PUBLICIDADE

Topo

Assédio sexual no trabalho aumenta e continua "alarmante", diz EUA

Assédio sexual no trabalho - iStock
Assédio sexual no trabalho Imagem: iStock

Marcos Candido

De Universa

11/02/2020 13h07

O #metoo alavancou o número de denúncias, mas não freou o número de assédio sexual no mercado de trabalho americano. A conclusão foi tirada pelo congresso norte-americano que mais da metade das americanas foi assediada em ambiente profissional.

Um relatório dos congressistas leis novas e mais duras para penalizar futuros casos de assédio sexual; uma realidade que chega a atacar dois terços de todas as americanas entre 18 e 24 anos no mercado de trabalho.

O movimento #metoo (ou "#EuTambém") surgiu após a onda de denúncias de assédio e estupro contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, em 2017. De lá para cá, a discussão sobre ética profissional, conduta sexual e incentivo às denúncias se espalharam por diferentes ambientes de convívio.

No Brasil, o caso de maior repercussão foi o do médium João de Deus, denunciado pelo Ministério Público por cerca de 100 vítimas de ter cometido crimes sexuais durante 45 anos de atividade.

O próprio congresso norte-americano conclui que o "#MeToo ajuda as pessoas a falarem mais abertamente sobre assédio sexual" e que os casos continuam em alta de maneira "alarmante".

Aqui no Brasil, o assédio sexual é crime previsto no Código Penal e pode render até dois anos de prisão.

Violência contra a mulher