PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

SP: Guardas serão treinados sobre violência de gênero: "De homem pra homem"

"É necessário colocar mais serviço para os homens, para que a gente enxugue menos gelo", explica Barbosa  - Reprodução/Instagram @prof.sergio.barbosa
"É necessário colocar mais serviço para os homens, para que a gente enxugue menos gelo", explica Barbosa Imagem: Reprodução/Instagram @prof.sergio.barbosa

Luiza Souto

De Universa

09/01/2021 04h00Atualizada em 09/01/2021 12h31

Há 25 anos, o professor e pesquisador Sérgio Flávio Barbosa atua no combate à violência de gênero. Ele foi um dos responsáveis pela campanha no Brasil chamada "He For She" (ele por ela), lançada em 2014 pela ONU com o intuito de incentivar homens a participar mais da luta contra a desigualdade de gênero. "A gente fica escondendo ou perfumando determinada coisa, achando que o cara que troca a fralda é o melhor. Mas quando ele abrir mão dos seus privilégios e confrontar o amigo de sinuca, de futebol e no trabalho, aí sim está se desconstruindo", diz ele.

Barbosa também coordena, com a promotora de Justiça Gabriela Manssur, o projeto Tempo de Despertar, para ressocialização de homens enquadrados na Lei Maria da Penha. Durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus, criou ainda o canal Justiceiros, com salas para conversas virtuais para homens.

Neste mês, ele foi contratado pela Prefeitura de São Paulo para capacitar agentes da GCM (Guarda Civil Metropolitana) na prevenção à violência contra a mulher. A corporação conta com cerca de 6.000 agentes.

A ideia, segundo Barbosa, é dar palestras por três meses para os profissionais, presencialmente ou pela internet —o planejamento está sendo definido conforme recomendações de segurança por conta da pandemia provocada pela Covid-19. O encerramento do período de capacitação está previsto para 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Leia a seguir principais trechos da entrevista de Barbosa para Universa.

UNIVERSA - Por que treinar a GCM sobre violência de gênero?

SÉRGIO FLÁVIO BARBOSA - Porque os funcionários públicos estão mais próximos das pessoas e comunidades, e também por uma questão interna da própria GCM, de melhorar as relações dentro da corporação, formada 80% por homens. A ideia é que eles olhem para si também, e desconstruam a violência na abordagem com a população, incluindo a LGBTQ+ e a questão do racismo, da xenofobia. Porque não dá para separar o machismo de outros preconceitos. É um pacote.

Fui a um debate certa vez para falar sobre raça e gênero, e quando citei o machismo e a homofobia, um militante negro disse que não era para abordar a questão das mulheres ali, que não tinha a ver com ele. Respondi que duas bandeiras podem viver num mesmo pavilhão. Então a proposta é combater aquilo que pode causar mal a outra pessoa.

A GCM também tem o poder de reprimir o agressor?

A GCM está autorizada a fazer intervenção. Inclusive a população, algumas vezes, se sente mais segura com a GCM por causa do histórico de truculência da PM. Teve um caso em que eu tive que solicitar a GCM, e em cinco minutos ela estava lá. Então, esse guarda que será capacitado não vai banalizar nem diminuir a violência - falar, por exemplo, que foi só um tapa ou colocar a culpa na bebida [para aquele flagrante de agressão].

Ele vai se aliar, sem tirar o protagonismo das mulheres, às ações educativas, principalmente entre seus pares, porque o efeito é mais eficaz quando se fala de homem para homem.

Quanto mais a gente fala sobre o tema, mais aparecem casos de violência contra a mulher. O que está faltando como medida eficaz para o combate a esse crime?

É necessário colocar mais serviço para os homens, para que a gente enxugue menos gelo. E aumentar o número de agentes [de segurança]. A Lei Maria da Penha tem que ir para as escolas, faculdades, o mundo corporativo. Senão fica nessa coisa de medida protetiva, e o crime vem aumentando. A tornozeleira eletrônica, por exemplo, é para casos específicos, em que o homem será monitorado para que a mulher não corra risco, mas é um aparelho que dá problema, acaba a bateria, é caro. Se o homem está no que chamo de agonia do machismo, ela não vai adiantar. É dinheiro jogado fora.

Como se trabalha com o agressor?

Fui aluno do Paulo Freire e entendo que o processo de diálogo com homens quebra essa cadeia de violência. Claro que se ele cometeu o crime, vai ser punido, mas a forma de ressocializar não é isolar. Temos que ter uma parceria muito grande com as delegacias em geral, principalmente as DDMs [delegacias da mulher], para que elas encaminhem diretamente os homens para grupos reflexivos, aproveitando a lei de abril de 2020, em que a delegacia e o juiz devem encaminhar agressores ao centro de reabilitação como cumprimento da medida protetiva. Neles, os homens são acompanhados por assistentes sociais, psicólogos, professores, advogados e até sociedade civil. Já estou capacitando grupos para isso.

Como começou a trabalhar com a população masculina sobre o tema?

Eu trabalhava num projeto voltado para prevenção de Aids, e havia um grande preconceito contra o público LGBTQ+. Eu tentava trabalhar com pessoas que produziam esse preconceito. E em 1994, tinha um projeto na PUC/SP de cidadania e sexo, eu estava fazendo mestrado lá. Na época, falei para a coordenadora que a questão primordial não eram as prostitutas e travestis, mas os clientes, e ela me mandou pesquisá-los. Fui aos prostíbulos e falei: 'é isso que a gente tem que trabalhar: os caras que exploram as mulheres, que não querem usar preservativo'.

Lógico que tem que trabalhar com as mulheres, mas com os agressores também. Muita gente me deu uma chacoalhada, mas mulheres como a Heleieth Saffioti [socióloga e estudiosa da violência de gênero] e a Eva Blay [socióloga e uma das pioneiras em estudar o direito das mulheres no Brasil] me incentivaram. Arrumei uma bolsa de estudos e fui estudar o tema no Canadá, Espanha e México.

A primeira coisa que eu descobri é que se a gente não se livra do machismo diário, a gente não está contribuindo em nada. A gente fica escondendo ou perfumando determinada coisa, achando que o cara que troca a fralda é o melhor. Mas quando ele abrir mão dos seus privilégios e confrontar o amigo de sinuca, de futebol e no trabalho, aí sim está se desconstruindo

E não há idade de se desconstruir. Tenho 53 anos e se eu descuidar, escorrego e caio sentado no machismo estrutural.

Você encontra resistência de mulheres quando participa de rodas de conversas?

Já enfrentei. Fui num congresso sobre gênero e violência na UERJ, onde tinha mais de 100 mulheres, e as pessoas acharam estranho estar ali. Na USP, fui falar de homens e violência e uma estudante se retirou porque eu estava na mesa. Mas ao mesmo tempo fui o primeiro homem a trabalhar num coletivo feminista, em Perdizes (zona oeste de SP). A convivência, mesmo conflituosa, faz evoluir.

Direitos da mulher