Topo

Stalkeadas

Um olhar diferente sobre o que bomba nas redes sociais


Demonstrar afeto, higiene e o 24: o que representa a masculinidade frágil?

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter

Gustavo Frank

Da Universa

18/04/2019 15h47

Ser homem, hoje em dia, (felizmente) é muito diferente de como era há alguns anos -- embora ainda não tenhamos chegado ao ponto desejado. Assim como outros padrões já estabelecidos na sociedade, o velho conceito sobre "masculinidade" para a maioria dos homens ainda é o mesmo, enraizado na cabeça sobre como agir ou não agir.

Você, sendo mulher ou homem, já deve ter ouvido por aí alguns discursos que envolvam: não demonstrar carinho com outro homem, não sentar de perna cruzada, não chorar na frente dos outros. E por aí vai. Um "não" atrás do outro, enquanto há negativas mais importantes que precisam ser reiteradas.

No Twitter, o Ciro, ou @cirohamen, como se identifica na rede social, abriu uma discussão tanto para homens como para as mulheres: o que mais representa a masculinidade frágil para a maioria das pessoas? -- e os exemplos não foram poucos.

Elogiar outro homem automaticamente te faz gay - o que, nem de longe, deveria ser visto como uma ofensa, em primeiro lugar:

Fazer 24 anos é visto como perigo para alguns homens:

Realmente, tocar o ânus vai te tornar muito menos homem:

Até porque ser sujo é muito macho:

Fazer contato físico com outro homem então, nem se fala:

O "nem todo homem" é o "não tenho nada contra, mas" da masculinidade frágil:

E como já citamos anteriormente:

Imagina se "a grelha" fosse "o grelho", isso seria fatal para a masculinidade de muitos:

Precisa disso tudo? E quem disse que mulher não bebe cerveja?

Já dizia o "Siga o Copo".

Muito menos nas quartas-feiras:

Boys Don't Cry - The Cure

Né, transões?

Imagens que falam mais do que mil palavras:

Stalkeadas