PUBLICIDADE
Topo

Crescem pedidos de governos para remover posts de jornalistas no Twitter

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Por Sheila Dang e Elizabeth Culliford

(Reuters)

14/07/2021 14h18

O Twitter viu um aumento nas demandas no ano passado de governos ao redor do mundo para retirar o conteúdo publicado por jornalistas e veículos de notícias, em dados a serem divulgados pela plataforma de mídia social pela primeira vez.

Em seu relatório de transparência a ser publicado nesta quarta-feira e visto pela Reuters, o Twitter diz que contas verificadas de 199 jornalistas e agências de notícias em sua plataforma globalmente estavam sujeitas a 361 demandas legais de governos para remover conteúdo no segundo semestre de 2020, um aumento de 26% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

A empresa se recusou a especificar quais países enviaram as demandas, ou quantas demandas legais relativas a jornalistas ou meios de comunicação a plataforma atendeu.

Os detalhes no relatório surgem à medida que o Twitter e outras empresas de mídia social, incluindo o Facebook e o YouTube, da Alphabet, enfrentam o escrutínio de governos em relação ao conteúdo permitido em suas plataformas.

Na segunda-feira, Cuba começou a restringir o acesso ao Facebook e aplicativos de mensagens como o Telegram em meio a protestos antigovernamentais generalizados. No mês passado, a Nigéria baniu o Twitter no país e ordenou que estações de rádio e televisão não usem a plataforma para coletar informações.

O Twitter disse no relatório que a Índia é agora a maior fonte das solicitações de informações de governos, superando os Estados Unidos, que ficaram em segundo lugar.

A empresa disse que recebeu mais de 14.500 pedidos de informações entre 1º de julho e 31 de dezembro, e produziu algumas ou todas as informações em resposta a 30% delas.

O Twitter também recebeu mais de 38,5 mil demandas judiciais para retirada de conteúdo, uma queda de 9% em relação ao primeiro semestre, e disse que atendeu a 29% das demandas.

O Twitter se envolveu em vários conflitos com países ao redor do mundo, principalmente a Índia, sobre as novas regras do governo que visam regular o conteúdo nas redes sociais.