PUBLICIDADE
Topo

Apple não desbloqueará iPhone só com prova de vacina contra covid; é fake

Paródia de lançamento do iPhone 13 feita por Kyle Mann, editor-chefe do Babylon Bee - Reprodução/Youtube
Paródia de lançamento do iPhone 13 feita por Kyle Mann, editor-chefe do Babylon Bee Imagem: Reprodução/Youtube

Marcos Bonfim

Colaboração para Tilt

22/09/2021 15h44

O iPhone 13 foi apresentado há pouco mais de uma semana, mas notícias falsas envolvendo o novo celular já começaram a ganhar forçam. Na mais recente, circula uma informação mentirosa que diz que a tela do novo celular da Apple só será desbloqueada por pessoas que tomaram a vacina contra a covid-19.

Ao que tudo indica, essa história começou com um vídeo criado por um canal de sátiras que circula pelas redes sociais fora de contexto. As imagens mostram um homem, descrito como "Tim Apple", falando sobre o iPhone 13. O nome da pessoa é uma referência a Tim Cook, presidente-executivo da Apple.

Com imagens dos novos iPhones, o apresentador informa que somente com o cartão de vacinação será possível liberar o celular para uso. O rapaz acrescenta que, diante da mínima suspeita de que a pessoa não foi vacinada, o dispositivo irá acionar a polícia.

A Apple esclareceu, por meio de sua assessoria de imprensa, que o vídeo "não é oficial e nem foi produzido pela companhia". Complementa ainda destacando "que a pessoa que aparece no vídeo não é um executivo da Apple".

Quem fez o vídeo?

O personagem da gravação, na realidade, é representado por Kyle Mann, editor-chefe do Babylon Bee, canal conservador satírico que se apresenta como "sua confiável fonte para notícias satíricas cristãs" (ou, em inglês, Your Trusted Source for Christian News Satire).

Com mais de 300 mil inscritos no YouTube e 1 milhão de seguidores no Twitter, o humor do perfil acaba, às vezes, circulando como conteúdo verdadeiro. O próprio ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já compartilhou conteúdo do canal.

Essa questão delicada que divide humor e fake news já resultou ao canal algumas polêmicas. Para críticos, plataformas satíricas como a Babylon Bee conseguem compartilhar conteúdos que passam livres pelas políticas contra fake news das redes sociais — o que pode agravar o problema.

Em entrevista ao site Daily Caller no ano passado após críticas de um repórter da CNN, o presidente-executivo da Babylon, Seth Dillon, afirmou que é inaceitável "que considerem que eles são algum tipo de veículo de fake news que está tentando enganar as pessoas de propósito".