Topo

Beleza


Beleza

Cuidados com as unhas: esclarecemos 12 mitos e verdades

iStock
Imagem: iStock

Luana Kondrat

Colaboração para Universa

03/08/2019 04h00

Tirar as cutículas, lixar, hidratar, esmaltar. Todos esses hábitos são muito comuns e muita gente costuma fazer as unhas semanalmente, seja em casa, seja no salão. E sempre alguém tem um truque que considera infalível. Mas muitas dessas dicas não passam de mitos.

Segundo especialistas consultados por Universa, há produtos considerados "mágicos" que não têm eficácia comprovada e alguns hábitos que parecem inofensivos podem fazer mal às unhas. Descubra o que deve, ou não, ser feito antes, durante e depois da manicure.

Manchas brancas sempre significam falta de nutrientes

Mito. "Apesar de a falta de zinco poder estar relacionada a essa alteração, ela ocorre mais frequentemente por pequenos traumas na matriz", esclarece a dermatologista Ana Rosa Magaldi, de Belo Horizonte (MG). Manchas brancas também podem surgir por desidratação. Isso significa que manter as unhas e as cutículas hidratadas é superimportante, conta a dermatologista Patrícia Mafra, da Clinica Volpe, de São Paulo.

Patrícia diz, ainda, que unhas fracas também estão mais propensas a ficarem desidratadas. Ou seja, manter uma dieta equilibrada é fundamental para mantê-las saudáveis. "Por isso, aposte em alimentos ricos em vitaminas A, B e E e do complexo B, como a biotina, uma grande aliada no fortalecimento e que pode ser encontrada em aveia, grão-de-bico, soja e feijão."

Porém, essas manchas podem ser sinal de algumas doenças. A mais comum é a onicomicose, que é a infecção das unhas por fungos, sendo muito mais comuns nas dos pés, afirma Patrícia. Se o problema persistir, procure um especialista.

Bases fortalecedoras são eficientes

Verdade. Esse tipo de produto contém ingredientes que ajudam a aumentar a firmeza e a resistência das unhas. O mais eficiente, no entanto, é aquele à base de formol. "Essa versão aumenta a coesividade entre as lamelas de queratina presentes nas unhas, deixando-as menos descamativas e mais endurecidas", conta Ana Rosa.

Seu uso, porém, deve ser feito com cuidado, pois o ativo não pode chegar muito perto das cutículas para evitar dores. Não exagere na quantidade por aplicação, que deve ser feita, no máximo, uma vez por semana, alerta Patrícia.

Casca de cavalo tem efeito endurecedor

Mito. Embora este tipo de base contenha substâncias como cálcio e pantenol, não há comprovação científica. "Alguns pacientes relatam melhora, outros não", conta o dermatologista Abdo Salomão Jr., de Guaxupé (MG).

Esmalte escuro amarela as unhas

Verdade. Mas isso só acontece se o produto for aplicado diretamente sobre as unhas, sem o uso de base. Segundo Ana Rosa, os pigmentos presentes nos esmaltes escuros podem se fixar à lâmina ungueal, causando amarelamento temporário. Uma boa forma de evitar que isso ocorra é intercalar cores claras e escuras ou fazer uma pausa na esmaltação, indica Patrícia.

Usar azeite de oliva ou vinagre de maçã faz com que as unhas cresçam mais rápido

Verdade. Esses ingredientes têm propriedades hidratantes e antimicrobianas que contribuem para unhas saudáveis e com crescimento estável, isso é, sem quebras, diz Ana Rosa. Outros óleos também podem ser usados, como o de amêndoa e o de uva, indica Patrícia.

Deixar o esmalte por muitos dias faz mal

Verdade. Manter os componentes químicos em contato direto, e por muito tempo, na lâmina ungueal -- tanto as das mãos quanto as dos pés ­-- pode contribuir para o ressecamento e o enfraquecimento da região, conta Patrícia. Ou seja, procure tirar o esmalte um ou dois dias antes da nova esmaltação.

Ficar muito tempo com o esmalte pode deixar as unhas doloridas

Verdade. Depois de um tempo, é comum sentir as pontas das unhas doloridas por alguns dias ao retirar o esmalte. Normalmente isso acontece com quem tem sensibilidade a algum componente do produto ou da base, conta Ana Rosa. Mas não é só: "As unhas podem ficar sensíveis quando estão fracas, quando sofrem traumas constantes, como as batidas frequentes na hora da digitação, ou quando entram contato frequente com sabões ou outros produtos químicos", enumera Patrícia.

Acetona é melhor que removedor

Mito. A acetona é um solvente que resseca as unhas, enfraquecendo-as com o tempo, esclarece Ana Rosa. Além disso, pode prejudicar também a saúde das cutículas, deixando-as sensíveis e suscetíveis à entrada de agentes químicos, o que pode acabar machucando a matriz, alerta Abdo Salomão Jr.

Tirar o esmalte da pontinha da unha faz com que ele dure mais tempo

Verdade. Quando você tira o excesso de esmalte dessa pequena área, evita que ele entre em contato com a superfície -- principalmente a do teclado do computador --, evitando que descasque mais rápido, afirma a manicure Rafaela Souza, do Allummê by Wesley Nóbrega, de São Paulo. "A melhor forma de limpar é passar o palito com algodão levemente na ponta da unha", completa.

Limão deixa as unhas mais claras

Verdade. Suas propriedades ácidas ajudam a eliminar o aspecto amarelado da região. Patrícia indica mergulhar as pontas dos dedos dentro de um recipiente com suco de limão e deixar agir por uns cinco minutos. Mas atenção: não faça o procedimento mais do que uma vez por semana e procure ficar longe do sol para não manchar a pele.

Água oxigenada tem efeito clareador

Mito. Além de não tirar o amarelado, segundo Ana Rosa, o produto pode ser bastante prejudicial, já que o peróxido de hidrogênio costuma causar irritações locais.

Água com gelo acelera a secagem do esmalte

Verdade. O frio acelera o processo de secagem dos componentes químicos do esmalte. "Dois minutos após a esmaltação -- incluindo a aplicação do top coat -- mergulhe, com cuidado, os dedos em um recipiente de água gelada por cerca de um minuto", conta Rafaela.