PUBLICIDADE
Topo

WhatsApp GB 2021: recursos extras atraem, mas uso do app pode ser perigoso

De Tilt*, em São Paulo

28/06/2021 16h36Atualizada em 29/06/2021 16h17

Você já ouviu falar do WhatsApp GB? Trata-se de uma versão "clone" do aplicativo pertencente ao Facebook. Apps como esse costumam prometer recursos extras como usar dois números de telefone de uma vez e enviar mensagens de um jeito mais discreto. O uso das plataformas, porém, não é recomendado.

Nos últimos dias, a procura pelo aplicativo atualizado de 2021 — e outras variantes como GBWhatsApp — voltou a subir como alternativa ao WhatsApp original. Mas não há garantias de proteção de dados e de privacidade.

Como funciona

Serviços de mensagens "clones" do WhatsApp costumam ter um visual semelhante. Além de poder conversar com pessoas, o WhatsApp GB permite coisas como: não exibe nada quando você está digitando ou gravando áudios, chamada de vídeo com várias pessoas ao mesmo tempo, não deixa contatos excluírem as mensagens enviadas, não mostra se você leu uma mensagem e permite mudar as cores do app.

Por que não é recomendado?

Nenhuma dessas versões alternativas são oficiais do WhatsApp. Muitas delas nem estão disponíveis em lojas oficiais de aplicativos (Google Play e App Store).

Com isso, não é possível saber se as empresas por trás dessas plataformas realmente protegem os dados de quem as usam. Ainda mais sem ter passado pelo filtros de segurança que as lojas de aplicativos costumam fazer antes de liberar programas para downloads.

Para funcionar, esses sistemas passam a ter acesso à sua lista de contatos de amigos e família sem dar qualquer garantia de privacidade, como a criptografia, por exemplo. As companhias (ou usuários) responsáveis pelo desenvolvimento dos apps "clones" usaram o código-fonte do WhatsApp sem autorização.

Os especialistas de segurança sempre recomendam o uso de aplicativos oficiais baixados diretamente de lojas como Google Play (para dispositivos Android) e AppStore (dispositivos da Apple) para que não existam grandes riscos.

*Com matéria de Rodrigo Lara