PUBLICIDADE

Topo

Beleza

Quem tem medo de batom vermelho? Vanessa Rozan ensina a usar e não borrar

Vanessa Rozan batom vermelho - Reprodução/Instagram @vanessarozan
Vanessa Rozan batom vermelho Imagem: Reprodução/Instagram @vanessarozan

Aline Fava

Colaboração para Universa

01/12/2020 04h00

"Não sei se posso." Esta é a frase que Vanessa Rozan, maquiadora com 1,2 milhão de seguidores no Instagram, já ouviu de várias mulheres quando o assunto é batom vermelho.

"A questão do batom vermelho é a seguinte: por muitos anos, ele ocupou o espaço de vulgaridade. Tinha uma coisa sexual atrelada ao batom vermelho, uma construção cultural. Ficou com esse estigma. Muita gente tem medo de usar porque é uma cor chamativa", diz Vanessa, embaixadora da marca Vult.

"Eu percebo isso no Liceu de Maquiagem [escola e salão de beleza de Vanessa] e no Esquadrão da Moda [programa no SBT do qual ela participa ensinando e dando dicas de make para as participantes]. A mulher gosta quando eu estou usando batom vermelho, diz que gostaria de saber fazer, mas não sabe se pode usar. Ela espera uma autorização de alguém. Alguém que diga: 'Pouso autorizado!'", brinca Vanessa.

"Sim, claro que pode", afirma a maquiadora. "Toda mulher —na real, toda pessoa— pode e deve usar batom vermelho quando quiser. Quando quiser, por exemplo, mudar a maquiagem, fazer uma make do dia funcionar para noite, quando quiser um ponto de cor ou se sentir mais poderosa. Afinal, é uma cor que tem potência."

A vontade de usar batom vermelho está aí, mas ainda rola um medo de não saber aplicar corretamente ou de borrar a maquiagem? Como escolher a textura e a cor? Afinal, por onde começar?

Cremoso, matte, líquido

Testar: esse é o segredo para encontrar o batom com o qual você vai se sentir mais à vontade, segundo Vanessa. "Eu super recomendo os batons líquidos, com acabamento matte, que já vêm com aplicador. Normalmente, o aplicador tem aquela pontinha chanfrada que facilita a aplicação e também que você faça o desenho dos lábios sem ter que ter tantas ferramentas."

Além disso, ela ressalta que o produto une a facilidade de aplicação à longa duração. "Pra quem já é 'profissional', é bom, sim, investir em um contorno labial", ela acrescenta. E ainda dá uma dica: "Eu gosto de apontar bem o lápis antes de começar a desenhar e depois passo o batom. Por que a gente prefere fosco? Porque a chance dele andar vai ser menor. Como ele é bem pigmentado, seca e fica no lugar. Então o retoque é mais tranquilo. Se você não tem problema em retocar, vai carregar na sua bolsa, na sua nécessaire", diz. "Mas também pode ser um cremoso, que é chique e fica aquela boca de mulher francesa".

A maquiadora lembra ainda que o batom vermelho pede hidratação: "Eu gosto de hidratar os lábios enquanto estou me maquiando. Depois, quando chega na hora do batom vermelho, eu tiro o excesso do hidratante e venho com o lápis labial fazendo o contorno. Na sequência, aplico o batom com o pincel ou com o aplicador do batom líquido", explica Vanessa.

Borrou, e agora?

Anote a dica valiosa de Vanessa Rozan: "Quando você errar, procure arrumar com o próprio hidratante facial em vez de usar o demaquilante. Coloque o hidratante em um cotonete e tire o excesso de batom. Em seguida, ponha um pouquinho de base ou corretivo. Para isso, você pode usar um pincel chanfrado e fazer essa limpeza do batom vermelho com a cor da pele".

Como escolher o vermelho?

"A verdade é que a tonalidade do batom vermelho faz diferença, sim", explica Vanessa, acrescentando que é preciso analisar o seu tom de pele para chegar na cor ideal. A maquiadora explica que, como a maioria das mulheres brasileiras tem um fundo de pele mais amarelado/oliva, um tom vermelho-tijolo, mais amarronzado, por exemplo, acaba deixando todo o visual do seu rosto muito amarelado.

"Você precisa ter uma cor que contraste [com o seu tom de pele]. Então um vermelho com mais rosa, com mais azul na composição, abrange uma quantidade maior de tons de cor de pele, realçando ainda mais o vermelho. Esse tom é uma cor mais curinga. Ou você pode ir no tom Ferrari, vermelho Valentino, que é um vermelho original e que também funciona com todo mundo", afirma.

Autonomia, poder e autoestima num batom

"Para mim, batom vermelho cabe em várias ocasiões: quando eu quero me sentir com mais autonomia, com mais poder, ou quando eu tenho alguma coisa para falar que é importante. Ou ainda quando eu preciso de algo que me coloque para cima, para me sentir melhor. Ele funciona muito nesses casos", conta a maquiadora.

O batom vermelho é tão estratégico para a maquiadora que já virou quase uma marca registrada da Vanessa: "Ele funciona também como minha pessoa jurídica, sabe? Às vezes, eu brinco que, se vou na 25 de Março [famosa rua de comércio popular em São Paulo] de cara lavada, ninguém me reconhece. Mas, se eu passar um batom vermelho, todo mundo me nota: 'Olha, a Vanessa, aquela menina do Esquadrão'", diz a apresentadora.

"Eu acho que o batom vermelho é isso: você tem que parar de esperar que alguém te autorize a usar e começar a se autorizar. Toda mulher pode usar", diz Vanessa. "Homem também pode, tá? E deve, se quiser. Eu tô autorizando todo mundo daqui pra frente."

Beleza