PUBLICIDADE

Topo

Universa

Reforma cria uma área para hóspedes em casa de campo modernista na Inglaterra

O pavilhão de hóspedes é formado por duas caixas de vidro, com quartos e banheiros idênticos - Andreas Meichsner/ The New York Times
O pavilhão de hóspedes é formado por duas caixas de vidro, com quartos e banheiros idênticos Imagem: Andreas Meichsner/ The New York Times

Caroline Ednie

Do The New York Times, em Horsmonden, Inglaterra

11/07/2012 07h20

Horsmonden, Inglaterra – “Não é uma casa grande, mas parece infinita porque você olha através dos jardins e enxerga 5 quilômetros além”, diz Remy Blumenfeld a respeito de sua casa com paredes de vidro. “É como viver no topo das árvores e dormir sob as estrelas.”

Blumenfeld, 46 anos, produtor de TV, é dono de uma casa de campo modernista desde 1999. Criada pelo arquiteto britânico Michael Manser para um membro do Parlamento, em 1969, a casa, conhecida como Solar do Cavalo, está em uma área de 23 acres (aproximadamente 9,3 hectares) nos campos da região de Kent. 

Casa de campo tem pavilhão exclusivo para hóspedes
Veja Álbum de fotos

Então não é uma surpresa que Blumenfeld, embora tenha uma casa em Londres, passe muito tempo aqui ao lado de seu companheiro, Henryk Hetflaisz, um fotógrafo de 33 anos.

“Este é um lugar que gente quer compartilhar com as pessoas de quem gostamos ou que queremos conhecer melhor,” diz Blumenfeld. “Em Londres, a gente conhece as pessoas geralmente em almoços ou jantares, mas não dá para realmente conhecê-las assim. Você consegue fazer amigos ao convidá-los para passar um final de semana em casa”.

A casa, entretanto, possuía um grande defeito: seu tamanho.

“A casa é muito pessoal para que a gente a divida com pessoas que conhecemos pouco”.  

  • Andreas Meichsner/ The New York Times

    No quarto do casal, a chaise longue de 1971 de Verner Panton

A solução, Blumenfeld decidiu, foi uma área de convidados, “algo que ecoasse a casa original, mas que não a copiasse”.

Ewan Cameron, o arquiteto escocês contratado para fazer o projeto, criou uma estrutura simples dividida ao meio por duas paredes de concreto que formam uma passagem estreita. Em ambos os lados há um quarto e um banheiro contidos em caixas de vidro idênticas.

“O instinto foi criar algo leve e que concordasse com a construção de Michael Manser”, disse Cameron, que esteve trabalhando no Oriente e “ficou admirado com os templos e jardins de Kioto, no Japão, e com os jardins Suzhou da China”.

 “Há um nível de consideração com o design dos jardins e a arquitetura que eu nunca havia visto antes, uma sutileza e uma suavidade nessa relação, assim como uma atenção incrivelmente rigorosa aos detalhes e materiais”, descreve Cameron. “Esta foi a inspiração por trás do design do telhado e a relação entre os decks externos e os jardins.”

O pavilhão levou oitos meses para ser construído. Quando ficou pronto, em setembro, por cerca de 245 mil libras (pouco mais de 770 mil reais), transformou-se no catalisador de outro projeto.

“Não queríamos ser os primos pobres enquanto nossos convidados vivem no luxo”, afirmou Blumenfeld. “Decidimos efetivamente desmontar nossa casa e instalar tecnologias atualizadas. Também acrescentamos isolamento, aquecimento no piso e um novo teto de zinco”, além de uma cozinha maior.

Durante o processo, o interior foi redecorado para refletir como a casa de dois quartos teria sido quando foi construída, no começo dos anos 1970. Entre o mobiliário estavam clássicos modernos como a mesa e cadeiras Tulipa de Eero Saarinen e uma chaise longue de 1971 de Verner Panton.

Como diz Blumenfeld, “há algo de simples e otimista nos anos 70”.

Agora que tudo está pronto, Blumenfeld tem um lugar onde trabalho e vida podem se misturar.

“Não se trata de um espaço físico”, diz. “Um lar tem muito mais a ver com o lugar que você divide com as pessoas que ama.”

E acrescentou: “De certo modo, a casa de vidro e sem paredes pode ser vista como uma metáfora: uma casa não se trata de suas paredes e sim do que você coloca dentro delas”.

Tradutor: Erika Brandão

Tradutor: Erika Brandão e Daiana Dalfito (edição)

Universa