PUBLICIDADE

Topo

Carreira e finanças

Três líderes contam o que aprenderam trabalhando com outras mulheres

Cumplicidade, legado e vulnerabilidade são características femininas que devem ser valorizadas  - iStock
Cumplicidade, legado e vulnerabilidade são características femininas que devem ser valorizadas Imagem: iStock

Lia Rizzo

Coraboração para Universa

21/05/2020 04h00

Até 2025, o Brasil deve reduzir em 25% a diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho. A meta foi estabelecida há cerca de um ano, em reunião do G20, grupo formado por outros 19 países, que tratou da desigualdade de gênero nas maiores economias do mundo. Na ocasião, a estimativa era de que se todos batessem as respectivas metas, seriam injetados 5,8 trilhões de dólares na economia mundial.

Em função da recessão que afetará a economia global depois das necessárias medidas de isolamento, é provável que essa meta fique mais distante. Porém, a participação das mulheres no mercado de trabalho segue crescendo. E é no compartilhamento de aprendizados e na criação de iniciativas e redes de apoio dentro e fora de suas áreas de atuação, que elas têm buscado tirar o atraso imposto pelas barreiras de gênero.

Tudo bem não estar bem

 Camila Mateus, head de marketing da Volvo Brasil: permita-se ser vulnerável - Arquivo pessoal
Camila Mateus, head de marketing da Volvo Brasil: permita-se ser vulnerável
Imagem: Arquivo pessoal

A naturalidade com tarefas domésticas e os cuidados com os filhos têm sido encarados no novo contexto de trabalho imposto pela pandemia do novo coronavírus aponta para a aceleração de algo há muito percebido entre lideranças femininas. Mostrar vulnerabilidades deixa de ser motivo de julgamento quando muitas passam a vivenciar situações semelhantes ou veem aquelas que as inspiravam abrirem publicamente suas fragilidades.

"Há uns quinze anos, uma entrevista da jornalista Ana Paula Padrão me marcou. Na época, ela deixava a bancada do Jornal da Globo e falou sobre as difíceis escolhas pessoais que se viu obrigada a fazer para priorizar a carreira", conta Camila Mateus, head de marketing da Volvo no Brasil, que encarou aquilo como um recado.

Era um tempo em que poucas mulheres tinham essa coragem e foi muito significativo ver que mesmo alguém com uma carreira tão consolidada pudesse se mostrar tão vulnerável, com tanta franqueza.

De uma geração anterior a de Camila, Ana Fontes, CEO da Rede Mulher Empreendedora, que também teve passagem pela indústria automotiva, concorda que um dos grandes desafios em sua trajetória foi aceitar que não precisaria estar firme e forte todo o tempo ou se masculinizar para atender aos padrões executivos. "Levei muito tempo para compreender que tudo bem não ser a melhor mãe ou aquela pessoa dentro da caixinha, de terninho, que te dizem para ser", conta ela, que deixou um cargo de alta hierarquia em 2007 e carrega na história um episódio emblemático, em que uma promoção lhe foi negada pelo fato de ser mulher.

Exemplo importa

Laura Chiavone, publicitária: é preciso ter mais mulheres em postos de comando - Arquivo pessoal
Laura Chiavone, publicitária: é preciso ter mais mulheres em postos de comando
Imagem: Arquivo pessoal

Alagoana, filha de pescador e de uma dona de casa, Ana migrou com a família para São Paulo fugindo da seca. Ultrapassou muitas barreiras para crescer na empresa, tanto por ser mulher como pela origem pobre e nordestina. Mesmo tendo alcançado postos de liderança dentro do mundo corporativo, nunca enxergou com normalidade o fato de ser uma das poucas profissionais do sexo feminino entre seus colegas. "Me incomodava a desigualdade e a discriminação de gênero, mas não sabia como transformar aquilo em um posicionamento", lembra ela, que hoje lidera uma rede de 750 mil mulheres empreendedoras, para mentoria, cursos e network.

Para a publicitária Laura Chiavone, o despertar da consciência levou tempo para acontecer. Mas por uma realidade bastante oposta à de Ana. Filha de Célia Belém, uma das grandes e pioneiras mulheres na publicidade brasileira, Laura nunca vislumbrou obstáculos de gênero na carreira que escolheu.

Ter minha mãe como referência desde o início, trabalhando e nos criando, fez com que eu não enxergasse os dilemas e as escolhas entre uma coisa e outra. Até que minhas amigas começaram a passar por isso.

A chave virou na segunda metade de sua jornada. Atualmente uma das grandes vozes feministas de seu mercado, a executiva trilhou um caminho de sucesso até se mudar sozinha com o único filho para Nova York há três anos, ao assumir como CEO de uma agência internacional. "Sempre fui destemida e acho que isso me protegeu das situações de assédio e outros comportamentos machistas que fizeram muitas deixarem a profissão", reflete. "Porém, hoje tenho muita consciência de como mulheres fazem diferença na carreira e na vida umas das outras e da força que este apoio tem entre nós".

Despertar da sororidade

Ana Fontes, CEO da Rede Mulher Empreendedora: empatia e união para garantir o lugar das mulheres - Arquivo pessoal
Ana Fontes, CEO da Rede Mulher Empreendedora: empatia e união para garantir o lugar das mulheres
Imagem: Arquivo pessoal

Camila Mateus avalia que por muito tempo as mulheres se colocavam em lugares de inferioridade, por isso busca estimular o empoderamento das mulheres com quem trabalha. "Seja pela criação ou pela forma como a sociedade se moldou, muitas de nós sofre em algum momento pela falta de autoconfiança", reflete. "E isso talvez tenha a ver apenas com o fato de que mulheres são mais transparente, têm menos pudores de mostrar o que sentem."

Ana Fontes diz que todos os seus valores foram aprendidos com as várias mulheres que fizeram parte de sua trajetória.

Foi com elas que entendi e aceitei que o olhar mais humano e o pensar no coletivo são características femininas.

Ela lembra que, lá atrás, esses atributos haviam sido avaliados de forma negativa por pessoas de quem recebia feedbacks sobre sua atuação como executiva. Para Laura Chiavone, o despertar coletivo se refletiu em menos competitividade e mais acolhimento das decisões individuais. "O sentimento de empatia que nos tomou de forma exponencial nos últimos anos, mudou a forma como eu me enxergava e enxergava as mulheres próximas de mim", conta ela. "Hoje, tenho certeza de que só com a nossa união garantimos cadeiras nas mesas certas, conquistamos voz e mais direito de falar."

Responsabilidade e legado

A RME nasceu quando Ana Fontes participava do programa Dez Mil Mulheres, oferecido pela FGV e a Goldman Sachs Foundation. Quando soube que era uma das 35 selecionadas entre mil candidatas, ela entendeu que precisava construir algo para estender o privilégio àquelas mais de 900 mulheres que não haviam passado pela seleção.

Laura Chiavone é embaixadora norte-americana da comunidade criativa brasileira More Grls, criada para dar visibilidade às mulheres da publicidade. Em uma empreitada individual, também desenvolveu o curso online Like a Boss, a partir de uma curadoria dos melhores conteúdos de suas formações, incluindo o MBA na Alemanha e outros treinamentos exclusivíssimos nos Estados Unidos, para que mais mulheres pudessem acessar esse conhecimento caro e inviável para a maioria delas. A cada cinco inscrições pagas, uma bolsa é concedida para aquelas em condições menos favoráveis.

O que há em comum entre as iniciativas de Ana e Laura e trajetória de Camila? Mulheres que alcançam êxito carregam a responsabilidade adicional: suas conquistas são legados para outras. "Com a bagagem que tenho hoje, busco inspirar mais mulheres a confiar nelas mesmas e em seu poder de escolha", diz Camila Mateus, "Temos que nos apoiar em nossas escolhas e abraçar os diferentes tipos de trajetórias", completa Laura. O que, para Ana Fontes, significa menos julgamento, não apenas em relação à colega, mas a si mesma. "Mais que amigas entre mulheres, precisamos ser nossas próprias amigas, nos cobrar menos, para então estarmos bem e contribuir para o entorno."

Carreira e finanças