PUBLICIDADE

Topo

Se Conselho Fosse Bom

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Devo ir encontrar o filho do meu ex, que nunca me disse que era casado?'

Pexels
Imagem: Pexels
Conteúdo exclusivo para assinantes
Karin Hueck

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados. "Se conselho fosse bom" é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas

Colunista de Universa

23/04/2022 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

Faz pouco mais de dez anos que iniciei uma relação com outro homem. Ficamos juntos por três anos, durante os quais vivemos experiências incríveis e tudo era bom. Achei que tinha encontrado a pessoa da minha vida. Acontece que ele mudou de cidade por causa do trabalho e a relação foi esfriando, até que resolvi terminar. Por essa época, acabei descobrindo também que ele era casado, tinha filhos, família, e a mudança nem tinha sido motivada pelo trabalho. Me senti enganado, traído, usado etc. Mas superei esses sentimentos. Além disso, o término não fora motivado por essa descoberta, e sim porque a relação já tinha deixado de ser significativa para mim. Mas ele ficou emocionalmente destruído: entrou em depressão, adoeceu e ficava pedindo para reatarmos. Apesar de me sentir culpado pelo estado emocional dele, sempre pontuei que não fazia sentido na minha vida a situação de encontros esporádicos com um homem casado quando fosse conveniente para ele, e nao aceitei retomar nada. Recentemente, quase seis anos depois, o filho dele me procurou, querendo conversar sobre o pai dele. Achei a situação muito inusitada, e toda a culpa com que tive na época caiu sobre mim como uma bomba. E não sei o que fazer: será que devo conhecer o filho dele e conversar? Realmente fiquei perdido.
- A volta do ex

- Caro A volta do ex
Como você diz sentir culpa, acho que não custa começar ressaltando: você não fez nada de errado. Vocês tiveram um relacionamento legal, que durou anos, e que acabou por circunstâncias que não foram causadas por você e por um motivo absolutamente legítimo: falta de conexão. Se houve falhas, foi do lado dele, que escondeu de você toda uma outra vida dentro do armário, com mulher e filhos. Que bom que você não caiu na tentação de continuar se encontrando com ele depois: teria feito muito mal ficar vivendo esse relacionamento no papel de amante. Entendo que seu ex possa ter ficado chateado com a sua decisão, mas ele é um homem adulto, responsável pelas escolhas que fez na vida e, como tal, plenamente capaz de sair das situações complicadas em que se colocou. Não acho que você deva nada a ele, nem ao filho dele, e não deva ir a esse encontro baseado nesse sentimento de culpa. Diga ao filho que o pai dele foi uma pessoa muito importante na sua vida, que sempre terá carinho por ele, mas que preferia não se envolver de novo com essa história que se encerrou há tanto tempo. Se ele insistir e você tiver curiosidade, faça questão de uma conversa telefônica rápida. Você foi muito bem em se preservar do drama que esse seu ex poderia ter causado na sua vida esses anos todos. Espero que possa continuar assim.

No meio do ano passado comecei a sair com um cara. Estávamos ficando e, por descuido, acabei ficando grávida em três meses. Logo que contei, ele ficou super empolgado, me chamou pra morar junto com ele para termos o filho juntos. Até porque ele não foi criado pelo pai, o conheceu só na adolescência e esse é um trauma que ele carrega. Fui morar com ele no início do ano, mas a convivência foi difícil, ele me comparava com a ex noiva que teve, evitava sexo, passava madrugadas no celular. Tentei conversar algumas vezes, mas ele evitava. Até que vim passar uns dias na casa dos meus pais em outra cidade. Ele chegou a dizer que vinha me buscar, mas não veio. Simplesmente não deu satisfação. Quando fui tentar conversar ele falou um monte, disse que eu vim sem pensar, que nunca quis se relacionar comigo e não queria ser pai agora, que fiz de caso pensado. Voltei pra cidade dele pra buscar minhas coisas e ainda esperei que ele viesse conversar comigo, o que não fez. Agora estou com meus pais, desempregada e grávida de 6 meses. Recentemente ele começou a mandar mensagens perguntando como poderia ajudar... Estou tentando superar para ter uma boa relação, já que ele é o pai do bebê, mas tô com a auto-estima bem abalada pensando que ele está repetindo a história dele com nosso filho.
- Que pai é esse

- Cara Que pai é esse
Eu sinto muito que você esteja passando por essa situação. Me parece, sim, que o seu ex esteja repetindo os padrões que recebeu na infância e, por ora, não dá para saber que tipo de pai ele vai ser, embora aparente ser um da pior categoria. Ele dizer que você engravidou de caso pensado é um absurdo - até onde eu sei, ninguém engravida sozinho e todo mundo (incluindo aí homens adultos) sabe o que fazer para evitar ter filhos. Por enquanto, sugiro que você pense no bem do seu bebê e garanta o melhor para ele. Se puder, consulte um advogado para entender como dar entrada no processo de reconhecimento de paternidade e pensão. Junte provas do relacionamento e da renda de vocês. Sabemos que pagar pensão não tem nada a ver com ser um pai de fato - pai é quem está presente, cuida, divide as tarefas da criança -, mas é essencial para garantir o bem-estar físico de uma criança. No mais, o melhor mesmo é tentar ter uma relação amigável com ele para que a criança não cresça no meio de brigas e disputas. Mas tente não se iludir que ele vai ser o pai que prometeu ser lá no início.

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br