um ovo cozido, uma cenoura e queijo minas à vontade
  • Jantar: Salada de frutas e iogurte natural

Quinto dia

  • Manhã: Cenoura crua espremida com limão e café preto
  • Tarde: Frango grelhado à vontade
  • Jantar: Dois ovos cozidos com cenoura

Sexto dia

  • Manhã: Café com biscoito
  • Tarde: Filé de peixe com tomate à vontade
  • Jantar: Dois ovos cozidos com cenoura

Sétimo dia

  • Manhã: Café com limão
  • Tarde: Bife grelhado e frutas à vontade
  • Jantar: Comer o que quiser, menos doce e bebidas alcoólicas

A dieta realmente emagrece?

Dieta da USP 2 - iStock - iStock
Imagem: iStock
De fato, seguir um plano do tipo pode mesmo fazer os ponteiros da balança caírem rápido. Mas há dois problemas nisso. O primeiro é que ele não significa que o corpo perdeu gordura. Na fase inicial de um regime do tipo, há uma perda intensa de água, que causa a falsa sensação de emagrecimento.

Esta água é perdida pois fica armazenada junto com o glicogênio nos músculos. O glicogênio é um produto da glicose, que serve como fonte de energia alternativa mais acessível do que a gordura quando os carboidratos estão escassos. Por isso, ele acaba sendo utilizado antes da gordura, daí o risco de perda de massa muscular. Essa redução prejudica inclusive o emagrecimento, já que reduz o metabolismo.

O segundo ponto é que um plano do tipo não pode ser mantido por um longo período, tanto pelo desconforto quanto pelos riscos à saúde. Então a tendência é que o peso volte com tudo quando a restrição acaba.

Vale ou não fazer?

Com tudo que colocamos aqui, você já deve imaginar que não. Para os especialistas, o ideal é fazer um plano que considere as suas preferências alimentares, objetivos e estado de saúde. "Procure sempre endocrinologistas e nutricionistas para uma reeducação alimentar. Uma equipe bem estruturada ajuda a encontrar a melhor dieta para você", finaliza Tassiane.

Fontes: Silvia Pereira, nutricionista coordenadora do Departamento de Saúde Alimentar da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), doutora em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Tassiane Alvarenga, endocrinologista e metabologista pelo HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo); e Roberta Frota, mestre em Ciências pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e endocrinologista do Hospital 9 de Julho.

Reportagem: Chloé Pinheiro