PUBLICIDADE
Topo

Com ajuda de mouse "diferentão", jovem com paralisia é aprovado na Fatec

João Lucas e seu mouse adaptado - Arquivo pessoal
João Lucas e seu mouse adaptado Imagem: Arquivo pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para Tilt

18/06/2021 04h00

O ano começou muito bem para o jovem João Lucas de Carvalho. Aos 19 anos, ele conquistou o 1º lugar no vestibular de um curso da Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo) e uma vaga na concorrida Unicamp (Universidade de Campinas). E isso, segundo ele, foi possível graças à ajuda de um mouse "diferentão", que deu autonomia para usar o computador.

João Lucas tem paralisia cerebral e contou com a tecnologia para auxiliar nos estudos. O curso escolhido por ele tem tudo a ver com inovação: análise e desenvolvimento de sistemas. E a faculdade eleita foi a Fatec, por achar que o curso tinha mais sua cara.

"Como eu tenho paralisia cerebral, tenho a coordenação motora comprometida e faço uso de um mouse adaptado. Com ele, eu consigo usar o computador e fazer praticamente tudo", contou o jovem a Tilt.

Antes do dispositivo, João precisava da ajuda dos professores e da mãe, em casa, para estudar. Até que teve contato com o mouse por intermédio de um professor de informática da Casa da Criança Paralítica de Campinas, onde ele realiza atividades de fisioterapia e fonoaudiologia desde pequeno.

Wilma Neves, mãe de João, conta que o filho entrou na instituição com 10 meses de idade, assim que descobriu o diagnóstico. De lá para cá, ele teve muita evolução.

Wilma lembra que a aprovação foi muito celebrada e que o mouse é um aliado por dar autonomia que ele precisa. "Foi uma felicidade. Ele queria muito passar. Ele é muito esforçado e sempre gostou de estudar", afirmou.

Como é a tecnologia

O mouse adaptado tem setas direcionais para todos os lados e botões de utilização simples, como cursor que aponta para direita e esquerda. Junto a ele existe um teclado virtual que pode ser navegado com ajuda do dispositivo, explica o pedagogo Rodrigo Juliano, que trabalha na Casa da Criança.

Mouse adaptado tem setas direcionais para todos os lados - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Mouse adaptado tem setas direcionais para todos os lados
Imagem: Arquivo pessoal

"A gente tem um projeto de informática profissionalizante. Ele [João] se adaptou muito bem ao recurso, que custa cerca de R$ 1 mil", acrescentou.

O primeiro contato de João com a tecnologia ocorreu quando ele tinha cerca de dez anos. Antes do mouse, sua mãe o ajudava com a escrita. Na escola tinha uma pedagoga que sentava do lado de João durante as aulas e escrevia o que ele falava.

Vendo o desempenho do filho com o mouse, Wilma fez questão de comprar um para que ele pudesse usar em casa.

"A gente tem que olhar a pessoa e investir naquilo que ela tem de melhor. João foi o que mais se beneficiou do mouse especial. Foi o que mais entendeu", acrescentou Tais Teixeira.

João Lucas e sua mãe, Wilma Neves, com o mouse adaptado - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
João Lucas e sua mãe, Wilma Neves, com o mouse adaptado
Imagem: Arquivo pessoal

Aulas em pandemia

Por causa da pandemia de covid-19, João também foi afetado pelo fechamento das universidades. Desde o início das aulas ele está com o ensino remoto.

Segundo Wilma, o filho tem se saído bem nas aulas remotas. Ele assiste ao conteúdo online, tem acesso aos materiais pedagógicos e mantém uma rotina de estudos normal, respeitando os horários escolares e de descanso.

O universitário diz que não vê a hora do fim da pandemia para poder frequentar a universidade presencialmente.

"Conversamos com o coordenador do curso e nos foi passado que, quando voltar presencial, a faculdade resolverá a minha locomoção. Aqui em Campinas tem um transporte adaptado do estado que leva os alunos com deficiência para escola", explicou o jovem.

Quando acabar a faculdade, o universitário pretende se especializar na área de segurança, ser tipo ser um hacker ético. "Mas também adoro games. Preferi a Fatec por causa disso. São muitas possibilidades pela frente. Comecei agora", brincou ele.