Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

Na Flip, autoras falam sobre amor, sexualidade, poligamia e consentimento

Ayelet Gundar-Goshen e Ayòbámi Adébáyò na Flip - Flip/Divulgação
Ayelet Gundar-Goshen e Ayòbámi Adébáyò na Flip Imagem: Flip/Divulgação

Fernanda Ezabella

Colaboração para Universa, de Paraty (RJ)

13/07/2019 12h53

Duas histórias de amor trágicas trouxeram ao palco da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) peculiaridades culturais e geopolíticas de Israel e da Nigéria, como a questão da terra sagrada e da poligamia, por meio das obras das autoras Ayelet Gundar-Goshen e Ayòbámi Adébáyò.

Gundar-Goshen, de Israel, falou na sexta-feira (12) sobre seu livro "Uma Noite, Markovitch", sobre um homem que vai da Palestina à Europa resgatar uma jovem dos alemães nazistas, casando-se com ela. Quando o casal chega a Israel, ele se recusa a se divorciar na esperança de um dia ganhar seu amor.

"Queria entender o que me faria me apossar de algo que não é meu, seja uma pessoa, um pedaço de memória ou um pedaço de terra", disse Gundar-Goshen. "É importante para mim que meus personagens não sejam apenas julgados, quero que o leitor se importe com eles."

O livro fala sobre a confusão que facilmente fazemos entre amor e posse, e a escritora afirmou que muitas vezes sente que o mesmo acontece quando o assunto é o Estado de Israel e os conflitos com palestinos.

"O jeito como Markovitch se justifica, dizendo que por conta de seu passado ele tem que ser o mais forte possível no presente, é como algumas partes da sociedade de Israel se sentem", disse Gundar-Goshen. "Porque fomos os outsiders da história por tanto tempo, isso nos dá o direito de fazer as coisas que fazemos agora. Algumas pessoas ainda acham que somos as vítimas, mas eu não acho. Acho que é mais complicado que isso."

A israelense também comentou sobre a sexualidade de suas personagens, lembrando que na literatura clássica e infantil mulheres costumam ter finais trágicos como se punidas por sentir prazer. "Queria que minhas personagens femininas aproveitassem seus corpos", disse. "Quando são homens, nunca é necessário justificar."

A nigeriana Ayòbámi Adébáyò falou sobre seu romance "Fique Comigo", sobre um casal que não consegue ter filhos. Por conta disso, o marido acaba trazendo a contragosto uma segunda mulher ao casamento, cedendo às pressões de sua família.

"Quando comecei a escrever sobre o amor de um homem e uma mulher, passei a questionar os limites do amor quando a sociedade não os vê como iguais. Queria explorar as consequências", disse Adébáyò, contando que na Nigéria a culpa é sempre da mulher quando o casal tem dificuldade de engravidar.

Especialista em história do seu país, Adébáyò contou que chegou a incluir no livro diversos detalhes políticos, mas percebeu que seus próprios personagens não ligavam nada para isso. "Comecei a pensar então como a falência do estado impactava suas vidas", disse a autora, cujo livro de estreia figurou na lista de melhores de 2017 do "The New York Times".