PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Delegado é suspeito de matar a tiros mulher e enteada em Curitiba

Escrivã Maritza Guimarães de Souza, 41, e a filha dela foram mortas a tiros em Curitiba; marido assumiu a autoria - Arquivo pessoal
Escrivã Maritza Guimarães de Souza, 41, e a filha dela foram mortas a tiros em Curitiba; marido assumiu a autoria Imagem: Arquivo pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para Universa, em Ponta Grossa (PR)

05/03/2020 14h16

Um delegado da Polícia Civil de Curitiba é suspeito de ter matado a mulher, escrivã da Polícia, e a filha dela, sua enteada, na madrugada de hoje. As vítimas teriam morrido abraçadas, como indicam as posições dos corpos encontrados. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da capital paranaense, e o suspeito foi preso e assumiu a autoria dos assassinatos.

O crime ocorreu em um condomínio no bairro Atuba. Segundo a polícia, após atirar contra a esposa, Maritza Guimarães de Souza, 41, e a enteada, Ana Carolina de Souza Holz, 16, Érik Wermelinger Busetti, 45, pegou a filha de 9 anos do casal e levou até a casa de uma vizinha. Lá, ele teria confessado o crime e pedido para a Polícia Militar (PM) ser acionada.

O suspeito entregou a arma usada no crime logo após os militares chegarem ao local. A criança estava dormindo no momento do crime e acordou com o barulho dos disparos.

"Estava uma em cima da outra. É difícil dizer neste momento o motivo de os corpos estarem assim, mas a mãe estava por cima da filha. O laudo pericial vai dizer se houve chance de defesa. Elas estavam próximas ao sofá e também não sabemos se foram surpreendidas ou não, porque precisaríamos da versão do autor. Não sabemos se a filha da vítima estava no meio da briga, por exemplo", disse a delegada Carol Cecconello em entrevista coletiva.

Segundo a Polícia Militar, a arma entregue pelo suspeito é uma pistola 380. A Polícia Civil apurou que pelo menos nove disparos foram efetuados. A perícia ainda apontará quantos atingiram cada uma das vítimas.

O delegado afirmou à investigação que se manifestaria apenas em juízo. Ele está preso no Complexo Médico Penal de Curitiba em uma cela separada dos demais detentos por medidas de segurança.

De acordo com a delegada Camila Cecconello, a principal linha de investigação para a motivação do crime é feminicídio. O casal estava em processo de separação e teria discutido durante boa parte do dia de ontem.

"Ele não manifestou em nada e disse que falaria apenas em juízo. Porém, informações repassadas por ele a outras testemunhas são de que estava ocorrendo um processo de divórcio e com muitas brigas conjugais. A discussão durou o dia todo e culminou no feminicídio", disse ela.

A princípio, Érik Busetti será indiciado pelo crime de duplo feminicídio. Ele não será mais ouvido porque já se manifestou que usará o direito de ficar calado, informou a Delegacia de Homicídios.

Busetti está lotado na Delegacia do Adolescente e Maritza atuava como escrivã no protocolo do Departamento da Polícia Civil.

Corregedoria promete rigor

A Corregedoria-Geral de Polícia Civil do Paraná abriu um procedimento investigativo para apurar administrativamente a conduta de Érik Busetti. Segundo o chefe da corregedoria-geral, Marcelo Lemos, o prazo legal para a investigação será de seis meses e o caso promete tratamento rigoroso.

"Com essa conduta dele na esfera criminal, houve transgressão na administrativa. Iremos atuar de forma serena e tranquila, mas com o máximo de rigor. Sensibilizou a todos na Polícia Civil, porém já estamos em um nível de maturidade institucional que dá tranqüilidade para responder a sociedade porque foi um crime grave", afirmou o delegado-corregedor em entrevista coletiva.

Érik respondeu um processo disciplinar, arquivado em 2014, por eventuais irregularidades em trâmite administrativo quando atuava na Subdivisão de Polícia Civil de Foz do Iguaçu. Ele ainda é investigado depois de dar voz de prisão a um agente no município de Fazenda Rio Grande, em 2018.

O delegado não tem registros de ocorrências por violência doméstica. O casal estava junto desde 2007 e ambos entraram na corporação em um concurso público de 2004.

"Ele está desolado", diz defesa

O advogado Cláudio Dalledone, que atua na defesa do delegado, não deu detalhes sobre o que conversou com o cliente. Ele disse que Érik ainda não está em condições físicas e emocionais para detalhar sobre o que ocorreu.

"A defesa neste primeiro momento tem muito mais perguntas do que respostas. Essa foi a maior tragédia que presenciei nos meus 25 anos de advocacia, porque todos estão fatalmente atingidos. (...) O que eu falo com meu cliente mantenho reservado por dever do segredo, mas o que posso dizer é que ele está desolado e destruído em sua essência. A motivação ainda iremos saber também", disse.

Por enquanto, a defesa adiantou que não deverá oficializar nenhum procedimento quanto a prisão do delegado. O advogado também informou que a filha do casal está com os avôs paternos.

Entidades lamentam mortes

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil (Sidepol) emitiu nota e lamentou o episódio envolvendo membros da corporação. A entidade ainda disse que "repudia veementemente qualquer ato de violência doméstica e familiar contra a mulher, seja lá quem for o agressor".

A escola particular onde a adolescente estudava o ensino médio também lamentou a perda da aluna de forma trágica e demonstrou solidariedade com os familiares.

Violência contra a mulher