PUBLICIDADE

Topo

Universa

Pai avisa em cartaz em carro que dirigia devagar devido à cesárea da esposa

Cartaz colocado na traseira do carro por Elder de Freitas Ribeiro pedia paciência aos motoristas - Reprodução/Redes Sociais
Cartaz colocado na traseira do carro por Elder de Freitas Ribeiro pedia paciência aos motoristas Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Colaboração para o UOL

18/05/2022 04h00

Preocupado com o estado de saúde da esposa após o parto, um homem de Anápolis, interior de Goiás, sabia que teria que dirigir bem devagar ao transportá-la do hospital à casa da família, evitando solavancos repentinos. Para evitar transtornos, porém, resolveu colar um cartaz na traseira do carro pedindo aos motoristas que tivessem paciência no trânsito, explicando que a mulher tinha acabado de passar por uma cesárea.

"Minha esposa fez cesárea. Por favor, tenha paciência", dizia o cartaz, confeccionado pelo assistente de logística Elder de Freitas Ribeiro, 29, com uma cartolina branca e escrito à mão, em letras de forma. O aviso chamou a atenção dos motoristas da cidade, que, ao passarem pelo carro do casal, buzinavam e acenavam para eles.

O casal Elder Ribeiro e Letícia Mikaelly, com a filha, Leonora - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
O casal Elder Ribeiro e Letícia Mikaelly, com a filha, Leonora
Imagem: Arquivo Pessoal

"No primeiro parto, nosso filho ficou na UTI e a gente tinha que ir e vir do hospital várias vezes durante o dia e à noite também. Como eu tinha que dirigir devagar, a gente recebia muitas críticas de motoristas no trânsito", contou Ribeiro a Universa.

Nessa gravidez, eu decidi fazer o cartaz. Porque, a cada baque (freadas bruscas, solavancos ao passar por buracos), é uma dor no corte da cesárea e a minha mulher iria sofrer muito.

Esposa de Ribeiro, a professora Letícia Mikaelly, 32, que deu à luz a filha Leonora, na última quarta-feira (11), acredita que a ideia do marido foi muito boa e que o gesto dele, compartilhado por milhares nas redes sociais, fez com que as pessoas refletissem mais sobre situações delicadas como a vivida pelo casal.

"Na primeira gravidez, eu sofri muito, porque Anápolis tem muitos buracos e as pessoas não tinham paciência, xingavam a gente. Dessa vez, com o cartaz, as pessoas passavam, buzinavam, ultrapassavam a gente com segurança. Conseguimos voltar para casa bem devagar e eu sofri menos. A ideia dele gerou uma repercussão muito grande e fez as pessoas pensarem em situações como a nossa", conclui.

Universa