PUBLICIDADE

Topo

Universa

Ludmilla: 'Tudo para a mulher preta dá mais trabalho, tem que ser provado'

Ludmilla disse que garantir educação e saúde é uma das formas de se avançar contra a desigualdade - Chico Cerchiaro
Ludmilla disse que garantir educação e saúde é uma das formas de se avançar contra a desigualdade Imagem: Chico Cerchiaro

De Universa, em São Paulo

05/10/2020 10h41Atualizada em 05/10/2020 11h38

A cantora Ludmilla usou suas palavras e visibilidade para lembrar que o feminismo tem que ser antirracista e como a responsabilidade é maior para as mulheres negras na sociedade.

"A mulher preta, além de defender o feminismo, tem que se preocupar com a luta contra o racismo. Tudo para a mulher preta dá mais trabalho, tem que ser provado mais vezes", disse em entrevista à Glamour.

Ludmillla foi questionada sobre diferenças entre os feminismos defendidos por mulheres negras e por mulheres brancas — muitas vezes, sem o recorte racial.

'Nós, pretos, não podemos mais deixar passar'

Negra e dona de uma marca importantíssima — Lud se tornou a primeira cantora negra latina com 1 bilhão de streams em suas músicas no Spotify — ela acredita que o sucesso pôde amenizar a violência racista contra ela, mas o que não significa que ele acabou.

"Se eu não fosse famosa, [talvez] as formas fossem mais grosseiras, mas o racismo é uma coisa que está tão incrustada em nossa estrutura, que todos nós precisamos prestar bastante atenção", alertou.

Sem regresso, só conquistas

Na sua visão, falar de racismo e enfrentá-lo ganhou um maior espaço na sociedade, com avanços para a população negra — a maioria do país.

Lud afirma que "não vamos recuar" e espera mais mudanças com os debates.

"Precisamos eliminar o racismo do mundo, não pode haver diferença, o preto tem que ter as mesmas oportunidades, porque ele também tem capacidade de ocupar os mesmos lugares que os brancos", completou.

Educação e saúde

A cantora apontou um caminho para reduzir as desigualdades entre negros e brancos no país, começando por duas áreas básicas e que deviam ser garantidas igualmente para toda a população: educação e saúde.

"As cotas estão aí há anos para dar aos meus a oportunidade de ingressar em uma faculdade pública. Mas é muito necessário também que a gente tenha condições de pleitear e conquistar a vaga de igual para igual com os brancos que estudaram em colégios bacanas", afirma.

Sobre a saúde, Ludmilla disse que "muitas doenças e desigualdade em saúde vêm das condições em que as pessoas nascem e vivem", o que poderia ser revertido pelo Estado.

"Enquanto houver desigualdade racial, nosso lugar será de subordinação e seremos invisíveis", afirmou.

Universa