Topo

Sexo

Massagem tântrica sempre leva a sexo? Régis acha que não é traição

Dúvida que Maria da Paz levantou é comum: a massagem tântrica é erótica? - Liderina/iStock
Dúvida que Maria da Paz levantou é comum: a massagem tântrica é erótica? Imagem: Liderina/iStock

Nathália Geraldo

De Universa

17/10/2019 04h00

Em "A Dona do Pedaço", Régis (Reynaldo Gianecchini) revelou um álibi secreto para Maria da Paz (Juliana Paes) que o livraria da acusação pela morte de Jardel (Duio Botta): ele frequentou uma sessão de massagem tântrica, na brecha de tempo que o incriminaria. A boleira rebate a revelação do ex-marido com uma dúvida bastante comum sobre a prática: esse tipo de massagem envolve sexo?

Consultamos o terapeuta tântrico Rodrigo Francioli, que atende em Fortaleza (CE), para entender como acontece o procedimento — e se, como comentou Régis, fazer uma sessão da massagem pode significar "traição" dentro de um relacionamento amoroso.

Massagem tântrica tem sexo?

Image Source/iStock
Imagem: Image Source/iStock

Massagem tântrica é uma prática que pode gerar orgasmos e prazer por meio do toque do corpo do pessoa pelo terapeuta. Deitado em um futon (um colchão japonês no chão), quem recebe a massagem pode atingir vários picos de prazer, gritar e até chorar.

Segundo Rodrigo, a massagem não tem a ver com sexo. Ou seja, movimentos masturbatórios e sexo oral estão fora do combinado. O cliente fica nu para receber os estímulos, mas o terapeuta atende com roupas.

"Outros profissionais que dizem ser tantra, mas que ficam sem roupa ou que deixam ser tocados pelo cliente, não são. É prostituição", comenta.

Energia sexual pelo corpo todo

O tantra, segundo Rodrigo, conecta a pessoa com o prazer por meio de seu próprio corpo e com a energia sexual que pode se espalhar por ele. Não à toa, há pessoas que acessam memórias de abusos sexuais durante a sessão, que geralmente dura uma hora e meia, atingindo inclusive energias reprimidas por fatores e pessoas externos, como família, sociedade e religião.

"A massagem tântrica é tirar a noção do orgasmo dos genitais e espalhar a energia sexual para o corpo todo. Mas, minha parcela nesse desenvolvimento é mínima. A pessoa chora, grita, tem orgasmos. E eu falo: 'tudo isso é seu. Você que acessou seu passado, é a energia do seu corpo'".

Como são as sessões

O terapeuta explica que a massagem é feita em ambiente com baixa luz e músicas que guiam os estímulos ao longo da sessão. Ela começa com toque leve com os dedos pelo corpo inteiro, depois, é feito o toque na região genital com manobras específicas.

"Ao tocar o clitóris, já tive pacientes que tiveram até 40 orgasmos. A mulher também pode entrar em um estado de supraconsciência, chegando a perder a noção de onde está".

A diferença entre a massagem tântrica e massagens sensuais está, ainda, no tipo de estímulo que as práticas proporcionam. "Para o tantra, quanto menos usar a mente, melhor. Por isso, não há nenhum estímulo visual, por exemplo. A ideia é desligar a mente, que nos impõe noções de medo e tenta se autocontrolar".

Terapeuta homem ou mulher

A escolha por um terapeuta homem ou mulher passa pela ideia de traição, o que é até levantado pelo personagem Régis em "A Dona do Pedaço". Rodrigo explica que, muitas vezes, homens o procuram para a massagem por entenderem que assim não estão traindo a mulher.

"Mas ser atendido por alguém do mesmo sexo ou não, depende da pessoa. Há essa ideia de traição, que é criada por entenderem que vai ter sexo. E há homens que preferem receber massagem de homens porque estão com problema na vida sexual e acham que eu vou entender melhor."

Por ser uma prática de total entrega, o especialista recomenda a procura por profissionais em redes credenciadas, indicações de conhecidos. Caso tenha desconfiança sobre a conduta do profissional, peça para conhece-lo antes e só realize o procedimento se estiver seguro.

Massagem tailandesa: tabu e diferenças nas práticas

Massagistas usam cotovelo, dedos polegares, joelhos e até ombros para promover relaxamento - Joel Carillet/iStock
Massagistas usam cotovelo, dedos polegares, joelhos e até ombros para promover relaxamento
Imagem: Joel Carillet/iStock

A massagem tailandesa é outra prática que, por vezes, é associada a serviços sexuais. A massagista Karoline Santos, que atende em São Paulo, explica que há a massagem tailandesa original e a "versão abrasileirada".

É comum que se pense que o atendente que aplica massagem tailandesa tem contato corporal, em um ambiente que exala sensualidade, com o cliente. Muita gente associa, ainda, ao fato de que o atendimento pode ser finalizado com atividades sexuais. Originalmente, no entanto, o procedimento não tem apelo para toques sexuais, como explica Karoline.

"Usamos óleo corporal ou creme para que os dedos deslizem pelo corpo do cliente, mas também há contato do joelho, ombro, cotovelo do terapeuta. É uma massagem para aliviar tensões musculares, que dura de uma hora a uma hora e meia, e também trabalha o alongamento do cliente".

Inicialmente, os rituais são parecidos com o da massagem tântrica. A proposta, no entanto, é outra: ao ouvir música relaxante, geralmente indiana, a pessoa se prepara para a abertura dos chakras, feita pelo terapeuta. A partir daí, os movimentos do terapeuta podem ser mais fortes, usando partes do corpo para pressionar os pontos certos. Os dedos polegares também deslizam pelo corpo do cliente.

Prática com apelo sexual existe?

Karoline explica que a massagem tailandesa abrasileirada, sim, evoca um clima mais sensual. Uma das primeiras adaptações da técnica é a maior exposição de partes do corpo da terapeuta: ela pode usar shorts e dispensar o uso de top. "Algumas ficam só de calcinha. Isso porque também faz o movimento de deslizar os seios pelo corpo do cliente". O cliente não pode tocar no corpo do terapeuta.

Mesmo nessa versão, não há toque na genitália do cliente. O que pode ser liberado, no entanto, se a massagem tailandesa abrasileirada estiver sendo feita entre quatro paredes, como parte de preliminares entre parceiros sexuais.

Karoline, que atende clientes nas duas versões da prática, explica que a confusão sobre os tipos de massagem gera preconceito e generaliza a atividade.

"Isso acontece porque tem muitas clínicas que falam que é uma coisa, mas é outra e envolve toques sexuais. Mas eu já fiz tratamento em pessoas que tinham traumas com o ato de encostar em seus corpos e foram encaminhadas por psicólogos para tratamento. Há mulheres que sofrem estupro e vão fazer a massagem para retirar esse bloqueio. Mas tudo deve ser feito em um ambiente tranquilo, com especialista".

Antes de contratar um serviço e levar outro, a especialista recomenda que se pergunte detalhadamente ao estabelecimento o que será oferecido.

Sexo