PUBLICIDADE
Topo

Motorola compra tecnologia que carrega celular pelo ar a 1 metro da tomada

Motorola Edge+, primeiro celular com 5G lançado no Brasil - Rodrigo Trindade/UOL
Motorola Edge+, primeiro celular com 5G lançado no Brasil Imagem: Rodrigo Trindade/UOL

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

13/05/2021 16h38

Sabe aquele momento em que você precisa muito do celular, mas a bateria acabou e você não sabe onde foi parar o cabo? Seu problema pode estar prestes a ser resolvido. A Motorola anunciou uma parceria com a startup americana GuRu Wireless para desenvolver um sistema de carregamento de bateria sem fios, pelo ar, para seus celulares.

Num vídeo de demonstração divulgado pela Guru, é possível ver um celular sendo carregado a uma distância de aproximadamente 1 metro da tomada. Porém, ainda não há previsão de quando o sistema estará disponível comercialmente para donos de celulares da marca.

Confira o vídeo abaixo:

Vale notar que o sistema ainda não é perfeito. O vídeo mostra que, ao colocar a mão entre o aparelho e o carregador, a recarga é interrompida.

A Motorola, contudo, não é a primeira a anunciar esse tipo de recarga pelo ar. A chinesa Xiaomi mostrou em janeiro deste ano uma tecnologia semelhante, também sem data para estar disponível aos consumidores.

Como funciona?

A tecnologia da Guru que a Motorola comprou foi chamada de .GuRu RF Lensing. O carregamento é feito por meio de um sistema de transferência de energia que tem de ser conectado à tomada. Módulos em miniatura, patenteados pela Guru, enviam a energia ao celular pelo ar, desde que ele não esteja nas mãos do usuário.

Contudo, é possível colocar o aparelho no braço do sofá, por exemplo, e continuar utilizando-o enquanto ele está carregando, sem precisar de cabos ou de uma base fixa, como nos carregadores sem fio atuais.

O comunicado divulgado pela Guru não traz mais nenhum detalhe técnico sobre o carregamento nem diz quando o recurso chegará aos consumidores.

Tilt entrou em contato com a Motorola para saber se existe alguma previsão, mas ainda não tivemos retorno - essa reportagem será atualizada assim que isso ocorrer.