PUBLICIDADE
Topo

Cientistas japoneses criam 'carne mais cara do mundo' em impressora 3D

Colaboração para Tilt

25/08/2021 23h03Atualizada em 26/08/2021 10h54

Cientistas da Universidade de Osaka, no Japão, conseguiram imprimir em 3D o primeiro bife cultivado em laboratório que, segundo eles, se assemelha a um corte de carne bovina da raça conhecida como Wagyu - uma das mais caras do mundo. A criação foi detalhada em um artigo publicado na revista Nature Communications.

Segundo a publicação, os cientistas coletaram dois tipos de células-tronco de vacas Wagyu, as incubaram e depois as converteram em células musculares, gordurosas e em vasos sanguíneos. O resultado foi um bife com alto teor de gordura, de cinco por 10 milímetros de tamanho, uma "carne sintética muito parecida com a real".

"Usando a estrutura da carne Wagyu como um modelo, desenvolvemos um método de impressão 3D que pode produzir estruturas complexas feitas sob medida, como fibras musculares, gordura e vasos sanguíneos", disse o autor principal da criação Dong-Hee Kang em um comunicado.

Carne produzida em laboratório - Reprodução/Universidade de Osaka - Reprodução/Universidade de Osaka
Carne Wagyu produzida por pesquisadores japoneses em laboratório e impressa em 3D
Imagem: Reprodução/Universidade de Osaka

Os cientistas explicaram ainda que o processo pode até ser usado para criar pedaços personalizados de bife Wagyu, o que seria um sonho para qualquer amante de carne que deseja experimentar a iguaria produzida em laboratório.

A carne de Wagyu, raça bovina milenar, de origem japonesa, é uma das mais apreciadas e caras do mundo. Sua principal característica é o alto teor de 'gordura intramuscular' e o marmoreio, justamente o que lhe dá o sabor, mas também eleva o seu preço.

"Este trabalho pode ajudar na busca por um futuro mais sustentável, com carne cultivada, amplamente disponível', acrescentou Dong-Hee Kang.

Os cientistas, no entanto, não informaram qual o custo de produção do bife em laboratório ou quanto tempo levaria para o produto chegar ao mercado.