PUBLICIDADE
Topo

Parler processa Amazon por ter sido banida da nuvem da empresa

Página principal da rede social Parler - Reprodução
Página principal da rede social Parler Imagem: Reprodução

De Tilt, em São Paulo

11/01/2021 18h13

A rede social Parler iniciou um processo judicial contra a Amazon nesta segunda-feira (11), depois que a divisão de computação em nuvem da gigante da tecnologia tirou do ar o site conservador por não conter incitações à violência.

O Parler, com sede em Nevada, pediu a um tribunal federal uma ordem de restrição para impedir que a Amazon Web Services cortasse seu acesso a servidores de internet.

Em queixa apresentada ao Tribunal Distrital em Seattle, o Parler disse que a decisão da Amazon de fechar sua conta foi "aparentemente motivada por animosidade política" e "aparentemente projetada para reduzir a concorrência no mercado de serviços de microblog em benefício do Twitter."

A ação surge em meio a uma onda de medidas de grandes serviços online para cortar o acesso de apoiadores do presidente Donald Trump, após os distúrbios no Capitólio dos Estados Unidos da semana passada e de supostos planos de novas manifestações violentas.

A popularidade do Parler disparou nas últimas semanas, ao tornar-se um refúgio para pessoas indignadas com a política de moderação de redes sociais como o Twitter, que encerrou a conta de Donald Trump, em definitivo, na última sexta-feira (8).

Na rede conservadora, foram divulgadas mensagens de apoio aos que invadiram o Congresso na quarta-feira (6). Algumas delas também convocaram a realização de novos protestos contra o resultado da eleição presidencial de novembro, vencida pelo democrata Joe Biden.

Google, Apple e Amazon atacam

A rede social conservadora foi desativada da internet nesta segunda-feira (11) um dia depois de a Amazon advertir a empresa que perderia acesso a seus servidores por ser incapaz de moderar as mensagens incitando a violência.

O site de rastreamento de Internet Down For Everyone Or Just Me mostrou a rede Parler desativada pouco depois da meia-noite local (5h em Brasília), o que sugere que seus donos não conseguiram nenhum outro provedor de serviço.

A Amazon segue, assim, os passos do Google e da Apple, que já removeram a Parler de suas plataformas de download. Em uma carta enviada à rede social, a empresa justificou a decisão, devido ao aumento de "conteúdos violentos".

Em uma série de "posts" no Parler, seu fundador, John Matze, confirmou no sábado que seu aplicativo não estaria disponível a partir do dia seguinte e acusou os gigantes da tecnologia de estarem em uma "guerra contra a liberdade de expressão". Procurada pela AFP, o Parler não quis comentar.

* Com agência AFP e Reuters