Topo

Maya Gabeira: "Entrar na água e ver outras mulheres surfando é um conforto"

Maya Gabeira - Divulgação/Lez a Lez
Maya Gabeira Imagem: Divulgação/Lez a Lez

Mariana Gonzalez

De Universa, em São Paulo

15/10/2019 17h51

Em 16 anos de carreira, a surfista Maya Gabeira conquistou cinco prêmios Big Waves, foi a primeira mulher do esporte a entrar para o Guinness e viu muita coisa mudar em seu esporte — a principal delas, como disse, em entrevista a Universa, foi a possibilidade de competir de igual para igual com os homens.

"Eu não acordo pensando 'preciso mostrar que uma mulher pode surfar tão bem quanto um homem', mas quando eu me vejo em um espaço ainda dominado por homens e percebo que consegui chegar lá, que estou competindo de igual para igual, isso me traz muita satisfação", afirma. "entrar na água e ter outras mulheres surfando é um conforto".

Maya entende que faz parte de seu papel de atleta inspirar meninas a abraçarem o surfe, "um esporte que ainda é muito visto como masculino", seja como hobby ou como carreira.

Em maio, a World Surf League (WSL), organizadora do Circuito Mundial de Surfe, anunciou que premiaria igualmente atletas homens e mulheres — decisão que Gabeira considera essencial para aumentar ainda mais a participação das mulheres sobre as pranchas.

"É a primeira liga mundial a fazer isso, esse passo foi uma surpresa para a maioria das pessoas que estão no esporte", lembra. "Acho que vai dar mais oportunidade para as meninas que estão no profissional e mais estímulo para as que querem chegar lá, sabendo que há possibilidade de ganhar a vida com o esporte".

Moda sustentável

Maya lança, neste mês, uma coleção cápsula de camisetas inspiradas no oceano e nos animais marinhos, em parceria com a Lez a Lez.

Mesmo antes de se inspirar na relação com o mar para mergulhar no mundo da moda, Maya via o esporte influenciar seu estilo.

"O surfe me fez ficar super prática e simples, porque eu passo o dia inteiro na praia. Por isso, eu vivo muito mais o dia e praticamente não vivo a noite, então uso roupas confortáveis, bonitas e alegres, cores claras", conta.

Sua coleção tem apenas três camisetas, todas fabricadas com material ecológico — a preocupação com a sustentabilidade na hora de escolher as roupas é antiga, veio da influência do pai, Fernando Gabeira, mas está ganhando mais espaço na vida da carioca.

"Moda sustentável é o futuro, mas já deveria ser o presente. A preocupação de onde é aquele material, onde ele foi feito, qual foi o impacto que gerou... Tudo isso é de extrema importância, assim como o hábito de ter cada vez menos peças", acredita. " A gente não precisa de muito, mas precisa de peças com qualidade que não vão prejudicar o meio ambiente".

Direitos da mulher