PUBLICIDADE
Topo

Mudança na privacidade do iOS desencadeia guerra entre Apple e Facebook

dole777/ Unsplash
Imagem: dole777/ Unsplash

Fernando Barros

Colaboração para Tilt

28/04/2021 04h00

O lançamento esta semana do iOS 14.5, atualização do sistema operacional dos iPhones, virou motivo de guerra entre a Apple e o Facebook. Isso porque a empresa de Zuckerberg tem se posicionado contra um novo recurso de privacidade do sistema. Agora, todos os aplicativos que quiserem rastrear dados e atividades da pessoa dentro dos apps e sites terá que pedir a sua permissão para isso.

A solicitação de consentimento será feita por meio de uma notificação pop-up na tela do celular. A novidade, diz a Apple, é uma forma de dar às pessoas um maior controle em relação à coleta dos seus dados pessoais e à sua privacidade. Assim, quem não quiser ter seus passos monitorados pode negar a permissão aos aplicativos.

Essa mudança afeta diretamente os negócios de empresas que coletam dados para anúncios personalizados, como é o caso do Facebook. Hoje, calcula-se que grande parte da sua receita vem da publicidade digital. De US$ 86 bilhões obtidos pela companhia em 2020, US$ 84,1 bilhões (97%) vieram dos anúncios, segundo seu último balanço anual.

Com tais números, a gigante estava montando uma verdadeira ofensiva contra a empresa da maçã, alegando que o novo recurso de privacidade vai tornar a internet "mais cara". Isso porque muitos aplicativos dizem que dependem da publicidade para manter a gratuidade do serviço.

A empresa foi além e diz que a medida da Apple prejudica o negócio de pequenas empresas que usam Facebook e Instagram para anunciar seus produtos e serviços.

Segundo o Facebook, a mudança na política de privacidade da Apple é uma maneira de tentar eliminar a concorrência, priorizando seus próprios aplicativos e a coleta de dados realizada por eles. A empresa de Cupertino afirma que até seus apps também seguirão as novas regras.

Ao perder essa queda de braço, Mark Zuckerberg, chefe do Facebook, recentemente mudou de postura e agora diz que a mudança pode ser boa. "A realidade é que estou confiante de que seremos capazes de administrar bem essa situação e estaremos em uma boa posição", disse em uma sala do app Clubhouse.

Duelo de titãs

Essa batalha entre as duas gigantes de tecnologia não é de hoje. Em dezembro do ano passado, o chefe da Apple, Tim Cook, já tinha jogado lenha na fogueira com um tuíte alfinetando o Facebook sobre privacidade.

Na ocasião, ele afirmou que a rede social continuaria rastreando as pessoas em aplicativos e sites, só que teria que pedir sua permissão primeiro. Já no inicio deste ano, aproveitando o Dia da Privacidade de Dados, celebrado em 28 de janeiro, a Apple distribuiu comunicado à imprensa sobre a importância de proteger os dados e informações das pessoas online e como a empresa vem atuando nesse sentido.

Mesmo sem citação direta ao Facebook, o recado estava dado. "Nosso objetivo é criar tecnologia que mantenha as informações das pessoas seguras e protegidas. Acreditamos que a privacidade é um direito humano fundamental e nossas equipes trabalham todos os dias para incorporá-la a tudo o que fazemos", afirmou no comunicado o vice-presidente sênior de Engenharia de Software da Apple, Craig Federighi.

Durante conferência em janeiro, para apresentação dos resultados financeiros do Facebook nos últimos três meses de 2020, Mark Zuckerberg fez duras críticas à empresa de Cupertino. O executivo disse que, por trás das alegações de defesa de privacidade da companhia da Apple, há na verdade uma postura anticompetitiva.

O site The Information noticiou no dia 28 de janeiro que o Facebook planeja processar a Apple por prática de truste —quando empresas tentam estabelecer um monopólio para controlar a oferta de produtos ou serviços e dominar o mercado.

Também em janeiro, Zuckerberg afirmou que a Apple é uma das suas principais concorrentes, mesmo que —pelo menos por enquanto— ainda não possua nenhuma rede social. No caso, se referia ao iMessage, o sistema de mensagem da Apple nativo em diferentes produtos da empresa. Isso, segundo Zuckerberg, reduz as chances de crescimento de outros aplicativos do gênero, como as do grupo Facebook —WhatsApp e Messenger.