Topo

Adolescente faz apelo à irmã por WhatsApp e denuncia suposto estupro de pai

Adolescente usa WhatsApp para denunciar suposto estupro do pai - Reprodução/WhatsApp
Adolescente usa WhatsApp para denunciar suposto estupro do pai Imagem: Reprodução/WhatsApp

Bruna Alves

Colaboração para Universa, em São Paulo

29/10/2019 14h54

Uma adolescente de 13 anos procurou ajuda da irmã mais velha e contou pelo WhatsApp que estaria sendo estuprada pelo próprio pai, na casa onde morava com ele e mais dois irmãos, em São Vicente, no litoral sul de São Paulo. O suspeito está foragido e a polícia afirmou que ele é investigado por estupro de vulnerável.

A denúncia foi feita por Mila, irmã da adolescente, em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, onde ela mora. Antes disso, Mila viajou até São Vicente para buscar a irmã. O nome completo da irmã e a identificação da vítima e do suspeito foram preservados pela reportagem.

A irmã explicou que recebeu mensagens pelo WhatsApp da vítima em 17 de setembro. Nas mensagens, a adolescente dizia que estava sofrendo os abusos há anos.

"Hoje umas 3 e pouco acordei com ele em cima de mim e meu shorts para baixo e minha calcinha também. Ele já fez sexo comigo umas quatro vezes", relatou a vítima na mensagem.

Em outro trecho da conversa, a vítima afirmava não aguentar mais viver nessa situação. "Queria me mudar, quero ficar longe dele. Não aguento mais, se for para viver assim, nem quero viver. Eu odeio minha vida", desabafou.

Um dia após receber as mensagens, Mila viajou para buscar a irmã e trouxe ainda os outros dois irmãos, ambos menores de idade. Depois disso, o suspeito saiu da casa onde morava com os filhos e não foi mais visto na região.

"(O suspeito) estava criando eles, indo para igreja e tudo, mas na verdade, ele se aproveitou da situação para praticar relação sexual com ela. Fui no mesmo dia buscá-la e junto com a situação, ele fugiu. Logo quando cheguei, procurei a delegacia e fiz a denúncia sobre o ocorrido", escreveu Mila em uma rede social.

Segundo a denúncia, o suspeito começou passando a mão nas partes íntimas da menina e depois, para facilitar o estupro, passou a dopá-la para ela dormir. Porém, a adolescente não dormia completamente e, quando voltava ao normal, reclamava de fortes dores abdominais.

Na troca de mensagens com a irmã, a vítima diz estar desesperada com a situação. "Tu é minha única salvação, por favor me ajuda. Não quero voltar a me cortar e nem ficar com depressão. Se tu quiser pego dinheiro e ajudo pagar o aluguel, mas por favor, me tira daqui", implora.

De acordo com a polícia, o suspeito não é pai biológico dos irmãos, mas os registrou em seu nome quando ainda eram pequenos. A mãe não mora com os filhos há dois anos e mantém pouco contato com eles. Por isso, os irmãos estão morando com a irmã mais velha e seu marido, no interior de São Paulo.

Suspeito está foragido

Após receber a denúncia, a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de São José do Rio Preto solicitou exame de corpo de delito à vítima, no qual foi confirmado o estupro. Porém, como a vítima não denunciou logo após o ato, não há material genético que comprove quem foi o responsável pelo crime.

Procurada pela reportagem, a DDM disse que Marcelo foi intimado para prestar depoimento na delegacia, mas até o momento não compareceu. Ele já é considerado foragido. A Secretaria de Segurança Pública informou, por meio de nota, apenas, que "o homem é investigado por estupro de vulnerável e as investigações seguem para esclarecer o caso".

"Estou angustiada de saber que depois de tudo que ele fez, vai continuar vivendo como se nada tivesse acontecido", lamentou a irmã.

Violência contra a mulher