PUBLICIDADE
Topo

Difícil ajudar os filhos durante as aulas? Novidade do Google pode resolver

Estudantes podem tirar foto de equação matemática e resultados de buscam exibem passo a passo de como resolvê-la - Reprodução/Google
Estudantes podem tirar foto de equação matemática e resultados de buscam exibem passo a passo de como resolvê-la Imagem: Reprodução/Google

Renata Baptista

De Tilt, no Recife

18/10/2020 13h40

Desde o início da pandemia, tem sido comum ouvir relatos de professores, pais e alunos com dificuldades em se adaptar as aulas totalmente virtuais. Para dar uma mãozinha a esse público, o Google anunciou novos recursos de inteligência artificial, realidade aumentada e 3D que podem tornar o aprendizado mais prático.

As novidades foram apresentadas durante o evento global Search On, realizado na quinta-feira (15).

Segundo a empresa, O Google Lens, sistema de busca baseado em reconhecimento de imagem, passou a ser capaz de reconhecer 15 bilhões de cenas— há dois anos era 1 bilhão. Isso torna mais precisa a identificação de plantas, animais, pontos de referência, objetos e mais.

Caso você não esteja tão familiarizado com a tecnologia, o Google Lens funciona em conjunto com a câmera do celular e o banco de dados de pesquisa do buscador.

Basta apontar a câmera do celular para uma flor, por exemplo, e o Google Lens faz uma busca automática com base no que ele "está vendo". Entre os resultados podem aparecer informações sobre o tipo da flor, detalhes científicos sobre ela e a possibilidade de visualizá-la com ajuda de realidade aumentada.

"Prender a atenção das crianças e mantê-las entretidas é um desafio [durante as aulas em casa]", diz Liliane Galvão, mãe de Letícia, de nove anos, aluna do 4º ano do ensino fundamental de uma escola particular em São Paulo.

Segundo ela, outro problema é que muitas vezes os responsáveis pelos estudantes se deparam com perguntas sobre temas escolares que eles não viam desde o tempo de escola.

"Logo no início era ainda mais complicado, porque os professores mostravam o conteúdo e os alunos tinham que fazer os exercícios sozinhos, sem ajuda, e muitas vezes eu não lembrava do que estava sendo ensinado", diz Liliane.

Uma novidade apresentada pelo Google talvez consiga dar uma força para pais e responsáveis com dificuldades como as de Liliane. Também com o Google Lens, os estudantes poderão usar o reconhecimento de imagens para aprender como resolver questões de matemática.

Eles vão precisar tirar uma foto da equação e, em seguida, opções de guias e vídeos com passo a passo de como resolvê-la serão mostrados na tela. Assim, os alunos terão referências que podem ajudar na compreensão do assunto.

Tarefas de outras áreas, como química, biologia e física, também poderão ser contempladas, segundo o Google— resta saber se os alunos, na pressa de acabar o dever de casa, vão apenas copiar os resultados ou vão buscar o aprendizado com as ferramentas. Será?

De acordo com a empresa, a oferta de resultados de busca em 3D e realidade aumentada também foi melhorada. Visualizar o funcionamento interno de uma célula ou os elementos da tabela periódica em terceira dimensão, por exemplo, pode ser mais dinâmico do que apenas ler sobre eles em um livro. Os alunos poderão visualizar ligas metálicas, ou até mesmo a estrutura de um átomo durante os seus estudos.

Google Lens: exemplo de resultado com realidade aumentada - Reprodução/Google - Reprodução/Google
Exemplo de resultado de busca com realidade aumentada
Imagem: Reprodução/Google

Outras novidades do Google

O Google também anunciou durante o evento Search On uma novidade de busca para quem gosta de música (aqueles que têm memória fraca provavelmente vão gostar).

A nova ferramenta "hum to search" (murmure para buscar, em tradução livre) permite que o usuário simplesmente cantarole (só no lá-lá-lá mesmo), assobie ou cante um trechinho da canção para para o buscador. A promessa é de que o Google ofereça resultados precisos com base no que ouviu e dê detalhes sobre a música.

A ferramenta só está disponível em inglês no iOS e em mais de 20 línguas no Android, com planos de expansão.

Segundo as instruções, você deve abrir a última versão do aplicativo do Google, apertar o ícone do microfone e dizer "what's this song?" (que música é essa?, em tradução livre), ou clicar no botão "Search a song" (procurar uma música). Daí, basta começar a cantar por dez a 15 segundos.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('animated-gif','/2020/google-search-on-1602858799206.vm')

Pelo Google Assistente deve ser feito o mesmo: dizer "Hey Google, what's this song?" (Hei, Google. Que música é essa?) e então mostrar o que você sabe da música. O resultado da busca vai mostrar canções que possam bater com a melodia que você apresentou.

Tilt fez o passo a passo usando o aplicativo em um smartphone com sistema operacional Android e configurações em português. Perguntamos "que música é essa?" o que de fato acionou o recurso.

Tentamos cantarolar "Me Gusta", o novo sucesso da cantora Anitta (com letras em inglês e espanhol) mas o aplicativo não reconheceu a música, embora tenha apresentado outra opção com porcentagens de correspondência. Repetimos o teste com "Evidências" de Chitãozinho e Xororó e o app a identificou de primeira, embora com outros intérpretes.

De acordo com o Google, o recurso funciona usando seus modelos de aprendizado de máquina para "transformar o áudio em uma sequência baseada em número que representa a melodia da música". Em linguagem mais simples, é como se fosse uma "impressão digital" da música, que pode ser comparada com as canções de seu banco de dados.

A empresa explica que treina esses modelos em "uma variedade de fontes, seja pessoas cantando, assobiando ou cantarolando, bem como gravações de estúdio", retirando instrumentos e qualidade vocal para focar apenas nesta sequência numérica. Ou seja: em tese, a afinação não é um requisito para você ter sucesso nas buscas.